Menu
quinta, 02 de dezembro de 2021
Andorinha Dezembro
Mobile - Andorinha Dezembro
Geral

STF volta a julgar se provas obtidas por revista íntima são ilegais

17 junho 2021 - 10h35Da Redação

Todas as semanas, milhares de pessoas que visitam um familiar encarcerado, em sua absoluta maioria mulheres e crianças, são revistadas nuas e sem as devidas condições de higiene, além de serem submetidas a exames de seus órgãos genitais, com toque ou utilização de espelhos e outros objetos. Trata-se da revista vexatória, procedimento realizado para que agentes do Estado verifiquem se as visitantes do sistema de privação de liberdade levam consigo armas, drogas e celulares. 

A revista íntima, prática que já é proibida ou restrita por lei em diversos estados brasileiros, está na pauta do Supremo Tribunal Federal (STF). A Corte deve voltar a julgar, nesta sexta-feira (18), se a revista desrespeita os princípios constitucionais da dignidade humana e se provas coletadas por meio do procedimento devem ser consideradas ilegais.

O julgamento foi iniciado em outubro de 2020 e, até o momento, foram contabilizados quatro votos. Três ministros consideraram inadmissível a prática da revista íntima e votaram pela inconstitucionalidade de provas obtidas por este meio. O relator do processo, ministro Edson Fachin, ressaltou em seu voto algo que a prova obtida a partir da revista “é ilícita, não cabendo como escusa a ausência de equipamentos eletrônicos”. 

Rede Justiça Criminal, uma coalizão de nove organizações que atua por um sistema de justiça pautado pelos direitos humanos, enviou parecer técnico aos ministros e ministras do STF, apontando que a prática é ineficiente e contraria o direito à dignidade, à intimidade e à inviolabilidade corporal. Para apurar a dimensão do problema, foram feitos diversos pedidos por LAI (Lei de Acesso à Informação) em 2019 a todas as unidades da federação questionando os efeitos da revista íntima, a fim de aferir a eficácia do método. 

“Apesar de muitos estados não terem fornecido dados ou terem dado respostas incompletas, foi possível identificar que a revista íntima não gera resultados efetivos como o alegado, além de se configurar como um ato degradante. Por isso, defendemos que a prática tem que acabar” ressalta Janine Salles, coordenadora executiva da Rede Justiça Criminal. 

De acordo com dados fornecidos pelo estado do Paraná, constatou-se que em 2018, apenas 0,18% das revistas íntimas de visitantes foram apreendidas drogas e, em 0,01% foram apreendidos celulares. Já das apreensões informadas pelo Distrito Federal no mesmo ano, apenas 0,2% foram advindas de visitantes. O  número do DF não necessariamente correspondia a objetos perigosos. Entre os materiais, foram encontrados moedas, tinta de caneta para tatuagem, medicação, bilhetes, além de substâncias entorpecentes, cartão de memória e chip de celular. 

“Não podemos fechar os olhos para esta que é uma violência de gênero, raça e classe: as mulheres correspondem a 75% do total de visitantes no sistema prisional e estão tendo seus corpos violados por um procedimento que já foi considerado violência sexual e tortura por diversos organismos internacionais” comenta Janine Salles. “A revista segue acontecendo mesmo em estabelecimentos que possuem o scanner corporal, por exemplo. Por isso é urgente que o STF invalide a obtenção de provas por revista sem exceções”.

 

 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Crescimento
MS tem 37,9 mil trabalhadores formais a mais que antes da pandemia
Polícia
'Deu Zebra' não chega nem perto de donos do jogo do bicho e policiais se revoltam em Campo Grande
Meio Ambiente
Sanesul é cobrada para eliminar descarte de lodo na região do Porto Geral
Benefício
Nascidos em dezembro têm até o dia 31 para aderir ao saque-aniversário
Infraestrutura
Recuperação de galeria no bairro cervejaria é urgente
Acidente
Motociclista sofre ferimentos em queda acidental
Inédito
Bonito recebe primeiro voo em conexão direta com Congonhas nesta quinta-feira (02)
Habitação
Decreto regulamenta projeto Lote Urbanizado e cria novas regras e prazos
Rio Brilhante
Empresários que tiveram prisão decretada na operação 'Dark Card' estão foragidos
Jovens Empreendedores
Alunos de Escolas Municipais de Porto Murtinho expõem produtos desenvolvidos em sala

Mais Lidas

Polícia
'Deu Zebra' não chega nem perto de donos do jogo do bicho e policiais se revoltam em Campo Grande
Homenagem
Rodovia MS 228, em Corumbá, recebe o nome do pecuarista Dalci Vicente Sebben
Governo
Autorizados concursos públicos para Iagro e Sedhast com 180 vagas
Rio Brilhante
Empresários que tiveram prisão decretada na operação 'Dark Card' estão foragidos