Menu
segunda, 08 de março de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

Devotos descem a ladeira em procissão para banhar o santo no rio Paraguai

24 junho 2016 - 10h19Sylma Lima

Na madrugada do dia 23 começa a procissão dos devotos com bandeiras e andores do Santo pelas ruas da cidade. A multidão desce cantando antigas músicas em homenagem ao santo até chegar a ladeira Cunha e Cruz, toda enfeitada com bandeirinhas. Ali os devotos se concentram e esperam dar meia noite. Eles descem praticamente enfileirados e a multidão acaba se misturando formando um mar de gente que desce a ladeira, e outro, dos que sobem para passar embaixo do andor do santo. Diz a crença que passar dor baixo do andor, no sentido contrário dá casamento. As festividades começam bem antes do dia 23 quando so devotos mais fervorosos iniciam as novenas indo de casa em casa. Após rezar o terço o santo passa uma noite da casa da pessoa. Há séculos esta tradição se perpetua aqui em Corumbá,, no coração do Pantanal e é passada de pai para filho, ou mãe, porque geralmente são as mulheres que mais fazem promessas ao santo e como recompensa inicia este ritual de adoração que já faz parte da cultura local.

Prova material do caráter secular desta festa é a imagem de São João da família Laura Helena Moura Amorim. Com 110 anos de existência, a imagem do santo já está na quarta geração da família oriunda de Cuiabá. Os bisavós de Laura é que iniciaram a festa no pantanal da Nhecolândia , desde que a família para a cidade, a imagem passou a ser levada para ser banhada no rio Paraguai.

“Como minha mãe está doente, eu e mais dois irmãos assumimos a festa. Agora, vamos dar continuidade com mais fé pedindo pela saúde de nossa mãe e isso foi um pedido feito hoje. Queremos muita saúde para continuarmos com essa festa por mais cem anos. São João é um santo muito milagroso, basta fazer o pedido com fé”, ensina a devota.

Desde cedo, os corumbaenses aprendem a cantar a ladainha que embala a descida dos andores pela histórica ladeira Cunha e Cruz rumo à prainha do rio Paraguai: “Se São João soubesse/Que hoje era seu dia/Descia do céu à terra/Com prazer e alegria (...)”.

Tem devoto, mas tão devoto que mora em alameda cujo nome é? Advinhe! Isso mesmo: São João. De lá vieram os irmãos Paulo e Virgínia, filhos da dona Berenice, tradicional festeira que iniciou sua devoção com a avó e nisso já se vão cerca de 80 anos em torno da mesma imagem do santo passad de geração em geração.

“A gente não pode deixar terminar essa tradição por isso todo ano a gente vem caminhando lá do bairro Maria Leite até o Porto. Já tem uma nova leva de festeiros se formando dentro da família, o que nos enche de orgulho”, declarou Paulo.

Em cada grupo que segue, a imagem de São João é o destaque nos andores que são enfeitados com muitas flores e ornamentos, cuja mistura de branco e vermelho, cores atribuídas ao santo, predomina. E não importa se a imagem é grande ou pequena, tem algo que não muda em cada um dos andores que passa pela ladeira Cunha e Cruz. O senhor Carlos Padilha Campos e esposa desceram discretamente para a prainha com uma imagem de cerca de 10 centímetros de altura.

“O santo é pequeno, mas a fé é grande”, resumiu o devoto que afirma ter recebido a imagem de um padre em Campo Grande. “Já a levei até ao hospital onde minha tia está em tratamento e, desde então, ela vem melhorando com a graça de Deus e São João”, conta Carlos que veio do bairro Maria Leite.

A fé e devoção ao Santo emociona os corumbaenses. Foto: Leandro Oliveira 

O cortejo, que é tradicionalmente acompanhado pela ladainha com alternância entre o canto sacro e profano, é aguardado por centenas de pessoas ao longo da ladeira e prainha. Muitos para assistir, mais um ano, ao ritual de fé e outros para aproveitar e passar embaixo dos andores. Conforme a crença dos corumbaenses esse gesto repetido sete vezes em andores diferentes garante casamento às mulheres solteiras. Mas não é apenas isso, muitos mentalizam outros desejos e, assim, ao longo da ladeira, grandes filas se formam com pessoas de todas as idades, de crianças a idosos.

E, se no trajeto da subida ou descida, um andor encontrar com o outro, a tradição manda que eles se reverenciem. Ao se aproximar da meia-noite, muitas dessas cenas se repetem no auge da festa durante minutos que antecedem à meia-noite, que é rompida com um show pirotécnico anunciando a chegada de 24 de junho, dia dedicado a São João.

Depois de banhar o santo nas águas do rio é comum ouvir dos devotos: “cumprimos com nossa obrigação mais um ano”. E com esse sentimento de dever realizado, os grupos voltam para as casas onde a festa continua com muita fartura de comida e música.

O ato simbólico de lavar a  imagem de São João nas águas do rio fazem a festa junina de Corumbá ser singular, o que garantiu o título de patrimônio imaterial cultural de Mato Grosso do Sul. Nos últimos anos, essa manifestação popular de fé e alegria vem sendo avaliada pela IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) para compor a lista dos patrimônio imateriais do Brasil.

Informações da Prefeitura de Corumbá

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

BOLETIM COVID
SES registra mais 25 mortes por covid e MS chega a 3.469 óbitos
ESPORTE
Estadual de Futebol 2021: Jogos do grupo B terminam empatados em 1 a 1 neste domingo
MULHERES
Reinaldo Azambuja assina decretos que fortalecem políticas públicas para as mulheres
EDUCAÇÃO
Inep publica resultado das análises de recursos do Revalida
PROCESSO SELETIVO
Funsau abre processo seletivo para contratação de agente de farmácia, farmacêutico e médico
CRIME DE RECEPTAÇÃO
Homem vai para a delegacia por conduzir na BR 262 veículo roubado
POLICIAL
Homem é preso por receptação e apreende moto furtada no bairro Vila Mamona
DIA INTERNACIONAL DA MULHER
Na linha de frente, mulheres fazem gestão de excelência no combate da pandemia da Covid-19
POLICIAL
PM prende homem com mandado de prisão durante rondas no bairro Vila Guarani
POLICIAL
PM de Corumbá recupera motocicleta roubada minutos após o crime no bairro Popular Nova

Mais Lidas

GERAL
Ônibus clandestino com 34 bolivianos é apreendido no Brás em São Paulo