Menu
terça, 11 de maio de 2021
Andorinha - Maio
Andorinha - Maio
Geral

Manifestantes protestam contra PEC que limita gastos públicos em ruas de Corumbá

11 novembro 2016 - 09h41Gesiane Medeiros
Em maioria, os servidores públicos são os mais revoltados. Foto: CDP

Movimento nacional que vai contra o Projeto de Emenda Constitucional, PEC 241, que limita os gastos públicos no país, congelando investimentos em educação, saúde e segurança nos próximos 20 anos teve forte adesão em Corumbá. Hoje (11), centenas de pessoas, em maioria servidores públicos e apoiadores participam de protesto pelas principais ruas do centro da cidade.

Outros protestos, mais isolados e de menor proporção, já aconteceram nos últimos meses deste ano na cidade, a Polícia Civil realizou panfletagem em semáfaro da Frei Mariano no final de setembro e alunos e professores do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS) percorreram ruas com cartazes e gritos de guerra, em outubro, revoltados com o teto dos gastos públicos proposto pelo governo federal, que segue sendo aprovado na câmara e no senado.

Os manifestantes estão revoltados com o corte de investimento em áreas consideradas essenciais para a população. Para a Polícia Civil, se aprovada a PEC 241 e a PLP 54 e 204, toda a classe de servidores públicos será prejudicada, pois  os projetos em discussão no Senado Federal buscam privatizar o Sistema Único de Saúde (SUS), terceirizar a educação pública, diminuir os direitos trabalhistas e reduzir os direitos previdenciários.

Policiais Civis participam do protesto. Foto: CDP

Israel Leite Bogarim, diretor adjunto do Sinpol-MS (Sindicato dos Policiais Civis de Mato Grosso do Sul), explica que, no nível estadual, os Policiais Civis estão com defasagem salarial, precariedade de viaturas e de materiais para investigações criminais.  Além da interrogação quanto à continuidade do sistema SIGO, que ficou paralisado por mais de dois meses este ano e retornou após governo negociar a dívida de R$ 1,7 milhão para R$ 760 mil, porém na última semana, novas informações indicaram que o compromisso de pagamento das parcelas foi quebrado, e isso pode gerar em um novo bloqueio do sistema.

Professora do IFMS, Giane Moura, afirma que a PEC 241 altera a forma de financiamento educacional, extinguindo os 10% do Produto Interno Bruto (PIB) que é destinado a educação, e tira a obrigação dos 18% garantido na constituição federal. “O governo federal quer inserir uma medida provisória para fazer a reforma do ensino médio, que precisa de investimento, e ao mesmo tempo propõe uma PEC que corta os recursos da educação, isso gera um congelamento de 20 anos”, protesta a professora da instituição.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLICIAL
PRF apreende mais de 7 toneladas de maconha em MS
POLICIAL
PF realiza prisão por tráfico interestadual de drogas e apreende 200 kg de maconha
EDUCAÇÃO
IFMS investe no aprimoramento de atividades não presenciais
MEIO AMBIENTE
Parque Municipal de Piraputangas recebe observação de aves
HOMENAGEM
Câmara homenageia OAB de Corumbá pelo seu 63º aniversário de fundação
CIDADANIA
Abertas as inscrições para a 2ª edição do programa Juventude Empreendedora
GERAL
Após recomendação da Anvisa, Estados e prefeituras mudam vacinação de grávidas
GERAL
CPI da Covid questiona presidente da Anvisa sobre vacinas nesta terça
ECONOMIA
Produtividade cai 2,5% no primeiro trimestre de 2021, aponta pesquisa da CNI
GERAL
Maio da Diversidade LGBT+ terá mais de 100 ações do Governo MS

Mais Lidas

POLICIAL
PM encerra festa clandestina em casa abandonada e prende foragido da justiça
POLICIAL
Homem é preso por infração de medida sanitária e desobediência
POLICIAL
Casal é preso após briga no bairro Dom Bosco
POLICIAL
PRF recupera veículo e liberta homem que estava mantido em cárcere privado