Menu
quinta, 23 de maio de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Malabarista larga emprego em busca da vida simples

09 junho 2016 - 08h04Karina Barbon
Na contramão da correria do dia a dia e da ânsia na busca pelo sucesso profissional, algumas pessoas optam simplesmente por serem donas de si. Mas não estamos falando de abrir novos negócios e sim de uma vida alternativa e completamente livre. Em Corumbá é possível encontrar quem vive dessa maneira. Os artistas de rua, muitas vezes confundidos com andarilhos, ganham a vida de maneira leve e sem comprometimentos com os padrões de um emprego comum. Hector Gonzalo está no Brasil há dois meses com a esposa e uma filha de 2 anos. Nascido na Argentina, trabalhava como ferreiro mas decidiu que não queria mais ser empregado. Hoje faz malabarismos pelas ruas e divide as contas com a esposa, que se dedica aos trabalhos manuais.“Conheci minha esposa viajando, ela é artesã, vivemos livres e somos felizes assim.” Eles moram num quarto alugado e o argentino garante que com a arte que apresenta, mais os artesanatos da esposa, conseguem o suficiente para viver bem. Já passaram pelo Chile, Bolívia, Paraguai e afirmam que o Brasil é o melhor país que estiveram pela receptividade. “A maioria das pessoas que passam, sorriem e cumprimentam. Nem sempre colaboram com nossa arte, mas fazem questão de parabenizar pelo nosso trabalho.” Hector afirma com muito orgulho que é artista de rua e não se sentiu discriminado em Corumbá. Pretende ficar por aqui até o final do mês e seguir para Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia.Além do acolhimento da população corumbaense, a cidade proporciona outro tipo de ajuda. A instituição Centro Pop, vinculada com a Secretaria de Assistência Social trabalha com moradores de rua, artistas, imigrantes e pessoas que precisam de auxílio. Através de um cadastro orientam e disponibilizam serviços para ajudá-los, que são: atendimento médico, encaminhamento ao Albergue local, passagens para retornarem as suas cidades, alimentação, entre outros. Hector foi cadastrado e terá direito aos benefícios do projeto. “Aqui no Brasil não nos questionam e nem intimidam, simplesmente oferecem ajuda. Alimentos, fraldas, roupas. Nos tratam como artistas não como pedintes ou moradores de rua.” Apesar da receptividade brasileira, os amantes da liberdade não criam raízes. E assim Héctor e a esposa vão seguindo em frente. Se despedem após algum tempo, mas nunca perdem o desejo de voltar.      

Deixe seu Comentário

Leia Também

Fiscalização
Ação conjunta apreende 4 toneladas de mercadorias em Corumbá
Esporte
Com trinta equipes, 1ª Copinha do Futuro de Futsal tem primeiro jogo nesta quarta-feira
Oportunidade
IHP abre vagas para jovens aprendizes com idades entre 16 e 20 anos
Afroturismo
Corumbá participa pelo segundo ano consecutivo do projeto Caminhadas Negras
Meio Ambiente
Show com Seu Jorge e Daniel Jobim vai arrecadar recursos para o Pantanal
Economia
Começa amanhã consulta a maior lote de restituição do IR da história
Economia
Quase 50 mil pessoas buscam negociar dívidas em MS
Saúde
Projeto que institui vacinação nas escolas vai à sanção presidencial
Na Zona Rural
Vereador quer equipes da Assistência Social, atendendo assentamentos de Corumbá
Segurança
Táxis de Corumbá tem até 21 de junho para implantar QR Code de identificação

Mais Lidas

Agenda Cultural
Evento de som automotivo arrecada doações para RS e Instituto Novo Olhar
Na Câmara
Projeto de Lei Municipal torna laudos de TEA permanentes
Segurança
Denúncia de moradora recupera moto furtada no bairro Vila Mamona
Gaeco
Operação apura desvio de R$ 6 milhões e 1.200 saques para driblar fiscalização no Futebol