Menu
segunda, 22 de abril de 2024
Governo - Fazer Bem Feito - Abril 24
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Sedativos para intubar ficam escassos e até 287% mais caros, dizem hospitais

25 junho 2020 - 14h05Midia Max

Além de dificuldade para encontrar medicamentos essenciais para sedar e intubar pacientes graves da covid-19, hospitais privados apontam aumento no valor destes fármacos durante a pandemia. Segundo levantamento da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), o valor dos sedativos cloreto ou maleato de midazolam, por exemplo, subiu 287,44% e 64% dos associados apontam dificuldade para encontrá-los.

 

O medicamento mais escasso é o besilato de cisatracúrio, segundo a entidade. Além do aumento de 50% no valor, 83% dos hospitais ligados à Anahp têm dificuldade para compra deste produto. Os dados foram coletados em 27 de maio.

 

A associação elencou sete produtos usados no procedimento de intubar pacientes, aplicado para melhorar a ventilação. O aumento de preços de três destes produtos está acima de 100%.

A entidade afirma que hospitais privados vão notificar a Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), caso o valor do fármaco ultrapasse o preço tabelado pelo governo.

 

A falta de insumos para intubar pacientes também é sentida na rede pública. Segundo levantamento do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), 22 unidades da federação têm estoques zerados para ao menos um medicamento deste tipo.

 

A indústria de medicamentos afirma que tem estoque dos produtos, mas não consegue atender licitações de longo prazo. Deputados federais de comissão que acompanha a resposta à covid-19 prometem questionar se distribuidores de medicamentos estão estocando produtos para vender a preços mais altos.

 

Estado com maior número de casos e óbitos, São Paulo tem, no SUS, estoques zerados de 10 dos 22 produtos usados para intubar pacientes listados pelo Conass. Outros 5 fármacos se esgotam em menos de uma semana.

 

Uma saída para a falta de insumos nas redes pública e privada é debatida pelo menos desde o começo de junho. O Ministério da Saúde promete mediar compras de Estados e municípios, abrindo uma “ata de registro de preços”, para centralizar as compras e evitar uma espécie de leilão entre os entes. Além disso, o ministério promete realizar uma busca emergencial no mercado internacional por meio de fundo rotativo da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

 

As chegada dos medicamentos, no entanto, não deve ser imediata. O assessor da Secretaria Executiva do Ministério da Saúde Alessandro Glauco afirmou na quarta-feira, 24, a deputados, que uma licitação ampla só será lançada daqui duas ou três semanas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Em táxi
Brasileiro é preso com 16 kg de maconha na fronteira
Expedição
"Juizados em Ação" suspende em navio da Marinha para atender comunidades indígenas
Obrigatório
Aposentados e pensionistas por invalidez têm até julho para perícia médica bianual
Segurança Pública
4ª Fase da Operação Mute avança com telamento de presídios em MS
Trânsito
Motorista atropela casal em moto e foge sem prestar socorro
Ministério Público
Empresa alega que "poeira de minério" tem causado morte de animais na zona rural de Corumbá
MPMS instaurou inquérito para apurar a denúncia apresentada por empresa proprietária de Fazenda na região de Maria Coelho
Campeonato
Torneio Centro-Oeste de Natação atrai 470 atletas para Campo Grande
Calendário
Caixa paga Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 4
Em Jardim
Ação conjunta apreende 12 toneladas de maconha; a maior do ano
Plantão
Acidentes de trânsito fazem quatro vítimas nas últimas 24 horas

Mais Lidas

Hoje
Visitante tenta entrar no presídio de Corumbá com cocaína escondida no chinelo
Expedição
"Juizados em Ação" suspende em navio da Marinha para atender comunidades indígenas
Obrigatório
Aposentados e pensionistas por invalidez têm até julho para perícia médica bianual
Segurança Pública
4ª Fase da Operação Mute avança com telamento de presídios em MS