Menu
quinta, 23 de maio de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Umbandistas se revoltam contra tia que torturou sobrinho de quatro anos

25 fevereiro 2016 - 16h32Gesiane Medeiros
A revolta contra a torturadora do sobrinho de quatro anos é geral entre toda a população do Estado, a exemplo das detentas do presídio feminino de Corumbá, que não se agradaram da transferência da criminosa para a instituição, e também dos seguidores de religiões africanas que veem o caso como desumano. O Babalorixá Zazy Lakum, Clemilson Medina (Viktória Lorrayne) concedeu entrevista ao Capital do Pantanal nesta manhã e falou sobre o assunto de grande repercussão. Babalorixá Clemilson Medina, é presidente da COREMA (Associação Corumbaense das Religiões Matizes Africanas) e também representante da FECAMS, associação do estado. E se disse revoltado pelo uso da religião que representa as forças da natureza em uma barbaridade sem precedentes. “Não existe magia negra, a cor que poderia representar a magia em sua essência é o branco, magia é tudo que se sonha e se acredita, o uso da palavra negra nesse contexto é pejorativo e discriminativo, porém deixo registrado a minha revolta diante deste caso que considero a maior barbárie das últimas décadas em Mato Grosso do Sul”, afirma Clemilson. Para o presidente da COREMA não existe outra descrição para o fato além de pura maldade, “para mim o ritual que foi feito, chama-se falta de humanidade, não podemos se quer compará-la com os canibais, pois eles matam para saciar a sua fome”. Segundo explicações do Babalorixá, as religiões das matrizes africanas representam as forças da natureza e cultuam espíritos desencarnados, são índios, caboclos e as divindades exus, que também não podem ser confundidas com satanismo. “Não existe rituais de sacrifício de pessoas, muito menos a menores de idade nestas religiões, mas as pessoas devem ter consciência que não existe trigo sem um joio ao seu lado, casos de barbaridade semelhantes a este, são encontrado em qualquer religião”, afirma Clemilson. A associação corumbaense está se organizando com a regional para montar uma campanha de auxílio à criança vitimada, na intensão de dar assistência social e psíquica, “acreditamos que é de casos como este que podem nascer exterminadores de seguidores das religiões de matrizes africanas”, relata Clemilson. Para o religioso não existe sacríficio de seres humanos na prática do candomblé nem da umbanda. Ele diz que esta mulher é muito má e não tem problemas mentais, " ela é ruim mesmo. Um monstro, ou deve ser algu tipo de desafeto com os pais biológicos da criança. É muita falta de informação mesmo. Estamos indignados. Ela merece ser punida" , disse ao Capital do Pantanal.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Disque-Denúncia
Gaeco disponibiliza telefone para receber denúncias da operação "Cartão Vermelho"
Ônibus para Capital
Menor é apreendida transportando pacotes de Skunk presos ao corpo
Boletim Epidemiológico
MS registra 9.155 casos confirmados de dengue
Reconhecimento
Investigadora da Civil de Corumbá é homenageada pelo combate à crueldade contra animais
Vigilância Sanitária
Governo cria "MS Vacina Pet" e destina R$ 1,9 milhão contra a raiva
Em Dourados
PF mira em quadrilha de MS que transportava drogas em tanques de combustível
Sob Alerta
Inmet divulga alerta de perigo para o sul do país
Nova Data
Concurso Unificado será em 18 de agosto, confirma Ministério da Gestão
Variedades
Tipos de apostas no futebol
Saúde
Corumbá abre duas unidades de saúde para multivacinação no sábado, 25 de maio

Mais Lidas

Agenda Cultural
Evento de som automotivo arrecada doações para RS e Instituto Novo Olhar
Tráfico de Drogas
Mochila abandonada em ônibus é apreendida com 8,7 kg de Skunk
Oportunidade
IHP abre vagas para jovens aprendizes com idades entre 16 e 20 anos
Na madrugada
Homem é preso vendendo droga em beco do bairro Borrowski