Menu
domingo, 24 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Senadores de Mato Grosso do Sul vão votar a favor da PEC do Fundeb

24 agosto 2020 - 11h28Clodoaldo Silva do Correio do Estado

Mesmo com a pressão do Ministério da Economia para que haja alterações em alguns pontos da PEC do novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), os senadores sul-mato-grossenses são a favor da aprovação do mesmo texto já apreciado na Câmara dos Deputados. 

A PEC, que deve ser votada amanhã, eleva de forma gradual de 10% para 23% até 2026 a contrapartida da União no fundo.  

Com essas mudanças, a previsão é de que a partir do próximo ano o governo do Estado e em três anos as prefeituras comecem a reduzir os valores que injetam no Fundeb.

O texto (PEC 26/2020) seria apreciado na semana passada, mas sua votação foi adiada porque a votação de vetos pelo Congresso Nacional ainda está em andamento.

 Nesta terça-feira (25), a PEC será o único item da pauta e, caso seja aprovada, deverá ser promulgada no dia seguinte, em sessão do Congresso. 

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, comentou nas redes sociais que o adiamento da votação permitirá a participação de todos os senadores no aperfeiçoamento do texto.

 “Garantir recursos para a educação pública do País é uma das maiores prioridades de todos nós, senadores”, enfatizou na postagem.

Só que o Ministério da Economia divulgou um documento sobre os impactos da aprovação do texto da Câmara nas contas públicas. 

Para a pasta, a aprovação do Custo Aluno Qualidade, contido no texto, que prevê parâmetros de investimento anual por aluno para garantir uma educação de alto nível, acarretaria um gasto de R$ 36 bilhões, o que, na prática, de acordo com o governo, representaria dobrar a complementação da União dos novos 23% aprovados para 46%.

Outro ponto que sofre resistência da área econômica do Palácio do Planalto é a proibição de utilizar o fundo, que é a principal fonte de financiamento da educação básica, para o pagamento de aposentados e pensionistas. 

Além disso, o texto estipula que o mínimo de 70% do fundo seja utilizado com pagamento de profissionais da educação. O argumento é que a medida vai obrigar, em 2021, 1.327 entes (municípios e estados) a dar reajuste ou contratar mais servidores na área para cumprir a regra.

Embora tenha tentado capitalizar politicamente a aprovação no mês passado do Fundeb na Câmara dos Deputados, todos esses pontos já haviam sido apresentados pelo governo antes da votação na Casa, mas o Executivo acabou sendo derrotado. Foram 499 votos a favor. 

Agora, às vésperas da votação no Senado, ainda que adote o discurso oficial de que não tentará modificar o texto aprovado na Câmara, nos bastidores, a área econômica tenta mobilizar parlamentares contra essa aprovação.

Porém, esta iniciativa não tem surtido efeito com os senadores do Estado. O senador Nelson Trad Filho (PSD), que tem votado na maioria das vezes com o Palácio do Planalto, destacou que “nós vamos apoiar o projeto da professora Dorinha [Seabra, relatora do Novo Fundeb na Câmara], que foi aprovado na Câmara dos Deputados. Nós entendemos a importância do Fundeb e vamos, cada vez mais, aperfeiçoar esse mecanismo de investimento na educação do País”.

A senadora Simone Tebet (MDB), que é presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), foi enfática: “Sou a favor, ela tem de ser votada exatamente como veio da Câmara, para não correr o risco de, voltando para a Câmara, se tentar modificar o texto. Apesar da pressão do governo, nós conseguimos e vamos conseguir que 70% dos valores destinados para o Fundeb não sejam teto para pagamento dos profissionais da educação, mas piso. Mais recursos para o Fundeb significa mais recursos para a valorização dos professores, um investimento direto na qualidade do ensino público. É um carimbo certeiro, um passaporte para o futuro das nossas crianças e jovens”, enfatizou a parlamentar.

A senadora Soraya Thronicke (PSL), que é da base do governo mas votou na semana passada contra a orientação do Palácio do Planalto sobre o veto que congelava os salários dos servidores públicos até dezembro do ano que vem, deve se posicionar novamente contrária ao governo. 

“Votarei a favor da PEC 26 porque acredito que a educação é o principal mecanismo de transformação de um país. Esses investimentos devem ser colocados sempre como prioridade e ser bem aplicados para que possamos chegar ao nível de países referência em educação. O Fundeb é muito importante para o Brasil porque garante que uma fração considerável dos impostos seja investida na educação básica", disse.

"Esses recursos, além de ampliar o direito à educação de qualidade, reduzem as desigualdades, geram maior equidade na distribuição, de forma que mais recursos alcancem os mais vulneráveis, e fazem com que os entes que dispõem de menos recursos próprios passem a receber maior complementação da União. O Fundeb deve ser o instrumento para que os recursos cheguem às escolas mais pobres e aos alunos socioeconomicamente mais vulneráveis”, completou.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Flagrante
Dois turistas são multados em R$ 1,8 mil por pesca predatória no rio Miranda
Alerta
Últimos dias para inscrições em editais da Funarte
Imunização
Quem pode se vacinar contra Covid neste fim de semana
1 hora a menos
Agepan defende o retorno do horário de verão para economia de energia em MS
74 vagas
Concurso público da Sanesul recebe inscrições até 11 de novembro
Boletim Epidemiológico
MS volta a registrar mortes por Covid-19
Orientação
O que fazer para prevenir problemas durante e após temporais
CNH MS Social
Programa de habilitação gratuita já tramita na Assembleia Legislativa
Tempo
Chuva ganha força a partir deste sábado e pode trazer nova tempestade para MS
Precaução
Tradicional Procissão Fluvial é cancelada devido previsão de mal tempo

Mais Lidas

Causa não definida
Motorista de ônibus fretado com 42 passageiros perde o controle e colide na mureta da ponte
Dom Bosco
Homem baleado pede socorro em escola, mas não resiste e morre
Desdobramento
Embarcação que naufragou e fez sete vítimas no rio Paraguai não era de transporte turístico
Boletim Epidemiológico
MS volta a registrar mortes por Covid-19