Menu
domingo, 25 de julho de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Expresso Mato Grosso - Promoção de Junho
Geral

População aprova projeto de Moka que faz presos pagarem despesas

19 fevereiro 2018 - 07h06Sylma Lima

Projeto de autoria do senador Waldemir Moka (MDB-MS) em análise na Comissão de Constituição e Justiça do Senado prevê que os presos devem arcar com o custo de suas despesas. A ideia agrada 97% das pessoas que participaram de enquete exposta no site do Senado: são 38.462 votos favoráveis e apenas 1.192 contrários.

Hoje, o Brasil tem uma população carcerária de 726.712 pessoas (2016) e cada uma custa R$ 2,4 mil por mês, mais do que um aluno do Ensino Médio por ano (R$ 2,2 mil).  Diante desses dados, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Carmen Lúca reconhece que “ alguma coisa está errada na nossa Pátria amada.”

Moka entende que a participação dos presos no financiamento do sistema penitenciária contribui para a  redução das penas, para a melhoria das instalações e também para acabar com a ociosidade que costuma gerar violência e rebeliões. Outro aspecto importante é permitir maiores investimentos em educação e saúde, com a diminuição dos gastos com a população carcerário que é, hoje, a terceira maior do mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos e China.

Para Moka, a grave situação do sistema prisional brasileiro decorre, principalmente, da falta de recursos para mantê-lo. A contribuição dos presos para as despesas com assistência material poderia ampliar esses recursos e melhorar o sistema. Hoje, 89% da população prisional estão em unidades superlotadas. São 78% dos estabelecimentos penais com mais presos que o número de vagas. Comparando-se os dados de dezembro de 2014 com os de junho de 2016, o déficit de vagas passou de 250.318 para 358.663. (Innformações da assessoria parlamentar)

O custo médio mensal por preso é de R$ 2,4 mil, mas esse número varia, podendo chegar a R$ 3.016,40 no Paraná; cerca de R4 3 mil na Bahia; R4 3,5 mil no Pernambuco e R$ 1.450 em São Paulo.

A proposta de Moka prevê que o encarcerado custeie sua estadia, pagando ou trabalhando. “Creio que a implantação dessa medida vai permitir que as penitenciárias ofereçam oficinas de diversas modalidades, facilitando a reintegração dos presidiários através da profissionalização”, assinala  Moka.  

Waldemir Moka destaca que a própria Lei de Execução Penal, no artigo 29, já prevê que a remuneração do trabalho do preso se destine ao ressarcimento ao Estado das despesas realizadas com sua manutenção, sem prejuízo de outras destinações, como a indenização dos danos causados pelo crime, a assistência à família e pequenas despesas pessoais.

Projeto prevê que o trabalho deve ser feito na medida das aptidões e capacidade do preso, com jornada de seis a oito horas e direito a descanso nos domingos e feriados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Seguiriam para Bolívia
Dois veículos que seriam atravessados para Bolívia são recuperados
Mais tempo
Exame toxicológico na emissão de CNH tem prazo ampliado para utilização do laudo
Empreendedorismo
Cinco erros que o empresário deve evitar no Marketing e Vendas
Imunização
Sábado tem vacinação contra Covid até 12h no drive do Poliesportivo
Investigaçã
Famosos em MS, grupos de venda estão 'recheados' de produtos roubados
Saúde
Anvisa suspende estudos clínicos da Covaxin no Brasil
Sorte
Mega-Sena pode pagar R$ 7 milhões no sorteio deste sábado
Cidade Tranquila
Operação conjunta combate crimes fronteiriços em Corumbá e Ladário
Tempo
Ar seco e quente pode marcar o sábado em Mato Grosso do Sul
Acidente
Motociclista fratura clavícula após perder controle em lombada

Mais Lidas

Seguiriam para Bolívia
Dois veículos que seriam atravessados para Bolívia são recuperados
Imunização
Sábado tem vacinação contra Covid até 12h no drive do Poliesportivo
Cidade Tranquila
Operação conjunta combate crimes fronteiriços em Corumbá e Ladário
Mais tempo
Exame toxicológico na emissão de CNH tem prazo ampliado para utilização do laudo