Menu
domingo, 07 de março de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

Umbandistas se revoltam contra tia que torturou sobrinho de quatro anos

25 fevereiro 2016 - 16h32Gesiane Medeiros
A revolta contra a torturadora do sobrinho de quatro anos é geral entre toda a população do Estado, a exemplo das detentas do presídio feminino de Corumbá, que não se agradaram da transferência da criminosa para a instituição, e também dos seguidores de religiões africanas que veem o caso como desumano. O Babalorixá Zazy Lakum, Clemilson Medina (Viktória Lorrayne) concedeu entrevista ao Capital do Pantanal nesta manhã e falou sobre o assunto de grande repercussão. Babalorixá Clemilson Medina, é presidente da COREMA (Associação Corumbaense das Religiões Matizes Africanas) e também representante da FECAMS, associação do estado. E se disse revoltado pelo uso da religião que representa as forças da natureza em uma barbaridade sem precedentes. “Não existe magia negra, a cor que poderia representar a magia em sua essência é o branco, magia é tudo que se sonha e se acredita, o uso da palavra negra nesse contexto é pejorativo e discriminativo, porém deixo registrado a minha revolta diante deste caso que considero a maior barbárie das últimas décadas em Mato Grosso do Sul”, afirma Clemilson. Para o presidente da COREMA não existe outra descrição para o fato além de pura maldade, “para mim o ritual que foi feito, chama-se falta de humanidade, não podemos se quer compará-la com os canibais, pois eles matam para saciar a sua fome”. Segundo explicações do Babalorixá, as religiões das matrizes africanas representam as forças da natureza e cultuam espíritos desencarnados, são índios, caboclos e as divindades exus, que também não podem ser confundidas com satanismo. “Não existe rituais de sacrifício de pessoas, muito menos a menores de idade nestas religiões, mas as pessoas devem ter consciência que não existe trigo sem um joio ao seu lado, casos de barbaridade semelhantes a este, são encontrado em qualquer religião”, afirma Clemilson. A associação corumbaense está se organizando com a regional para montar uma campanha de auxílio à criança vitimada, na intensão de dar assistência social e psíquica, “acreditamos que é de casos como este que podem nascer exterminadores de seguidores das religiões de matrizes africanas”, relata Clemilson. Para o religioso não existe sacríficio de seres humanos na prática do candomblé nem da umbanda. Ele diz que esta mulher é muito má e não tem problemas mentais, " ela é ruim mesmo. Um monstro, ou deve ser algu tipo de desafeto com os pais biológicos da criança. É muita falta de informação mesmo. Estamos indignados. Ela merece ser punida" , disse ao Capital do Pantanal.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol
OPORTUNIDADE
Receita Federal abre vagas de estágio em Corumbá
CULTURA
Eleitos os representantes não governamentais para o Conselho de Cultura do município
SEGURANÇA PÚBLICA
Em MS, Senad defende proposta de agilizar leilões de bens do crime organizado
POLICIAL
Bandidos armados usam carro oficial do Governo de MS para roubar casal na Afonso Pena
GERAL
Mãe é detida após espancar bebê de 9 meses com pedaço de madeira em cidade de MS
ESPORTE
Estadual de Futebol 2021 prossegue com mais quatro partidas neste fim de semana
SAÚDE
Redução de testa: Dermatologista de MS explica sobre melhores formas de tratamento
GERAL
Mulher tem bebê em casa e bombeiros prestam atendimentos
SAÚDE
Endometriose pode afetar 10% das mulheres brasileiras

Mais Lidas

POLICIAL
Homem é preso por roubo na forma tentada no bairro Maria Leite
POLICIAL
Em Corumbá três são presos com mandado de prisão em aberto
INCÊNDIO
Consultório Odontológico pega fogo no Maria Leite
POLICIAL
Polícia Militar de Corumbá prende homem por violência doméstica no Dom Bosco