Menu
quinta, 23 de maio de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Violência: um mal de saúde pública

08 abril 2016 - 10h50Gesiane Medeiros
O IV Encontro da Rede de Atendimento à Mulher em Situação de Violência Doméstica, ocorrido no Tribunal do Júri da Comarca, nesta quinta-feira (7), levantou dados e apontamentos de profunda reflexão. Um deles é o tratamento da violência como assunto de saúde pública. Segundo registros da secretaria de saúde do município, dos 1055 casos atendidos em Corumbá no ano de 2015, 684 são contra mulheres. A violência é considerada pelo Ministério da Saúde a terceira maior causa de morte no país. Segundo Lielza Molina, palestrante e integrante do Núcleo de Prevenção à Violência da Secretaria Municipal de Saúde, os altos índices de morte por violência fez o Ministério, em 2005, começar a ver o assunto como um mal a ser tratado também pela saúde, até então, o assunto era apenas de Delegacia. Em Corumbá o Núcleo foi criado em 2008. Os números de 2015 apontam que os tipos de violência mais frequentes são: sexual (45); Lesão auto provocada, suicídio (68); Psicológica (148); Negligência e abandono (408) e Violência Física (447). Lielza afirma ainda que os registros aumentam no início do mês e em datas festivas, “acredita-se que um dos fatores que mais influenciam o ato da violência contra a mulher é o consumo excessivo de álcool”. A secretaria municipal de saúde atende a todas as vítimas de violência e realizam acompanhamento por pelo menos seis meses. “As pessoas têm a ilusão de que só se deve ir para o posto médico quando estiver com lesão corporal, quando na verdade o fator psicológico e emocional também é levado em consideração, acreditamos que a realidade seja muito maior do que os números indicam, mas aos poucos as pessoas estão tomando conhecimento de que devem procurar ajuda médica”.Fortalecimento da Rede de Combate à Violência O objetivo da encontro é veicular todas as autoridades e órgãos que de alguma maneira contribuem para o combate à violência contra à mulher. Neste IV encontro realizado pela Rede, foi possível reunir O CRAM (Centro de Atendimento à Mulher em Situação de Fronteira de Corumbá), Assistência Social, Defensoria Pública, Poder Judicial, a Delegacia da Mulher, o CRAS, o CREAS, entre outros, “O objetivo é que disseminar entre os envolvidos no assunto como trabalhar em conjunto, discutir a realidade da região, estudar casos, e definir estratégias”, diz Rosiene do Espírito Santo Mauro, coordenadora do CRAM. O CRAM atende pelo menos 35 casos de violência contra a mulher todos os meses na cidade, o que dá uma média de mais de um caso por dia. Somente este mês de abril, três casos de violência sexual já foram registrados. Rosiene, explica que a rota de combate à violência contra a mulher inicia na Delegacia, “lá é o primeiro lugar onde a vítima deve procurar, a partir desse contato, ela será encaminhada para os outros órgãos que compõem a Rede, para que ocorra uma assistência mutua”.Serviço: Denúncias de violência contra a mulher podem ser feitas pelo 180 O CRAS atende pelo telefone 3907-5479        

Deixe seu Comentário

Leia Também

Disque-Denúncia
Gaeco disponibiliza telefone para receber denúncias da operação "Cartão Vermelho"
Ônibus para Capital
Menor é apreendida transportando pacotes de Skunk presos ao corpo
Boletim Epidemiológico
MS registra 9.155 casos confirmados de dengue
Reconhecimento
Investigadora da Civil de Corumbá é homenageada pelo combate à crueldade contra animais
Vigilância Sanitária
Governo cria "MS Vacina Pet" e destina R$ 1,9 milhão contra a raiva
Em Dourados
PF mira em quadrilha de MS que transportava drogas em tanques de combustível
Sob Alerta
Inmet divulga alerta de perigo para o sul do país
Nova Data
Concurso Unificado será em 18 de agosto, confirma Ministério da Gestão
Variedades
Tipos de apostas no futebol
Saúde
Corumbá abre duas unidades de saúde para multivacinação no sábado, 25 de maio

Mais Lidas

Agenda Cultural
Evento de som automotivo arrecada doações para RS e Instituto Novo Olhar
Tráfico de Drogas
Mochila abandonada em ônibus é apreendida com 8,7 kg de Skunk
Oportunidade
IHP abre vagas para jovens aprendizes com idades entre 16 e 20 anos
Na madrugada
Homem é preso vendendo droga em beco do bairro Borrowski