Menu
sexta, 18 de setembro de 2020
Andorinha - Linha em Operação
Andorinha - Linha em Operação
Geral

Tese de ‘cura’ por cloroquina seduziu 18% dos brasileiros, revela pesquisa

29 junho 2020 - 17h45Midiamax

Em cada cinco brasileiros, um chegou a acreditar que a hidroxicloroquina seria a “cura” para a covid-19, segundo revela pesquisa de opinião sobre os mitos da pandemia, feita pelo instituto Ipsos em 16 países. Embora nenhum estudo com rigor científico apontasse a eficácia do medicamento, ele foi promovido como solução para a crise pelo presidente Jair Bolsonaro – e a tese foi abraçada e amplificada por sua base de apoio nas redes sociais. O resultado é que, na pesquisa, 18% dos entrevistados no Brasil qualificaram como verdadeira a frase “Existe uma cura para covid-19 e ela se chama hidroxicloroquina”, enquanto 57% a consideraram falsa. Um quarto da amostra não soube responder.

 

No ranking da desinformação sobre o tema, os brasileiros só ficaram atrás dos indianos nos 16 países onde o Ipsos fez as mesmas perguntas. Na média desses países, apenas 11% dos entrevistados compraram a ideia de que o medicamento traria a cura.

Na Índia, essa taxa chegou a 37% – o dobro do Brasil. Também lá o governo promoveu a tese de que a hidroxicloroquina ou a cloroquina seriam a solução. Nos Estados Unidos, onde ocorreu o mesmo, 12% acreditaram na eficácia da droga. Já no Reino Unido foram apenas 2%.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) chegou a testar a cloroquina em pacientes de covid-19, mas suspendeu as pesquisas no final de maio e em definitivo na metade de junho, após não constatar redução de mortalidade. O medicamento, que nunca foi encarado por médicos e cientistas como cura para covid-19, mas apenas como possível tratamento auxiliar, pode provocar efeitos colaterais graves.

No Brasil, a cloroquina esteve no centro de ondas de desinformação sobre covid-19 nas redes sociais – diversos rumores e teorias conspiratórias foram desmentidos pelo Estadão Verifica, desde o início da pandemia. Uma das checagens, realizada em parceria com outros veículos do Projeto Comprova, envolvia a falsa acusação de que um grupo de pesquisadores brasileiros teria aplicado uma dosagem letal de cloroquina em pacientes com covid-19 para causar descrédito sobre o medicamento no tratamento contra a doença.

Entre outros mitos avaliados pela pesquisa Ipsos está o de que a exposição ao sol ou a altas temperaturas previne covid-19. Nesse caso, 22% dos brasileiros entrevistados apontaram a alegação como correta. O boato de que comer alho é uma defesa contra o coronavírus foi encarado como verdadeiro por 7% no Brasil.

O Ipsos fez a pesquisa no final de maio, e a partir desta segunda-feira (29) a distribui entre seus clientes. Foram entrevistadas mil pessoas em cada um dos 16 países participantes A margem de erro é de 3,5 pontos porcentuais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tráfico de Drogas
PRF apreende 47 quilos de cocaína que saiu de Corumbá
Atualização Covid-19
Corumbá registra recorde de 123 positivos em 24 horas
Concurso Público
Estado convoca mais 252 agentes penitenciários
Fiscalização
Operação Água aumenta sensação de segurança na Fronteira
Barco encalhado
Menor nível da história deixa rio Paraguai sem condições de navegabilidade
Eleições 2020
Disputa pela prefeitura de Ladário tem sete candidatos
154 em tratamento
Equipe de Médicos sem Fronteiras reforça atendimento da Covid no Presídio de Corumbá
Acidente
Caminhão frigorífico tomba na BR próximo a Porto Murtinho
Resgate Urgente
Colombiano em surto morre após cair de poste na fronteira
Com a queda, vítima sofreu traumatismo craniano
Força Tarefa
Sobrevoo identifica fogo em mata fechada a 30 quilômetros do perímetro urbano

Mais Lidas

Unindo Esforços
Ribeirinhos são regatados de incêndio no Porto da Manga
Na Santa Casa
PM homenageia profissionais da saúde que atuam na linha de frente contra o Covid
Flagrante
Homem é multado em R$ 5 mil provocar incêndio urbano
Atualização Covid-19
Boletim desta quinta confirma mais 11 óbitos e 831 novos casos de Covid-19 no Estado