Menu
sexta, 23 de fevereiro de 2024
Geral

Sem lei, fiscalização cria código de conduta para tolerar carona amiga

14 maio 2018 - 13h21Campo Grande News

No Facebook, um grupo com mais de 9 mil membros tem objetivo específico: oferecer viagem em carro particular entre Campo Grande e Corumbá. Para percorrer os 419 quilômetros entre as duas cidades, os valores das passagens de ônibus vão de R$ 99 a R$ 169; na modalidade carona, a distância é percorrida ao custo médio de R$ 70.

Sem lei, a fiscalização tem um código de conduta para separar a carona amiga da lotação, que é transporte irregular de passageiros. “Isso é uma coisa nova que vem acontecendo no País. O transporte entre as cidades por operadores não cadastrados. Uma situação que está em estudo para ver o que vai ser permitido”, afirma o diretor de Transporte da Agepan (Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos), Ayrton Rodrigues.

Por enquanto, a linha divisória entre o permitido e punível com multa e apreensão é a necessidade da viagem. Ou seja, na carona solidária, a pessoa realizaria a viagem de qualquer maneira.

“Se o motorista que estiver operando o serviço faz simplesmente para ter ganho financeiro, se é um modo de vida, ele não pode realizar a viagem sob pena de multa e apreensão. Mas se o motorista faria a viagem necessariamente, tem uma motivação no destino que não seja transportar pessoas, isso está sendo tolerado”, diz Ayrton.

No quesito segurança, a Agepan alerta que o viajante não compra uma passagem, o que, no trasporte tradicional, assegura direitos. “Não tem nenhuma garantia em caso de cancelamento ou mesmo de acidente. Não tem a cobertura padrão. Além do DPVAT, tem o seguro que as empresas de ônibus pagam. Também não tem a garantia da habilitação do motorista, da manutenção mecânica do veículo", diz. Fiscalização no começo do mês fez flagrantes de particulares na linha de transporte intermunicipal entre Ribas do Rio Pardo e Campo Grande, na BR-262. Quatro carros particulares foram autuados e multados pela ‘lotação’. Um deles foi apreendido.

Me ajuda, que te ajudo - “É uma forma alternativa do caroneiro ajudar o carona e do carona ajudar o caroneiro”, afirma Júnior Marinho, que abriu o primeiro grupo de carona em Mato Grosso do Sul no ano de 2009.

destinos mais procurados são de Campo Grande a Corumbá e de Campo Grande a Dourados. Para a primeira cidade, o valor médio é de R$ 70 e muitos “caroneiros” vão visitar familiares. Para Dourados, o maior público é de estudantes, que, na média, ajudam com valores entre R$ 30 e R$ 40 para o combustível.

Sobre a segurança, ele afirma que o grupo é como um controle externo. Ou seja, qualquer problema é noticiado pelo usuário na rede social. “ Mas nunca tive problema com passageiros. As caronas são mais para pessoas que precisam viajar, que vão a trabalho. Nesses nove anos, nunca tive problema”, afirma.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Imunização
Vacinação contra dengue começa neste sábado (24) em Corumbá
Recuperação
Mineração retoma crescimento em MS com R$ 275,9 milhões de taxas de compensação em quatro anos
Variedades
Veja quais são as 5 seleções mais vitoriosas do futebol europeu
Oportunidade
Concurso da Caixa tem 3 vagas para Corumbá com salário de R$ 3,7 mil
Negociação
TJMS lança campanha de combate ao superendividamento nesta sexta-feira (23)
Destaque
Formação do Conselho de Pesca de MS é publicada no Diário Oficial
20 mil litros
Dois homens são presos por contrabando de combustível em Corumbá
Partidas Dobradas
Operação conjunta apura entrada ilegal de produtos estrangeiros pela fronteira de MS
Pagamento Especial
Bolsa Família antecipa pagamento para municípios do RS e ES
Leão
Receita abre consulta a lote residual do Imposto de Renda

Mais Lidas

Plantão
Pessoa é encontrada morta em casa do Popular Velha
Oportunidade
Concurso da Caixa tem 3 vagas para Corumbá com salário de R$ 3,7 mil
Você viu?
Bailarinos de Corumbá se apresentaram no palco do Caldeirão com Mion
Incentivo
Academia de Jiu Jitsu mobiliza doações para participação de 25 atletas em campeonato