Menu
quarta, 20 de janeiro de 2021
Andorinha Janeiro/Fevereiro
Andorinha Janeiro/Fevereiro Mobile
Geral

Jovem baleado na cabeça pede ajuda para voltar a andar

09 agosto 2018 - 12h55Sylma Lima
Mãe e filho mais unidos pelo sofrimento. Eles oedem ajuda e dizem que foram abandonados. Foto: Victor Viegas

Era festa réveillon em Corumbá. Dia 1º de Janeiro de 2018 quando o trabalhador  Erik Soares de Almeida,23 anos, foi balado na cabeça durante  assalto na Avenida General Rondon, por volta das 3h da manhã. Os criminosos já chegaram atirando e levaram apenas o documento de identidade do jovem, que ficou no chão até a chegada do SAMU, acionada por uma prima, que ouviu o disparo e foi  verificar o que estava ocorrendo.

 Erik narra que foi até o final da praça para urinar quando foi surpreendido pelos marginais que ao anunciar o assalto, atirou em sua cabeça. A bala perfurou o crânio, e apesar de sair por outro lado, causou um coágulo de sangue, exigindo que Erik fosse encaminhado as pressas para uma unidade intensiva na Capital onde teve que abrir o cérebro.

Lá, permaneceu por mais de 30 dias no CTI, e aos cuidados da mãe Ivanete Almeida, que devido as circunstancias teve que deixar de trabalhar para cuidar o filho, “ eu dou banho, troco de roupa, carrego para sentar , mas ele não suporta mais que quatros horas na cadeira devido a intensa dor na coluna” . Com a situação agravada Ivanete largou a casa onde morava  e foi pedir ajuda da mãe. Atualmente moram todos juntos no bairro Guatós para dar assistência ao Erik, entretanto, devido a distancia as coisas não estão nada fáceis para a família que a princípio teve grande ajuda da comunidade, “ agora, passados oitos meses estamos abandonados. Eu compro medicamento para a cabeça, porem, o mais urgente é a presença de um fisioterapeuta diariamente para ele voltar a se movimentar. As pernas estão quase se mexendo, mas ainda sente muita dor na coluna. Não tem como pagar meio de transporte para ir aos médicos e, ate agora estamos a espera do INSS fazer a pericia para aposentar meu filho. A demora é angustiante e para tudo precisamos de ajuda. Temos apenas um fisioterapeuta uma vez por semana e uma pessoa que paga quatro consultas mensais a uma psicóloga. Não sei mais aonde recorrer” , diz Ivanete ao Capital do Pantanal demostrando cansaço e resignação.

O sonho de Erik é voltar a andar, ainda que de muletas, ele diz que tem muita fé em Deus e esperança de ajuda, “ eu jogava bola, tinha uma vida normal, interrompida por um assalto” .

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Batida de carro e moto deixa criança ferida no Popular Nova
POLICIAL
PRF recupera dois veículos em Mato Grosso do Sul
JUSTIÇA
Alexandre de Moraes nega HC para anular seis prisões e mandar Jamil Name para casa
p
ECONOMIA
Preço da gasolina começa o ano acima do valor registrado em todos os meses de 2020
Combustível está 19,5% acima da média do mês com preços mais baixos de 2020
DEFESA CIVIL
Com previsão de mais chuva, Defesa Civil orienta população que mora em áreas de risco
EDUCAÇÃO
Professores dão dicas para o segundo dia de provas do Enem
GERAL
MPT divulga nota técnica sobre medidas de proteção a trabalhadoras gestantes
GERAL
Comando do 6º Distrito Naval abre inscrições para concurso de nível superior
GERAL
INSS: prova de vida de aposentados é suspensa até fevereiro
ESPORTE
Governo do Estado divulga decreto com regras para o Bolsa-Atleta e Bolsa-Técnico

Mais Lidas

POLICIAL
Empresário de MS é preso durante Operação da Polícia Civil contra crime organizado
SAÚDE
Servidora há 30 anos, Vitória aplicou primeiras doses da vacina contra COVID-19 em Corumbá
PRIMEIROS IMUNIZADOS
Corumbá e Ladário já tem os primeiros imunizados contra a Covid-19
GERAL
Justiça do Trabalho leva sinal de internet para guatós que vivem isolados no Pantanal