Menu
segunda, 14 de junho de 2021
Andorinha - Maio
Andorinha - Maio
Geral

Julgamento do caso Nádia Sol ultrapassa 16 mil visualizações no You Tube

22 outubro 2020 - 06h35Gesiane Bernardo

O júri popular do caso de feminicídio que estarreceu a população da cidade em 10 de março de 2019, se tornou um fato histórico para a justiça de Corumbá como o primeiro julgamento transmitido ao vivo pela internet, na tarde desta quarta-feira (21), através do canal do Tribunal do Júri de Corumbá no You Tube. A transmissão durou mais de 6 horas e alcançou mais 16.864 mil visualizações. A iniciativa foi muito bastante elogiada nos comentários, já que as regras de distanciamento social continuam valendo devido a pandemia da Covid-19.

Na lista de comentários, todos clamavam por justiça e assistiram Edevaldo Costa Leite, 32 anos, réu confesso do assassinato da professora Nádia Sol, ser condenado a 22 anos de prisão em regime fechado. 

Na sala do Tribunal do Júri haviam poucas pessoas presencialmente: o juiz do caso André Luiz Monteiro, da primeira Vara Criminal de Corumbá; o representante da acusação, promotor Rodrigo Correa Amaro, da 3ª Promotoria de Justiça de Corumbá; o advogado de defesa, Nivaldo Paes Rodrigues; familiares de Nádia e de Edevaldo e mais sete pessoas, três homens e quatro mulheres, sorteados para compor o júri popular.

Edevaldo permaneceu na sala por pouco tempo, assim que encerrou seu depoimento foi retirado para aguardar em outro local. Ele depôs, porém se recusou a responder perguntas da promotoria. Sobre o crime, afirmou que a vítima havia feito dívidas em seu nome e que não lembrava dos fatos daquele 10 de março, usando como justificativa o fato de ser espírita

A promotoria não poupou agravantes ao caso, acusou Edevaldo de homicídio qualificado com características de crueldade, emboscada, motivo torpe e feminicídio. Para o promotor Rodrigo Correa, o autor não deu chance de defesa a vítima, que foi surpreendida assim que chegou em casa. A acusação afirmou ainda que Nádia havia recebido 38 facadas e não 36 como consta no inquérito.

Advogado de defesa, Nivaldo Paes, afirmou que o cliente foi prejudicado na investigação da Polícia Civil. Foto: Enviado ao Capital do Pantanal

A defesa do autor, desempenhada pelo advogado Nivaldo Paes Rodrigues, que já havia declaro ao Capital do Pantanal a consciência de que o caso era de extrema dificuldade, adotou a linha de que a investigação da Polícia Civil não foi bem feita. Alegou falhas como o não recolhimento dos celulares, tanto do autor quanto da vítima, que poderiam revelar mais detalhes sobre as últimas conversas entre os dois, para a defesa, o cliente foi prejudicado pela investigação.

Duas testemunhas foram ouvidas, um jovem vizinho de Nádia na vila onde morava e que teria visto o crime e o ex-delegado da Polícia  Civil, Fernando Araújo, que depôs por vídeo conferência.

Ao final de todos os depoimentos, o juiz do tribunal chamou Edevaldo de volta à sala para proferir a sentença, que não foi a máxima de 30 anos prevista em Lei. Mesmo com todos os agravantes apresentados, o autor recebeu pena de 22 anos em regime fechado. Para a defesa, “22 anos foi uma pena justa”, disse Nivaldo Paes, que enxerga chances do cliente mais a frente conseguir direito ao semiaberto.

A família de Nádia, em comoção total, saiu aliviada e com sentimento de que a justiça foi feita no tribunal.

Clique para assistir o julgamento na íntegra. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

FESTA CLANDESTINA
Postura encerra festa clandestina com militares da Marinha
POLICIAL
Ação Policial entre as Polícias Civis de SP e do MS resultam na apreensão de 107 quilos de droga
TEMPO
Tempo contribui para clima agradável com sol e friozinho no dia dos namorados
TEMPO
Tempo contribui para clima agradável com sol e friozinho no dia dos namorados
CORONAVÍRUS
Detran-MS suspende atendimento presencial em 43 cidades com bandeira cinza
POLICIAL
Homem é preso por violência doméstica no Ceac
POLICIAL
PM prende homem por invasão de domicílio no Popular Nova
GERAL
Presidente da Cassems faz alerta sobre o crescente número de casos de Covid-19 em MS
POLICIAL
Menina de 11 anos com DST diz ter sido estuprada pelo avô
GERAL
Com nova deliberação do Prosseguir, Governo restringe atendimento presencial em alguns setores

Mais Lidas

FESTA CLANDESTINA
Postura encerra festa clandestina com militares da Marinha