Menu
segunda, 20 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Queimada no Pantanal pode colocar sistema de saúde de Corumbá e Ladário na UTI

31 julho 2020 - 08h11Beatricce Bruno (Portal Educativa) e Gesiane Sousa

Além da pandemia de Coronavírus que continua em curva crescente nas cidades de Corumbá e Ladário, as queimadas no Pantanal estão instalando crise no sistema de saúde da região e fragilizando ainda mais a população.

O aumento na procura por atendimentos nas unidades básicas de saúde, por causa de doenças relacionadas à qualidade do ar, e os indicadores climáticos que preveem piora na estiagem, foram inclusive alguns dos motivos que levaram o governador Reinaldo Azambuja a decretar Estado de emergência.

A fumaça das queimadas eleva os problemas respiratórios e, consequentemente, faz crescer a procura por serviços de saúde por causa de complicações respiratórias. A situação se torna ainda mais delicada ao se levar em conta a pandemia do novo coronavírus.

Sem especialistas na área de pneumologia na rede pública de saúde da região, os pacientes em estado crítico normalmente são encaminhados para Campo Grande. O problema é que a situação dos leitos hospitalares na capital já está no limite.

Todos os anos neste período de seca e queimadas, Corumbá tem um aumento de 25 a 30 por cento de doenças respiratórias, explicou o secretário de saúde do município, doutor Rogério Leite. “A cidade fica coberta de uma nuvem de fuligem”, conta. Com dois eventos graves ao mesmo tempo, além da seca própria do período, a situação pode ficar complicada.

“Nenhum município está cem por cento preparado para enfrentar dois eventos desta natureza, mas faremos tudo que puder para proteger a população”, declarou o secretário de saúde.

De acordo com o boletim epidemiológico de Corumbá, divulgado nesta quinta-feira (30), já não há mais leitos disponíveis na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) para Covid-19. Os 14 leitos de UTI da ala de Covid na Santa Casa estão ocupados, sendo metade dos pacientes utilizando respirtadores e a outra metade em situação mais estável, sem o mecanismo. Dos 40 leitos clínicos destinados para casos confirmados e suspeitos da doença, 19 estão ocupados.

Complicações

Segundo a médica pneumologista, Eliana Setti Albuquerque Aguiar, quando inalada, a fumaça provoca irritação das vias aéreas principalmente porque ela contém materiais poluentes.

A população mais afetada são os extremos de idade: crianças, idosos além de pessoas com problemas cardíacos. Mas isto, segundo ela, não significa que a fumaça não agrida outras pessoas consideradas saudáveis.

“Quanto mais perto da fuligem, maior é o perigo”, explica a médica, lembrando inclusive o risco que correm bombeiros e agricultores que moram próximo aos locais dos incêndios. De acordo com Eliana, a fuligem pode bloquear o sistema de filtragem do ar que respiramos (que são os pelos das narinas). E este bloqueio, que comumente chamamos de nariz entupido, leva as pessoas a respirar pela boca levando o ar poluído diretamente para os pulmões.

Sintomatologia se mistura ao Covid 19

O agravamento das doenças respiratórias pode levar o paciente a necessitar do mesmo equipamento usado no tratamento da Covid 19: os essenciais respiradores. Alguns sintomas também são parecidos: dor na garganta, tosse seca, cansaço, falta de ar, dificuldade para respirar, dor de cabeça, rouquidão e lacrimejamento e vermelhidão nos olhos. São sintomas que se misturam, explicou a infectologista.

No caso das queimadas, os sintomas variam de pessoa para pessoa e dependem do tempo de contato com a fumaça. “A tendência é que ela afete mais aqueles que estão mais próximos como bombeiros e agricultores que vivem na região”, atesta. Pessoas com doenças prévias como rinite, asma, bronquite e Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) são os mais sensíveis e propensos a quadros mais agudos.

Hidratação e consciência são vitais

Não há como se prevenir contra as queimadas – que apesar de fazer parte do manejo na região, estão sendo feitas sem o devido cuidado e controle – mas existem formas de prevenir contra as doenças respiratórias. A médica pneumologista recomenda o uso intermitente de umidificadores, principalmente onde há crianças. Isto porque a criança não pede para beber água e o nosso organismo está muito seco. Beber bastante água e, se possível, se afastar de lugares afetados pelo calor do fogo.

Outras providências, de acordo com Eliana é tomar cuidado para não colocar fogo no lixo, ficar atento às bitucas de cigarros. “Mais do que nunca a população precisa ter consciência da situação que estamos enfrentando”, diz referindo-se também a Pandemia. “É preciso ter o distanciamento social, usar máscaras e aguardar a vacina”, aponta. São cuidados que podem salvar a vida, principalmente, das pessoas que moram nas regiões afetadas pelas queimadas.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Prorrogação
Detran-MS amplia prazos e CNHs vencidas podem ser renovadas até 2022
Campanha
Corumbá abre Semana Nacional do Trânsito; atividades vão até dia 24
Prevenção
Campanha antirrábica deve vacinar 30 mil cães e gatos
Há cinco dias
Falta de água no bairro Popular Velha revolta moradores
Denúncia
Bar é fechado e proprietário é multado em R$ 5 mil por poluição sonora
Oportunidade
Senac Corumbá abre inscrições para cursos na área da saúde
Pesquisa
Dia das Crianças deve movimentar R$ 135 milhões na economia de MS
Fronteira
Mulher presa com "cinturão de cocaína" receberia R$ 1.500 pela travessia
Calendário
Proprietário de veículos com placas final 9 devem quitar licenciamento até 30 de setembro
Leilão
Detran-MS abre visitação de 83 lotes disponíveis para desmontagem

Mais Lidas

Balanço
Em três dias, operação Fronteiras e Divisas apreendeu R$ 12 milhões em drogas
Preconceito não!
Jogo da Diversidade acontece hoje com cobertura ao vivo do Capital do Pantanal
Flagrante na fronteira
PMA desmonta acampamento mas caçadores escapam para o Paraguai
Alerta
Com umidade do ar registrando 10%, cidades de MS voltam a ficar em alerta