Menu
sexta, 07 de maio de 2021
Governo - O Estado que cresce - Maio
Geral

Oficina do 13º Fasp trouxe a sabedoria do mestre Sebastião na construção da viola de cocho

15 novembro 2016 - 09h23Notícias MS
O mestre-artesão Sebastião é um ícone da cultura pantaneira. Foto: Divulgação

Terminou na manhã desta segunda-feira (14) a oficina de viola de cocho com o mestre-artesão Sebastião de Souza Brandão, de Ladário (MS). Foram três dias em que os 15 participantes puderam entrar em contato com a sabedoria do mestre e aprender os processos de construção de uma viola de cocho. A oficina foi realizada no Iphan de Corumbá, que fica na rua Domingos Sahib, 157, Beira-Rio.

Seu Sebastião foi contemplado com o Prêmio Culturas Populares 2012, do Ministério da Cultura, e repassou na oficina as técnicas para a construção desse instrumento musical rústico, totalmente artesanal, de forma e sonoridade sui generis, produzido com matérias-primas extraídas do Pantanal. Seu modo de fazer é tombado como patrimônio cultural brasileiro.

Para fazer uma viola de cocho é necessário primeiro escolher a árvore, que pode ser a chimbuva, siriguela ou saran, esta última só existente nas margens dos rios do Pantanal. Seu Sebastião explica que é necessária a autorização do “meio ambiente” para cortar a arvore, e também para o seu transporte. “A motosserra para cortar o tronco também precisa ser legalizada”. Depois é cortada uma prancha no tronco e feito o desenho. É feita a cava com marretinha de madeira dentro desse desenho; depois de cavada coloca a tampa com o mesmo formato. A tampa é colada e amarrada com borracha de câmara de pneu de carro para a fixação. Colada a tampa, em cima vão os cavaletes e as cinco cordas.

Seu Sebastião diz que o nome “viola de cocho” provavelmente veio do cocho, que é uma vasilha indígena para servir ração para os animais. “Os índios batiam naquela vasilha e viram que dava um som bonito. A viola de cocho não é só de Cuiabá, ela é típica do Pantanal”, diz.

O mestre-artesão já perdeu a conta de quantas violas fez. “Eu tinha um caderno em que eu anotava as violas que eu fazia, mas quando eu cheguei no número 1.004, há quatro anos, eu perdi o caderno em Vitória do Espírito Santo. Acho que depois disso já fiz o dobro”.

Para ele, é grande a importância de se realizar uma oficina de viola de cocho no Festival América do Sul. Estou expandindo meu trabalho. Eu precisaria de mais festivais para isso, pois a procura é muito grande. Estamos divulgando nossa cultura e nosso Estado”.

A oficina foi realizada na sede do Iphan. Foto: Divulgação

Para a oficina, não foi feito todo o processo de elaboração da viola, mas já foram trazidas as violas já cavadas, para os participantes fazerem o acabamento. Uma das alunas, Janaína Piccelli, que trabalha na Gerência de Patrimônio Histórico e Cultural da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, aguardou ansiosamente pela vaga para fazer o curso. “Eu estava só auxiliando a oficina, daí um aluno não veio e eu peguei autorização e fiz minha inscrição. Sempre quis fazer viola de cocho, a gente sempre pesquisa na Gerência. É uma experiência muito legal ter um produto que é um bem nosso, é gratificante”.

A técnica de enfermagem aposentada Denilce Fátima de Oliveira, de Corumbá disse que depois que se aposentou, há quatro anos, aproveita para fazer cursos e oficinas de arte. “Minha amiga me ligou informando sobre o curso e daí fiz minha inscrição. Sempre tive vontade de construir uma viola de cocho e aqui chegou a oportunidade. Fiquei emocionada, foi uma boa experiência. Vou dar a viola para a minha filha e vou continuar fazendo outras para não perder o que aprendi, vou pegar um caderno e escrever para não esquecer”.

Sua colega de curso Fabiana Geuanace, estudante do ensino médio, de Corumbá, ficou sabendo da oficina por uma reportagem na TV. “Amo viola. O violão, a guitarra é do mundo inteiro. A viola de cocho é de Mato Grosso do Sul, é nossa. Gostei muito do curso, aprendi coisas que eu não sabia. Dá muito trabalho fazer a viola de cocho, mas é gratificante. É única, pois é artesanal, a gente que fez. Vou guardar a minha pro resto da vida”.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
MS recebe 50,5 mil doses da Astrazeneca do Ministério da Saúde
GERAL
PMA de Corumbá recebe doação de viatura da Vale para uso na fiscalização no Pantanal
SAÚDE
Prefeitura leva atendimento médico de rotina para o Porto Esperança
POLICIAL
Jovem é preso com 483 unidades de maconha no Cristo Redentor
POLICIAL
PMA apreende mais três tigres d'água em chácara
COVID-19
Vereador reforça necessidade de imunizar trabalhadores do CAC contra a Covid
ECONOMIA
Trabalhadores nascidos em maio podem sacar auxílio emergencial
POLICIAL
PRF apreende mais de 1,5 tonelada de maconha em MS
CIDADE
Vereador solicita informações sobre estágio de projeto de reforma do antigo mercadão
SEMANA NACIONAL DAS COMUNICAÇÕES
Wi-Fi Brasil leva internet a mais de 13 mil pontos remotos do país

Mais Lidas

POLICIAL
Jovem é preso com 483 unidades de maconha no Cristo Redentor
OPERAÇÃO PF
PF deflagra Operação Grão Branco de combate ao tráfico internacional de drogas
TRÁFICO DE DROGAS
PRF apreende 494 Kg de maconha e 7 Kg de skunk na BR-262
GERAL
PMA de Corumbá recebe doação de viatura da Vale para uso na fiscalização no Pantanal