Menu
quinta, 23 de maio de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

PMA intensifica fiscalização em nascentes e matas do rio da Prata

25 junho 2016 - 07h49Gesiane Medeiros

Fiscalização realizada pela Policia Militar Ambiental (PMA) de Bonito já autuou cinco fazendas de Jardim e Bonito, com autuações que chegam a R$ 13 milhões. Na fazenda Figueira, localizada no município de Jardim, a 65 km da cidade de Bonito. Equipe permaneceu no local desde o dia 17 de junho, um agrônomo arrendatário foi multado em R$ 3.300 e um agricultor, arrendatário de área da mesma fazenda foi multado em R$ 4.000. Hoje (24), com a conclusão do levantamento, o proprietário também foi autuado por irregularidades ambientais.

Inicialmente foi constatada uma criação de gado em área de Preservação Permanente (APP), sem cerceamento das áreas protegidas dos córregos Sucuri e afluente do rio da Prata. As áreas de matas ciliares e nascentes estavam sendo pisoteadas e degradadas pelo gado, criando erosões nas imediações e nas margens do curso d’água.

A Lei Ambiental impõe que nas áreas de matas ciliares, as margens do córrego devem ser de 30 metros e das nascentes de 50 metros. Medida em GPS, a área afetada perfez 46 hectares. Em vários trechos de preservação havia atividade de agricultura. A falta de cuidados com o solo, que gerou erosões e assoreamento dos mananciais, contribui com aumento da turbidez da água do rio da Prata, tendo em vista que os cursos d’água afetados e nascentes são afluentes deste rio.

As atividades irregulares foram interditadas e o proprietário da fazenda, de 39 anos, residente em Campo Grande, foi autuado administrativamente e multado em R$ 2.3 milhões. Ele também responderá por crime ambiental , acusado de destruir área de preservação permanente e poderá pegar pena de prisão de um a três anos.

O autuado foi notificado a apresentar plano de recuperação da área degradada (PRADE), junto ao órgão ambiental. Os autos também serão encaminhados ao Ministério Público para possível abertura de ação civil pública de reparação dos danos ambientais.

Os levantamentos continuarão nas demais propriedades suspeitas de irregularidades. São levantamentos terrestres, por imagens de satélites, fotografias e vídeos aéreos, no sentido de se levantar as ilegalidades e avaliar os danos ambientais, para a aplicação inicial das multas administrativas, que serão julgadas pelo Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), bem como para subsidiar a parte criminal e para servir de base para o Ministério Público, em possível ação civil pública para a reparação dos danos ambientais.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Ônibus para Capital
Menor é apreendida transportando pacotes de Skunk presos ao corpo
Boletim Epidemiológico
MS registra 9.155 casos confirmados de dengue
Reconhecimento
Investigadora da Civil de Corumbá é homenageada pelo combate à crueldade contra animais
Vigilância Sanitária
Governo cria "MS Vacina Pet" e destina R$ 1,9 milhão contra a raiva
Em Dourados
PF mira em quadrilha de MS que transportava drogas em tanques de combustível
Sob Alerta
Inmet divulga alerta de perigo para o sul do país
Nova Data
Concurso Unificado será em 18 de agosto, confirma Ministério da Gestão
Variedades
Tipos de apostas no futebol
Saúde
Corumbá abre duas unidades de saúde para multivacinação no sábado, 25 de maio
Agenda
Corumbá promove Conferência Municipal da Cidade nos dias 26 e 27 de junho

Mais Lidas

Agenda Cultural
Evento de som automotivo arrecada doações para RS e Instituto Novo Olhar
Tráfico de Drogas
Mochila abandonada em ônibus é apreendida com 8,7 kg de Skunk
Oportunidade
IHP abre vagas para jovens aprendizes com idades entre 16 e 20 anos
Na madrugada
Homem é preso vendendo droga em beco do bairro Borrowski