Menu
sábado, 15 de maio de 2021
Andorinha - Maio
Andorinha - Maio
Geral

Inspetora boliviana que autorizou voo da Chapecoense pede asilo em Corumbá

06 dezembro 2016 - 07h57Gesiane Medeiros
Tudo indica que Célia permanece em Corumbá. Foto: Arquivo Pessoal

Ontem, 5 de dezembro, Célia Castedo Monasteiro, funcionária boliviana da Aasana (Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares da Navegação Aérea), apontada pelas autoridades como principal responsável pela autorização do plano de voo da LaMia, pediu asilo no Brasil. A inspetora de voo chegou logo cedo a Procuradoria da República em Corumbá, nesta segunda, para buscar informações e por volta das 23h, uma equipe da Polícia Federal levou a boliviana até a Delegacia para formalizar o pedido de refúgio. 

O Ministério Público Federal (MPF) declarou, em comunicado, que vai solicitar aos órgãos federais competentes para avaliar as medidas cabíveis, conforme as normas internacionais e o direito brasileiro. 

O Delegado Federal, Sérgio Macedo, declarou ao Capital do Pantanal, que o documento de solicitação de refúgio, segue para Brasília, onde Ministério da Justiça decide se o direito será ou não concedido a Célia, enquanto isso a boliviana está liberada para permanecer no país. O delegado afirmou ainda que a funcionária Aasana não informou se pretende ficar em Corumbá ou ir para outra cidade brasileira. "Célia disse que não se sente segura na Bolívia e por isso pediu asilo no Brasil, este é um instrumento legal", declara o delegado, segundo ele, pedidos de refúgio acontecem diuturnamente na delegacia de Polícia Federal de Corumbá.    

Célia trabalha na sala de controle de tráfego, em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, depois do acidente aéreo que matou 71 pessoas, entre as vítimas, a delegação do time da Chapecoense (SC), que seguia para Medellín, na Colômbia, disputar a final da Copa Sul-Americana contra o o Atlético Nacional, a funcionária enviou um relatório informando que havia questionado o despachante da LaMia, Alex Quispe, sobre cinco pontos importantes do plano de voo, um deles o tempo de rota que era igual ao tempo da autonomia do avião. Mesmo com os questionamentos, Célia autorizou a decolagem.

As autoridades bolivianas indiciaram Célia para investigar se houve ou não negligência da funcionária. Ela também está sendo investigada pelo Ministério Público da Bolívia, que avalia “falta de cumprimento de deveres” e “atentado contra a segurança dos transportes”.

Seis pessoas sobrevieram ao acidente, entre eles, três jogadores da Chapecoense.  

Avião caiu na Colômbia no dia 29 de novembro e matou 71 pessoas. Foto: Agência Brasil

?

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÂNSITO
Jovem de 19 anos morre após subir em capô de carro e namorado bater em poste na Capital
GERAL
Começa a valer hoje nova política de privacidade do Whatsapp
GERAL
Detran-MS continua mutirão de renovação de CNH com EAR neste sábado
GERAL
Cuidados com a pele devem ser redobrados como inverno
ESPORTE
Final do Cariocão 2021 começa neste sábado com o clássico Fla x Flu
SAÚDE
Saúde reforça a importância dos cuidados de biossegurança
GERAL
Sorteio da Mega-Sena deste sábado tem prêmio estimado em R$ 33 milhões
GERAL
Pesquisadores alertam para riscos de crianças expostas a telas
CORONAVÍRUS
Alerta Covid: Casos confirmados e internações continuam crescendo
CULTURA
Semana Nacional de Museus terá lançamento de livros sobre Patrimônio de Corumbá

Mais Lidas

POLICIAL
Polícia Federal apreende 280 Kg cocaína na parte alta de Corumbá
VACINAÇÃO
Poliesportivo está aberto para repescagem e aplicação de segunda dose da vacina da Covid-19
ACIDENTE DE TRÂNSITO
Bombeiros socorrem vítimas de colisão de carros no Centro
OPORTUNIDADE
IEL tem 91 vagas de estágio para Campo Grande, Camapuã e Corumbá