Menu
sexta, 14 de junho de 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Geral

Ações de Eduardo Riedel na regionalização da saúde desafogaram o setor em Campo Grande

04 outubro 2022 - 09h54Redação

“Quando falamos em regionalização da saúde, estamos falando da descentralização do atendimento, melhorando a vida dos sul-mato-grossenses do interior, mas, também dos campo-grandenses. Quanto mais desenvolvida estiver a saúde no interior, mais Campo Grande estará desafogada no atendimento. Nosso objetivo é melhorar a saúde em todo o Estado”, afirmou hoje (4) Eduardo Riedel (PSDB), candidato ao Governo de Mato Grosso do Sul pela Coligação Trabalhando por um Novo Futuro.

E ele tem razão. A regionalização da saúde em Mato Grosso do Sul está reduzindo a vinda de pacientes do interior para Campo Grande. Isto se deve a uma série de investimentos do Estado, com a construção de novos hospitais, qualificação dos atendimentos e fortalecimento da saúde pública.

Levantamento mostra que 7 de cada 10 pacientes que estão internados na Santa Casa da capital são de Campo Grande. Se levar em conta a macrorregião da Capital, que incluem as cidades vizinhas chega-se a 90% dos pacientes. No primeiro quadrimestre deste ano (janeiro a abril), a Santa Casa teve 12.040 pacientes internados, sendo 11.062 moradores de cidades dentro da macrorregião de saúde e 8.535 do município de Campo Grande. Isto mostra que as demais regiões estão com estrutura e capacidade para atender sua população.

Mesmo Campo Grande tendo gestão plena da saúde, ou seja, o município é o responsável pela parte financeira e administrativa do sistema público local, o Governo do Estado contribuiu com mais de R$ 255 milhões para Santa Casa desde 2016, sendo R$ 52,291 milhões apenas no ano passado e já foram R$ 31,788 milhões neste ano. E Eduardo Riedel teve papel fundamental neste processo.

“Sempre olhamos para a saúde em Campo Grande com muito cuidado. Pois, como cidade mais importante do Estado, a capital acaba recebendo demanda do interior. Em meu governo, vou ampliar ainda mais este apoio, para que os campo-grandenses não sejam prejudicados. Ao mesmo tempo, vamos ampliar o processo de regionalização, para que os municípios tenham sua estrutura de saúde fortalecida”, afirmou Riedel.

Presença na Capital 

Além da ajuda para Santa Casa da Capital, o Governo do Estado também conta com outros hospitais importantes, como o Hospital Regional de Mato Grosso do Sul, que não recebe nenhum dinheiro da Prefeitura.

A cada 10 pacientes internados no Hospital Regional, 7 ou 8 são moradores de Campo Grande. O relatório das internações de 2019 a julho de 2022 mostra que de 49.027 internações, 35.549 são de moradores da Capital sul-mato-grossense, o que equivale a 76,59%. Localizados em uma das regiões mais populosas de Campo Grande, o hospital também atende à demanda espontânea de pacientes.

Das internações no HRMS, 90% são de moradores da microrregião de saúde de Campo Grande, compreendendo a Capital, Sidrolândia, Terenos, São Gabriel do Oeste, Rio Negro, Ribas do Rio Pardo, Nova Alvorada do Sul, Maracaju, Jaraguari, Figueirão, Costa Rica, Corguinho, Chapadão do Sul, Camapuã e Bandeirantes.
 Em Campo Grande, além dos hospitais do Trauma (Santa Casa), concluído após 21 anos, e do Hospital de Câncer de Campo Grande – Alfredo Abrão (HCAA), que foi ampliado, o Governo também irá entregar mais duas unidades: o Hospital do Idoso, que ficará dentro do complexo do São Julião, e o Materno-Infantil, ao lado da maternidade Cândido Mariano.

Eduardo Riedel teve papel fundamental no fortalecimento desta estrutura em suas passagens pelas secretarias de Governo e de Infraestrutura. “Trabalhamos para equipar e melhorar o atendimento nestas unidades e isso foi importante para desafogar a Santa Casa. Continuarei com esta estratégia e vamos melhorar muito o atendimento”, assegurou o candidato.

