Menu
segunda, 01 de março de 2021
Governo do Estado - Campanha de Março
Geral

Mulher morre por H1N1 e sobe para 21 nº de mortes por gripe A em MS

25 maio 2016 - 10h09G1
Uma mulher de 59 anos morreu na madrugada desta quarta-feira (25) vítima do vírus H1N1 na Santa Casa de Campo Grande. É a sétima morte registrada por H1N1 na capital. Marilene Hashimoto estava internada em isolamento no Centro de Terapia Intenstiva (CTI), onde outros três pacientes também estão isolados com confirmação de H1N1, segundo a assessoria do hospital. Campo Grande tem 158 casos suspeitos de gripe A e 34 confirmados, sendo 29 casos do vírus H1N1, um caso do vírus H3N2 e outros 4 casos do vírus Influenza B, que levou um adolescente de 14 anos a óbito, segundo a Secretaria Municipal de Saúde Pública (Sesau). Mato Grosso do Sul contabiliza 21 mortes pela doença, sendo 20 pelo vírus H1N1 e 1 pelo vírus Influenza B, que foi o caso do adolescente na capital. São 106 casos de gripe A em 23 municípios, sendo 101 de H1N1, 1 de H3N2 e 4 de Influenza B, segundo último boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) no dia 17 de maio. As cidades com maior quantidade de confirmações são Campo Grande (29), Naviraí (13) e Dourados (10). A Secretaria de Saúde investiga outras 373 suspeitas de H1N1. A SES monitora isolamento de 271 pessoas com suspeita de H1N1, 8 por H3N2 e 10 por influenza B. Quais são os sintomas do H1N1? A gripe - tanto a causada pelo vírus H1N1 quanto a H3N2 ou a Influenza B - tem como sintomas febre alta e súbita, tosse, dor de garganta, dor no corpo, dor nas articulações e dor de cabeça. No caso do H1N1, um sintoma que chama a atenção é a falta de ar e o cansaço excessivo. É importante distinguir a gripe do resfriado comum, que é muito mais leve, com sintomas menos graves como coriza, mal estar, dor de cabeça e febre baixa. Como é o tratamento do H1N1? O tratamento deve envolver boa hidratação, repouso e uso do antiviral específico, prescrito pelo médico. Um deles é o Oseltamivir (mais conhecido pela marca Tamiflu), distribuído pela rede pública para hospitais e unidades básicas de saúde. Trata-se de um antiviral específico contra o vírus Influenza, indicado para pessoas com maior risco de desenvolver complicações. É importante que o paciente consiga tomar a medicação nas primeiras 48 horas do início dos sintomas, para que a eficácia seja maior. O tratamento também pode envolver o uso de analgésicos para aliviar os sintomas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PGE
Vídeo sobre planejamento financeiro está disponível no canal da PGE/MS
SAÚDE
Fiocruz espera ter 'protagonismo' na vacinação em abril com 30 milhões de doses
NOTA MS PREMIADA
Chance de ganhar no Nota MS Premiada é 28 vezes maior do que na Mega-Sena
TRÂNSITO
Capotamento na BR-163 mata adolescente e deixa motorista em estado grave
EDUCAÇÃO
IFMS oferece vagas para portadores de diploma e transferências no Campus Corumbá
SAÚDE
Brasil tem recorde de mortes por covid-19 pelo terceiro dia seguido
ECONOMIA
Acumulada, Mega-Sena sorteia hoje R$ 50 milhões
ECONOMIA
Banco do Brasil ajuda estados e municípios a cobrar impostos via Pix
TURISMO
Fornatur e ABEAR se reúnem para alinhar acordos com empresas aéreas durante pandemia
GERAL
Agesul conclui manutenção de muitas estradas após período de chuvas

Mais Lidas

EDUCAÇÃO
IFMS oferece vagas para portadores de diploma e transferências no Campus Corumbá
TRÂNSITO
Capotamento na BR-163 mata adolescente e deixa motorista em estado grave
GERAL
Complexo hospitalar de Corumbá está com 85% de sua estrutura pronta
PESCA
PMA lança e disponibiliza Cartilha do Pescador 2021 com todas regras de pesca