Menu
quarta, 27 de outubro de 2021
Cassems - Melhores e Maiores - Edição 2021
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Umbandistas se revoltam contra tia que torturou sobrinho de quatro anos

25 fevereiro 2016 - 16h32Gesiane Medeiros
A revolta contra a torturadora do sobrinho de quatro anos é geral entre toda a população do Estado, a exemplo das detentas do presídio feminino de Corumbá, que não se agradaram da transferência da criminosa para a instituição, e também dos seguidores de religiões africanas que veem o caso como desumano. O Babalorixá Zazy Lakum, Clemilson Medina (Viktória Lorrayne) concedeu entrevista ao Capital do Pantanal nesta manhã e falou sobre o assunto de grande repercussão. Babalorixá Clemilson Medina, é presidente da COREMA (Associação Corumbaense das Religiões Matizes Africanas) e também representante da FECAMS, associação do estado. E se disse revoltado pelo uso da religião que representa as forças da natureza em uma barbaridade sem precedentes. “Não existe magia negra, a cor que poderia representar a magia em sua essência é o branco, magia é tudo que se sonha e se acredita, o uso da palavra negra nesse contexto é pejorativo e discriminativo, porém deixo registrado a minha revolta diante deste caso que considero a maior barbárie das últimas décadas em Mato Grosso do Sul”, afirma Clemilson. Para o presidente da COREMA não existe outra descrição para o fato além de pura maldade, “para mim o ritual que foi feito, chama-se falta de humanidade, não podemos se quer compará-la com os canibais, pois eles matam para saciar a sua fome”. Segundo explicações do Babalorixá, as religiões das matrizes africanas representam as forças da natureza e cultuam espíritos desencarnados, são índios, caboclos e as divindades exus, que também não podem ser confundidas com satanismo. “Não existe rituais de sacrifício de pessoas, muito menos a menores de idade nestas religiões, mas as pessoas devem ter consciência que não existe trigo sem um joio ao seu lado, casos de barbaridade semelhantes a este, são encontrado em qualquer religião”, afirma Clemilson. A associação corumbaense está se organizando com a regional para montar uma campanha de auxílio à criança vitimada, na intensão de dar assistência social e psíquica, “acreditamos que é de casos como este que podem nascer exterminadores de seguidores das religiões de matrizes africanas”, relata Clemilson. Para o religioso não existe sacríficio de seres humanos na prática do candomblé nem da umbanda. Ele diz que esta mulher é muito má e não tem problemas mentais, " ela é ruim mesmo. Um monstro, ou deve ser algu tipo de desafeto com os pais biológicos da criança. É muita falta de informação mesmo. Estamos indignados. Ela merece ser punida" , disse ao Capital do Pantanal.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Formalização
Corumbá lança campanha de incentivo ao cadastro de profissionais do setor de turismo
Apelo Popular
MPT-MS vai investigar assédio moral de gerente que humilha funcionário em Carrefour da Capital
Justiça
Após 18 horas, 7 membros do PCC são condenados a 105 anos por decapitar jovem em Campo Grande
Operação Hot Point
Idoso é preso e multado em R$ 2 mil por pesca proibida no Rio Formoso
Qualificação
Senac Corumbá abre inscrições para cursos nas áreas da informática, saúde e beleza
Acidente
Motociclista sofre ferimentos em colisão com carro no bairro Aeroporto
Fronteira
Câmara busca apoio Federal para agilizar o Transporte Internacional de mercadorias
Deanópolis
Operação "Inescrupulosos" da PF combate esquema de fraude no Auxílio Emergencial em MS
Violência Doméstica
Marido ameaça mulher com dispositivo de choque no Popular Nova
Consulta Pública
Audiência pública revisa tarifa de abastecimento de água e esgoto sanitário em MS

Mais Lidas

Presente Inesperado
Policiais Militares de Corumbá fazem surpresa em aniversário de criança que sonha em ser PM
Péssimas Condições
Morte de motorista na BR 262 é mais um alerta para o perigo do tráfego na rodovia
Nova Corumbá
Foragido é preso com diversos itens suspeitos na mochila
Reivindicação
Vereadores pedem retorno das aulas presenciais na Rede Municipal