Menu
sábado, 16 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Uma luz no fim do túnel: uso, distribuição e fabricação da fosfoetanolamina sintética é autorizada

23 março 2016 - 19h30Sylma Lima
Projeto de lei 4639, que autoriza o uso, distribuição e fabricação da fosfoetanolamina sintética, conhecida como 'pílula do câncer', foi aprovado terça-feira (22), no Senado e vai para a sanção da presidente Dilma Rousseff. Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), critica a aprovação do projeto e vê com preocupação a liberação sem garantia de eficácia e segurança. Em nota divulgada nesta quarta-feira (23), afirma ver com preocupação a liberação de uma substância que não passou por testes que garantam sua segurança e eficácia "como é exigido pela Anvisa e por todas as agências reguladoras do mundo". Pela lei aprovada, pacientes com tumor maligno poderão usar a “pílula do câncer”, desde que embasado em laudo médico que comprove a doença. Um termo de consentimento e responsabilidade deverá ser assinado pelo paciente ou representante legal. A proposta vai além e permite a fabricação da fosfoetanolamina sintética mesmo sem registro sanitário. Para referendar o protesto da Anvisa, outras entidades manifestaram-se contra a aprovação do Projeto de lei: Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), a Sociedade Brasileira de Cancerologia (SBC), o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Médica Brasileira (AMB). Uma chance para a vida. Contrários aos protestos da Anvisa, muitos pacientes e seus familiares comemoram a possibilidade de terem mais uma chance para amenizar os efeitos da doença. Segundo Alexandre Mavignier Gatass Orro, que entrou com ação na justiça de São Carlos (SP), solicitando a liberação do medicamento na rede pública de saúde, disse que: “não há efeito colateral pior do que a morte provocada pela doença.” O Mesmo acredita que a burocratização para concluírem os estudos, conforme os protocolos da Anvisa, demandará muitos anos e que nesse período, a doença ,consumirá vidas e as esperanças de muitas famílias. Pois, quando impetrou a ação, o mesmo estava em uma luta pessoal, sua mãe Rosa Mavignier, necessitava urgentemente da liberação do medicamento. Fato que não chegou a ser concretizado, pois a mesma faleceu no início de março 04. Apesar da tristeza dos acontecimentos, Alexandre afirma que está  em paz, pois sua mãe deixou um legado de luta contra o câncer e muitas sementes plantadas. rosa

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dia do Professor
Façanha destaca papel do professor no período pós-pandemia
Corumbá
Foragido é preso em ronda no bairro Generoso
Corumbá
Dupla é presa com 20 quilos de maconha
Evento
IFMS realizará Festival de Arte e Cultura 2021 de forma virtual
Reforço
Saúde de Corumbá e Ladário recebem mais de 500 equipamentos doados pela Vale
Porto Murtinho
Mulher é multada em mais de R$ 20 mil por exploração ilegal de madeira
Agenda
Povo das Águas atende ribeirinhos da região do Taquari a partir de 24 de outubro
Atualização Vacinal
13 unidades de saúde participam do Dia D de Multivacinação neste sábado em Corumbá
Corumbá
Vereador busca recursos para atender necessidades do Conselho Municipal Antidrogas
Monitoramento
Defesa Civil alerta para chance de novos temporais

Mais Lidas

Monitoramento
Defesa Civil alerta para chance de novos temporais
Estudo em andamento
Plano de transporte intermunicipal de MS vai passar por mudanças em 2022
Corumbá
Dupla é presa com 20 quilos de maconha
Reforço
Saúde de Corumbá e Ladário recebem mais de 500 equipamentos doados pela Vale