Menu
quinta, 22 de abril de 2021
Andorinha Abril
Andorinha Abril
Geral

Reunião no MPF decide futuro de moradores de Forte Coimbra

18 maio 2016 - 14h34Sylma Lima
Desde 2003 as 31 famílias de ribeirinhos que residem em Forte Coimbra, distante 200 km de Corumbá, convivem com a possibilidade de, a qualquer momento, serem despejados de seus imóveis. A questão gerou um impasse porque, por um lado , o Exército reivindicava a área por se tratar de território de segurança nacional, entretanto, por outro sobressaia a questão da expulsão das famílias que vivem da pesca e ocupam aquelas  casas há mais de 100 anos, algumas antes da construção do Forte no ano de 1775. As famílias que ocupam as casas são filhos de pescadores que herdaram o imóvel dos pais e avós, alguns militares da reserva. O impasse começou quando as forças armadas exigiram que os ribeirinhos deixassem suas casas e a questão foi parar nas mãos do Ministério Público Federal, cuja ação fora impetrada pelo comando do Exército em Brasília. Desde então os moradores vêm recorrendo a ajuda de políticos e instituições ligadas aos direitos humanos para não perderem o que construíram durante toda vida. Na manhã desta quarta-feira,18 de maio, lideranças comunitárias daquela região estiveram reunidos com os procuradores da república Yuri Correa da Luz e Tulio Fávaro Begggiato, vereador Evander Vendramini (PP) , Ednir de Paulo representante do Instituto das Mulheres Negras do Pantanal e conselheira dos direitos humanos e representando o Exército o Major Geraldo Bessa de Abreu Filho , tenente coronel Marco Aurélio Magalhães Cavalcante e superintendente do SPU/MS ( Secretaria de Patrimônio da União) Celso Pereira do Prado. Na ocasião ficou decidido, e lavrado em ata, que as 31 famílias terão direito a título definitivo, “ o processo segue e deve passar por entendimento do Exército e da Advocacia Geral da União para que as famílias possam ter a concessão de direito real de uso das suas casas” , disse Ednir de Paulo, que vem acompanhando o processo desde o inicio, “ está comprovados pelo IMNEGRA que estas famílias são ribeirinhas e sobrevivem exclusivamente da pesca, sendo essencial que sobrevivam as margem do rio como fazem há séculos ,e nunca causaram prejuízo ao meio, por isso propus a criação de uma associação que garanta seus direitos” . Para dona Edir da Silva, 58 anos, que nasceu em Forte Coimbra a situação gera desconforto, “ minha família chegou lá em 1930. Eu nasci ali e o Exército tem tomados umas atitudes temerosas, que nos causam insegurança com a derrubada das casas às margens do rio” , disse a ribeirinha durante a reunião. A comunidade de Forte Coimbra pediu em juízo que a conselheira Ednir de Paulo continuasse representando os interesses daquela comunidade. O vereador Evander Vendramini (PP) também acompanhou a reunião, pois havia entrado com requerimento solicitando o andamento do processo junto ao MPF, “ a ansiedade era muito grande e a população de Forte Coimbra conviviam com esta insegurança, porque eles queriam a legalização do imóvel para que no futuro possam deixar o bem para os filhos. E hoje saiu a proposta, com a boa vontade do Exército em legalizar a concessão dos imóveis junto com a Secretaria de Patrimônio da União. Acontece em Forte Coimbra o que aconteceu em Porto Esperança e até o início do ano eles estarão com as posses legalizadas” , disse explicando que há mais de 200 anos era aguardado essa decisão.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
181 é ferramenta para denuncia anônima em Mato Grosso do Sul
EDUCAÇÃO
Reforma de escolas municipais é solicitada por vereador durante sessão da Câmara
ESPORTE
Vereador sugere transformar o Marina Gattass em espaço para esportes radicais
LÍNGUA DE SINAIS
Projeto de Lei obriga instituições a disponibilizar intérpretes de Libras na cidade
ECONOMIA
Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em agosto
COVID-19
Polícia investiga empresa por fraude em oferta de vacina
CIDADE
Prefeito decreta luto oficial de três dias pelo falecimento de Dom Martinez
POLICIAL
PM de Corumbá prende foragido da justiça e apreende arma branca
POLICIAL
Homem é preso por porte de drogas no bairro Popular Nova
TEMPO
Massa de ar frio pode mudar o clima em Mato Grosso do Sul nos próximos dias

Mais Lidas

POLÍTICA
Câmara aprova projeto de lei que torna escolas serviços essenciais
MUDANÇAS NO CTB
Nova Lei abranda infração para motociclistas sem viseira ou óculos de proteção
GERAL
Vereador solicita recuperação da 21 de Setembro, após intervenções da Sanesul
SEGURANÇA
Tiradentes: no dia do patrono das polícias, Governo destaca investimentos na segurança