Menu
sábado, 25 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Vacinados contra Covid-19 devem aguardar 48 horas para ingerir bebida alcoólica

26 julho 2021 - 09h08Redação

É recomendado que pessoas que tomam a vacina contra Covid-19 esperem 48 horas para consumir bebidas alcoólicas, diz o infectologista e pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Júlio Croda. 

O infectologista afirma que os efeitos colaterais do álcool podem confundir com os efeitos da vacina. 

Croda ressalta que o álcool não altera a eficácia da vacina, resposta imune ou proteção.“A recomendação é mais por causa dos efeitos colaterais. Se a pessoa apresentar dor de cabeça, é efeito da vacina ou do álcool?”, indaga. 

A Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) afirma que profissionais da área da saúde atuantes em polos de imunização orientam que vacinados suspendam o consumo de bebidas alcoólicas por dois dias. 

“É uma recomendação que eles fazem mais no sentido de se resguardar, no sentido de precaução. Recomendações informais, cuidados comuns”, disse a assessoria de imprensa da Sesau. 

Além disso, a Sesau ressalta que não há protocolo que exija que o cidadão suspenda o álcool após ser vacinado contra Covid-19. 

O enfermeiro e doutor em Infectologia, Everton Lemos, também recomenda a suspensão temporária do álcool após imunização contra Covid-19. 

“É importante não realizar mesmo, consumo de bebida alcoólica e não praticar atividade física”, afirma. 

As bulas das vacinas Coronavac-Sinovac-Butantan, AstraZeneca-Oxford-Fiocruz, Janssen e Pfizer-BioNTech não mencionam o álcool como contraindicação. 

Reações adversas 

As vacinas contra Covid-19 aplicadas em Mato Grosso do Sul são Coronavac-Sinovac-Butantan, AstraZeneca-Oxford-Fiocruz, fizer-BioNTech e Janssen. Todas elas indicam efeitos colaterais após aplicadas. 

De acordo com a bula da Pfizer, as reações adversas muito comuns da vacina são dor e inchaço no local da injeção, cansaço, dor de cabeça, diarreia, dor muscular, dor nas articulações, calafrios e febre. 

De acordo com a bula da AstraZeneca, as reações adversas muito comuns da vacina são sensibilidade, dor, sensação de calor, coceira ou hematoma, indisposição, cansaço, calafrio, febre, dor de cabeça, enjoo e dor muscular ou nas articulações. 

Segundo bula da Coronavac, as reações adversas muito comuns da vacina são dor no local da aplicação, dor de cabeça e cansaço. 

De acordo com bula da Janssen, as reações adversas muito comuns da vacina são dor no local da injeção, dor de cabeça, fadiga, dor muscular, náusea e febre. 

Reações à vacina AstraZeneca são mais comuns do que as outras marcas de vacina. 

O secretário Municipal de Saúde de Campo Grande, José Mauro Filho, diz que efeitos colaterais de qualquer vacina são normais. 

"Normalmente qualquer vacina tem reação vacinal, seja uma febre, calafrios, dor de cabeça, isso aí é o efeito da vacina", disse. 

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) afirma que não existe relatos de efeitos colaterais graves à vacina contra Covid-19 em Mato Grosso do Sul. 

 

Com informações do Correio do Estado 
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Denúncia
Homem morre e família acusa médica da UPA de negligência
Palestras
3ª edição da Semana da Saúde do Sesc tem foco nos reflexos da pandemia
SCT 2021
IFMS abre inscrições para Semana de Ciência e Tecnologia
Javaporco
PMA flagra criação ilegal de javalis em propriedade de Dourados
Alerta
De agendamentos a esquemas de 'pirâmides', entenda os maiores golpes do Pix em MS
Retomada
Fundtur recebe inscrições no Programa "Incentiva+MS Turismo" até 5 de outubro
Bonito
Mulher é multada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida
Imunização
Veja quem pode se vacinar neste fim de semana em Corumbá
Balanço
Mais de 50% das drogas apreendidas na Operação Fronteiras e Divisas I são de MS
Economia
Comércio deve facilitar pagamento e ser cauteloso para o Dia das Crianças

Mais Lidas

Bairro Vila Mamona
Funcionários de construção amarram autor de furto e acionam PM
Capital
Presos usam celulares até em banho de sol na Máxima
Flagrante
Dupla é presa por tráfico de drogas na área central de Corumbá
Estava Foragida
Boliviana investigada por desastre da Chapecoense é mantida em Corumbá até extradição