Menu
sábado, 24 de julho de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Expresso Mato Grosso - Promoção de Junho
Geral

Ex-governador André Puccinelli escapa da ação por improbidade

08 novembro 2018 - 07h51Correio do Estado

Os desembargadores da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ/MS) deram provimento por unanimidade ao recurso apresentado pela defesa do ex-governador André Puccinelli (MDB), resultando na extinção da Ação Civil pública por improbidade administrativa com sua consequente exclusão do processo.

O Ministério Público Estadual (MPE) ajuizou uma Ação Civil Pública por ato de improbidade contra Puccinelli, alegando que, quando ainda era governador do Estado, ele teria contratado a empresa Itel Informática Ltda., do empresário João Baird, para prestação de serviços de informática na Secretaria de Fazenda (Sefaz).

Em 30 de abril deste ano, a defesa do ex-governador protocolou um agravo de instrumento, com pedido de efeito suspensivo da ação. Em uma petição com 35 páginas, os advogados de Puccinelli argumentaram a ação do MPE.

O Ministério Público afirmou que a contratação da empresa seria ilícita por ter como objeto atividade permanente na Sefaz. Porém, a execução da empresa era atribuída a categoria funcional prevista no quadro da Administração e, ainda, por configurar, entre o funcionário terceirizado e a Administração, as características de pessoalidade, habitualidade e subordinação direta. O MPE sustentou ter tido terceirização ilegal de atividade-fim da Administração ou, pelo menos, burlou a regra do concurso público.

A defesa alega que a contratação da empresa foi em 2006, mas Puccinelli governou Mato Grosso do Sul entre 2007 e 2014, portanto, a cronologia dos fatos não bate.

Conforme a petição, a defesa de Puccinelli argumentou ainda que enquanto ele era governador, ele não podia sequer em tese, pessoal e diretamente ser responsabilizado pela contratação de serviços prestados à Administração, também pelos demais atos de continuidade e de execução de um determinado contrato administrativo, pois era a responsabilidade da Secretaria de Estado e de seus servidores.

O agravo de instrumento interposto pela defesa foi analisado ontem (6) e os desembargadores, sendo o relator Sérgio Martins, João Maria Lós e Marcelo Rasslan, deram provimento ao recurso.

O advogado Vladimir Rossi Lourenço, explicou que o agravo de instrumento é um recurso direcionado à decisão inicial. “Entendemos que não havia nenhum ato constando conduta ímproba. Isso foi reconhecido pelo Tribunal que deu provimento ao recurso”.

Lourenço disse que outros réus, como o ex-secretário adjunto de Fazenda, André Luiz Cance, recebeu a mesma decisão.

Conforme o outro advogado de Puccinelli, Rodrigo Marques Moreira, o MPE pode recorrer da decisão do Tribunal, no Superior Tribunal de Justiça (STJ). “Por enquanto, Andréfoi excluído do processo envolvendo a Itel Informática”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Seguiriam para Bolívia
Dois veículos que seriam atravessados para Bolívia são recuperados
Mais tempo
Exame toxicológico na emissão de CNH tem prazo ampliado para utilização do laudo
Empreendedorismo
Cinco erros que o empresário deve evitar no Marketing e Vendas
Imunização
Sábado tem vacinação contra Covid até 12h no drive do Poliesportivo
Investigaçã
Famosos em MS, grupos de venda estão 'recheados' de produtos roubados
Saúde
Anvisa suspende estudos clínicos da Covaxin no Brasil
Sorte
Mega-Sena pode pagar R$ 7 milhões no sorteio deste sábado
Cidade Tranquila
Operação conjunta combate crimes fronteiriços em Corumbá e Ladário
Tempo
Ar seco e quente pode marcar o sábado em Mato Grosso do Sul
Acidente
Motociclista fratura clavícula após perder controle em lombada

Mais Lidas

Sem contrato
Santa Casa de Corumbá perde serviço de Urologia
Investigação
Caso Maria Stella Coimbra: jovem teria fotografado documento do suposto estuprador
Acidente
Motociclista fratura clavícula após perder controle em lombada
Município
Decreto prorroga por mais 14 dias medidas para diminuir contaminação pela Covid-19