Menu
sábado, 18 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Munir promete recorrer pedido de impugnação do MP à candidatura em Ladário

02 outubro 2020 - 09h42Redação Capital do Pantanal

A prorrogação das Eleições Municipais 2020 para 15 de novembro devido a pandemia, tem causado confusão para alguns candidatos, que cumprem penalidade e estariam inelegíveis se as votações ocorressem em outubro, dentro do calendário regular. É o caso de Munir Sadeq, candidato à prefeitura no município de Ladário. Nesta quinta-feira, 1º de outubro, o Ministério Público Eleitoral encaminhou ao Juiz Eleitoral da 50ª Zona, pedido de impugnação da candidatura de Munir.

No documento, o Promotor Eleitoral Luciano Bordignon Conte, se baseia no art. 127 da Constituição Federal, bem como no art. 3º da Lei Complementar nº 64/1990 c/c o art. 32, III, da Lei nº 8.625/1993, para propor o cancelamento do registro da candidatura de Munir, que disputa o pleito pelo partido Movimento Democrático Brasileiro (MDB). O órgão fiscalizador justifica que o candidato não cumpre todos os requisitos constitucionais e legais para participar das Eleições e, aponta dois fatores que segundo o MP são suficientes para impedir a candidatura de Munir este ano.

O primeiro fator impeditivo, seria a punição de 8 anos afastado de concorrências eleitorais, à contar das Eleições 2012, quando foi identificado ocorrência de campanha eleitoral antecipada em programa de rádio. Para o MP, “a lei é clara ao determinar a duração da sanção de oito anos subsequentes à eleição em que se verificou o ato de abuso de modo que a inelegibilidade ainda está vigente”.

De acordo com o pedido do MP, Munir teria ainda dois contratos vigentes com a Prefeitura de Ladário. O aluguel de uma propriedade onde estão instaladas a Escola Municipal Professor João Baptista e o fornecimento de combustível por meio da empresa Auto Posto Ladário, na qual Munir é o único proprietário.

De acordo com o MPm critérios divulgados no Portal da Transparência de Ladário, impedem que “dentro de 6 (seis) meses anteriores ao pleito, hajam exercido cargo ou função de direção, administração ou representação em pessoa jurídica ou em empresa que mantenha contrato de execução de obras, de prestação de serviços ou de fornecimento de bens com órgão do Poder Público ou sob seu controle, salvo no caso de contrato que obedeça a cláusulas uniformes;”. Para o MP o candidato deveria ter “interrompido o vínculo de forma definitiva para concorrer ao pleito eleitoral”.

O Capital do Pantanal conversou com Munir, que afirmou entender o papel do Ministério Público e que vai defender sua candidatura. “Meses atrás eu não poderia concorrer, porém devido a mudança no calendário eleitoral por conta da Covid, agora eu posso, há jurisprudência para isso e eu vou recorrer”.

 

 

 

 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Queimadas
Bombeiros abrem aceiro na vegetação seca para deter incêndios do Pantanal
Balanço
Em três dias, operação Fronteiras e Divisas apreendeu R$ 12 milhões em drogas
Alerta
Com umidade do ar registrando 10%, cidades de MS voltam a ficar em alerta
Preconceito não!
Jogo da Diversidade acontece hoje com cobertura ao vivo do Capital do Pantanal
Flagrante na fronteira
PMA desmonta acampamento mas caçadores escapam para o Paraguai
Programação
Criançada aprende a usar cores primárias na oficina do Sesc deste sábado
Retomada
UEMS lança Guia de Retorno de Atividades Presenciais
Salve Vidas
Para repor estoques de O-, O+ e A+ Hemosul da capital abre o dia todo neste sábado
Tempo
Sábado de sol, calor e tempo seco em todo Estado
Tentativa de Homicídio
Adolescente é socorrido com perfuração de bala na coxa

Mais Lidas

Espancamento
Rapaz vítima de agressão é socorrido inconsciente no bairro Camalote
Trânsito
Motociclista é socorrido com fratura na perna
23 vagas
Inscrição para o processo seletivo da Saúde de Corumbá termina às 17h de hoje
Homenagem
Praça Palestina em Corumbá completa dois anos de criação