Menu
domingo, 17 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Mulher pega "carona amiga" e pede socorro após acidente na estrada

17 agosto 2020 - 10h01Sylma Lima

Há meses o Capital do Pantanal vem denunciando a prática criminosa da “carona”, que já se tornou usual em Corumbá, desde que o transporte de passageiros regulamentado, entre a cidade e Campo Grande foi proibido pelo poder público municipal. A briga para liberação das empresas que atuam no trecho, foi parar no Ministério Público, que já deu o sinal positivo para que tudo volte à normalidade, desde que cumpram uma série de exigências, visando a higienização e distanciamento, para evitar a disseminação do Coronavírus. Regras estas que já são cumpridas em todas as operadoras de transportes que atuam na rodoviária Intermunicipal de Campo Grande.

Ladário,  cidade vizinha à Corumbá, já liberou os ônibus, com horários estabelecidos e, critérios rigorosos que são fiscalizados pela Vigilância Sanitária e epidemiológica daquele município. A decisão gerou controvérsias, mas, a população entendeu que a decisão foi acertada e hoje usufrui de um serviço regulamentado e seguro.

Apesar de alertar sobre a situação do risco que correm os passageiros que pegam a chamada, “carona amiga“, ninguém tomou nenhuma providência. Os condutores  criaram um grupo de WhatsApp para fazer o transporte dessas pessoas pelo valor de R$ 120, contudo, sem oferecer nenhuma segurança aos passageiros. Inevitavelmente, que algo bom não poderia surgir de uma atitude clandestina e sem controle de fiscalização.

Esse final de semana uma passageira denominada Susana pegou carona para vir a Corumbá, porém no caminho o carro se acidentou e ela pedia desesperadamente no grupo, que alguém a ajudasse. O Capital do Pantanal teve acesso aos prints da conversa e audio com pedido de socorro desta passageira com o grupo, no qual ela informava que viria no carro com uma mulher, mas de última hora passaram ela para outro veículo, que sequer tinha cinto de segurança.

Capital do Pantanal · Pedido de socorro em grupo de "carona amiga"

A situação, ao que tudo indica, está fugindo do controle. Se por um lado a prefeitura proíbe a liberação dos ônibus, que estão aptos e regulamentados para fazer o transporte dos passageiros, pagando altos impostos, por outro os clandestinos estão fazendo da atividade um meio de vida para ganhar dinheiro durante a pandemia. Enquanto isso a ilegalidade dribla a fiscalização sem dificuldades.

As empresas que fazem transporte regular de passageiros na cidade, além de gerar empregos para centenas de famílias corumbaenses, ainda oferecem toda a estrutura e segurança, como: câmeras internas para evitar furtos e roubos, seguro de bagagem no caso de perda ou extravio, e obviamente seguro de vida caso o erro seja de responsabilidade das empresas. Muito diferente da “carona amiga”, em que a população não tem a quem recorrer e que vai ter que arcar com prejuízos e riscos.

O Capital do Pantanal entrou em contato com a Agepan (Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Mato Grosso do Sul) para entender por que o transporte regular continua parado em Corumbá, uma vez que a própria agência, reguladora do setor, autorizou o retorno das linhas regulares, sob rígidas medidas de biossegurança, no final do mês de maio. Segundo a Agepan, a competência do Estado se refere as linhas, que são fiscalizadas por meio da Agência. O Estado autoriza ou faz concessão e monitora a forma como as empresas operam essas linhas. Já o Terminal Rodoviário é uma concessão Municipal.

A Agepan explica ainda, que em qualquer cidade do Mato Grosso do Sul, o Estado não faz a gestão desses espaços. Ele é utilizado pelas empresas, e elas pagam a Prefeitura pela locação dos guichês., lanchonetes e lojas. “A gestão do espaço é toda do município. As prefeituras podem fazer  gestão diretamente, ou podem fazer a concessão para outras empresas administrarem.  A Prefeitura é que precisa liberar a Rodoviária para as linhas. Então, embora o Estado permita as empresas continuarem operando, e estabeleça as regras de cuidado sanitário, o serviço depende mesmo de que a Prefeitura libere a rodoviária”.  

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tragédia
Médico do interior de SP é um dos sobreviventes de barco que naufragou; quatro parentes morreram
Atualizações
Dois dos corpos encontrados no rio Paraguai são identificados
Inédito
Tempestade de areia: Energisa recebeu 4 mil chamados em Campo Grande
Dia Mundial da Alimentação
Em MS, 69% da população está com excesso de peso e 36% com obesidade
Ensino Superior
UEMS investe mais de R$ 13 milhões em bolsas e auxílios para estudantes
Transporte
Expresso Queiroz tem autorização suspensa por incapacidade de atender passageiro
Defesa Civil
Tempestade de poeira e vendaval causaram estragos em pelo menos sete nos municípios
Cidade em alerta
Ventos de 64 km/h destelharam 20 casas em Corumbá
Previsão Meteorológica
Tempo continua fechado com chance de mais chuva para grande parte do Estado
Tragédia
Naufrágio no rio Paraguai deixou sete pessoas desaparecidas

Mais Lidas

Tragédia
Médico do interior de SP é um dos sobreviventes de barco que naufragou; quatro parentes morreram
Tragédia
Naufrágio no rio Paraguai deixou sete pessoas desaparecidas
Atualizações
Dois dos corpos encontrados no rio Paraguai são identificados
Cidade em alerta
Ventos de 64 km/h destelharam 20 casas em Corumbá