Menu
quinta, 21 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Bombeiros do Paraná relatam dificuldades no combate às chamas no Pantanal

14 outubro 2020 - 11h31Gesiane Bernardo

Militares do Corpo de Bombeiros do Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e do Distrito Federal continuam, unidos na tentativa de salvar a biodiversidade sobrevivente no Pantanal de Corumbá. No momento, eles atuam na região do Passo do Lontra, trecho da rodovia MS 184, confeccionando aceiros e utilizando técnicas de combate indireto para conter o avanço das chamas, que ameaçam toda a vegetação até a Curva do Leque.

Relatos emocionantes mostram a garra dos militares que deixaram suas famílias em outros Estados para lutar pelo vida no Pantanal, que enfrenta neste ano de 2020 a maior seca da história. De acordo com a estimativa do Lasa/UFRJ, as queimadas já consumiram 3.977.000 hectares do Pantanal e seguem com força.

O 1º Sargento CB Erivelton, de Ponta Grossa/PR e o 3º Sargento CB Emerson, de Curitiba/PB, explicam que o trabalho segue com dificuldades devido a extenção das chamas, que atingem diversas fazendas e ameaçam pontes de acesso. Máquinas pesadas estão sendo usadas para criar aceiros na tentativa de proteger a vegetação e os animais que ainda resistem ao fogo. 

Paulo Sérgio da Silva, 1º Sargento CB/PR, com mais 16 anos de corporação define a situação como calamitosa. “Estamos solidarizados com o trabalho dos Bombeiros de Mato Grosso do Sul e, apesar do trabalho escaldante tenho satisfação em ter sido escolhido. O objetivo é trabalhar em prol desse bem maior do país, o Pantanal”.

Márcio, soldado CB/PR, relata que tem aprendido muitas técnicas durante as operações de combate. “Vim para render equipe que já estava prestando os primeiros atendimentos na área. O Pantanal pertence ao Brasil, viemos defender nossa flora e fauna”.

A operação Pantanal II iniciou no final de julho, quando ocorreu a primeira onda de queimadas na região. De lá até hoje, a situação foi controlada em agosto e retornou com ainda mais força em setembro, quando o governo do Estado decretou emergência, permitindo a ajuda do governo federal, que enviou tropas militares, aeronaves e mais de R$ 3 milhões em verbas. São mais de 400 homens empenhados na operação, de forma direta e indireta.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Região Central
PM prender autor de furto e recupera objetos
Outubro Rosa
Bia Cavassa faz doação em apoio a campanha Lenço Solidário
Colônia do Bracinho
Pantaneiro denuncia construção de barragem no Rio Taquari
11.817 mil testes analisados
Estudo da Janssen na região de fronteira mostra eficácia de 50% da vacina e redução de 90% em óbitos
Oportunidade
Inscrições abertas para concurso público de procurador do Estado, com salário de R$ 25 mil
Agenda Política
Presidente Regional do Democracia Cristã visita cidades do interior de MS
Retomada da Economia
Setor de bares e restaurantes aumenta as contratações e retoma movimento
246 quilos de cocaína
Dracco assume investigação da queda do helicóptero do tráfico em Ponta Porã
Dois brasileiros foram presos
Denunciado por participação no roubo de aeronaves em Aquidauana é preso na Bolívia
Imunização
Veja quem pode se vacinar contra Covid em Corumbá nesta quinta e sexta

Mais Lidas

Qualificação
Ministério da Educação anuncia formação para professores da educação infantil
Previsão Meteorológica
Tempo fica firme, mas nova frente fria promete mais chuva para o final de semana
Acidente de Trânsito
Mulher sofre fratura na perna em queda acidental de moto
Destaque
Vereador pede fim do toque de recolher e do uso de máscara em ambientes abertos