Menu
sexta, 26 de fevereiro de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

Escolas se reinventam no combate à ansiedade, depressão e suicídio

10 setembro 2020 - 15h00Redação Capital do Pantanal

Considerada “o mal do século” por muitos especialistas da saúde, a depressão tem colocado em cheque algumas das principais bases da civilização ocidental. A preocupação é ainda maior quando são consideradas apenas as novas gerações, que têm apresentado  distúrbios de ansiedade, depressão e até tendências suicidas, cada vez mais cedo.

Para se ter um breve resumo do cenário, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 16% das doenças e lesões em crianças e jovens entre 10 e 19 anos são ocasionadas pelas condições de saúde mental, sendo a depressão e o suicídio as principais causas de morte. Estima-se, ainda, que entre 10% e 20% dos adolescentes passem por problemas psicológicos no mundo. 

Os estudos sobre o impacto da pandemia nestes números ainda não são conclusivos, mas, ao que tudo indica, o atual contexto deve estar contribuindo para uma piora considerável neste cenário, que já não era nada bom.

Neste contexto, as escolas e sistemas de ensino estão cada vez mais atentos às suas práticas pedagógicas, a fim de oferecer mais ferramentas para que seus estudantes lidem com suas emoções de maneira mais saudável. Entre as práticas que mais vão ganhando corpo nos colégios brasileiros, estão a meditação mindfulness (atenção plena) e a inclusão da educação socioemocional na grade curricular.

Para Ligia Cavalaro, Diretora do Sistema Piaget, sistema de ensino presente em mais de 250 escolas do país, cada vez mais escolas têm procurado essas soluções. “Temos percebido uma preocupação cada vez maior, por parte dos gestores dos colégios, em oferecer mais recursos para que seus estudantes lidem melhor com suas emoções. É importantíssimo que haja essa consciência, mas isso é só o começo”, observa Ligia.

Para ela, a implementação dessas ferramentas precisa ser acompanhada de uma mudança na mentalidade e na cultura das escolas. “Muitas escolas acabam gerando ainda mais pressão nas crianças e adolescentes, reproduzindo um discurso que faz com que a autoestima destes estudantes esteja condicionada aos seus resultados e suas notas. Por mais que a prática da meditação e a educação socioemocional se mostrem eficientes para preservação da saúde mental, é preciso que as escolas também passem por uma mudança cultural, valorizando as dimensões sociais e emocionais dos seres humanos, tanto quanto o conteúdo curricular”, analisa.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
Governo de MS decide pela retomada das atividades da REE de forma remota
POLICIAL
PM de Corumbá prende dupla por furto em praça pública no Nova Corumbá
GERAL
Parceria vai levar assistência e benefícios para comunidades ribeirinhas no Pantanal
GERAL
Governo prorroga toque de recolher e restrições seguem até 12 de março
TEMPO
Sexta-feira típica de verão: sol, calorão e chuvas isoladas
ECONOMIA
Arrecadação de impostos em janeiro somou R$ 180,221 bilhões
SAÚDE
Processo seletivo que seleciona médicos plantonistas tem inscrições abertas
BOLETIM COVID
MS passa a registrar 3.270 óbitos por coronavírus
GERAL
Thronicke considera uma vitória aprovação de projeto que facilita compra de vacinas anti-Covid
GERAL
Na final do Brasileirão, GFI interdita Avenida General Rondon

Mais Lidas

GERAL
Na final do Brasileirão, GFI interdita Avenida General Rondon
GERAL
Homem é alvejado por disparos de arma de fogo na Codrasa
CAPACITAÇÃO
Cassems realiza curso para implantação de UTI em Corumbá
POLICIAL
Passageira de ônibus é presa com mais de 80 mil reais em Corumbá