Investimento no interior

O Hospital Regional de Coxim “Álvaro Fontoura” é um dos exemplos desta regionalização. A unidade atende a população de 40 municípios da região Norte do Estado, dispondo de 10 leitos para UTI adulto e um centro de hemodiálise, que presta assistência a 60 pacientes, com 60% de resolutividade.

O hospital está à disposição de uma população de 80 a 100 mil habitantes, sendo referência na regionalização da saúde, com a realização de cirurgias, por meio do programa Opera MS, assim como hemodiálise e atendimento de alta complexidade. Isto contribui de forma direta para saúde pública de toda região”, afirmou o diretor-geral do hospital, Devanir Rodrigues Pereira Júnior.

Inaugurado há dois meses, Hospital da Costa Leste Magid Thomé, em Três Lagoas, teve o investimento R$ 122,4 milhões, será referência no atendimento de média e alta complexidade para os moradores de Água Clara, Aparecida do Taboado, Bataguassu, Brasilândia, Cassilândia, Inocência, Paranaíba, Santa Rita do Pardo, Selvíria e de Três Lagoas.

“Esta política de regionalização da saúde realizada pelo Estado é fantástica, pois permite que o paciente possa ser tratado perto da sua residência, do lado dos seus familiares, sem precisar viajar para Campo Grande. O Hospital Regional da Costa Leste paga esta dívida histórica para região”, disse o diretor-geral da unidade, Demétrius do Lago Pareja.

Ampliação de unidades

Em Jardim, na região Sudoeste, houve a ampliação do Hospital Marechal Rondon, com um investimento de R$ 4,16 milhões. O Governo triplicou a capacidade de atendimento da unidade, sendo seis vezes maior que o antigo. “Somos um hospital de pequeno porte, dando apoio a cidades vizinhas como Guia Lopes, onde não se realiza partos. Atendemos na média complexidade, com cirurgias eletivas, tendo 30 leitos à disposição”, destacou o diretor do hospital, Tony Siqueira.

Também segue em construção o Hospital Regional de Dourados, que terá 210 leitos em várias especialidades médicas, com enfermaria, UTI adulto, neonatal e pediátrica, leitos de observação adulto, centro cirúrgico e obstétrico e pronto atendimento, entre outros. A unidade receberá pacientes dos 34 municípios da Grande Dourados, Conesul e Faixa de Fronteira. O investimento previsto é de R$ 26,4 milhões.

Ações de Riedel viabilizaram, apenas em 2021, investimentos de mais de R$ 2 bilhões na saúde de Mato Grosso do Sul, sendo que 88,25% desse montante foi de recursos próprios. A maior parte dos recursos foi aplicada na execução de obras, investimento para fortalecer a rede própria de saúde e apoio aos municípios, além de investimentos nas ações voltadas à Atenção Primária de Saúde.

 

* Informação da assessoria do candidato

Deixe seu Comentário

Leia Também

Capacitação
Qualifica Ladário está com inscrições abertas até 20 de junho
Novidade
Sorveteria de Caio Castro inaugura loja nesta sexta em Corumbá
Evento
Sábado tem Festival de Pipa em Ladário
Em até 9X
Ladário: prazo para incluir taxa do lixo na fatura de água encerra dia 14
Economia
Reunião aprovou prioridades e novas áreas de financiamento do FCO para 2025
Cidadania LGBTQIA+
Certidão de nascimento garante cidadania, direitos e renascimento de novas histórias
Viva a São João
Estão abertas as inscrições para concursos de Andores, Miniandores e Quadrilhas Juninas
Praça da Independência
Cerimônia cívico-militar comemora os 157 da Retomada de Corumbá
Edital
Sindicato convoca trabalhadores da J&F Mineração para Assembleia Geral
Economia
Em novo recorde para o mês, Junta Comercial registrou abertura de 960 empresas em maio

Mais Lidas

Edital
Sindicato convoca trabalhadores da J&F Mineração para Assembleia Geral
Infraestrutura
Moradores falam de melhor qualidade de vida após lajotamento de vias no Cravo Vermelho
Novidade
Sorveteria de Caio Castro inaugura loja nesta sexta em Corumbá
24 horas
Colisão entre carro e bicicleta faz duas vítimas na manhã desta quinta