Menu
quarta, 16 de junho de 2021
Andorinha - Maio
Andorinha - Maio
Geral

Reinaldo e governadores entregam reivindicações econômicas ao Supremo, ao Senado e à Fazenda

02 fevereiro 2016 - 14h34Gesiane Medeiros
Depois de se reunir com 25 governadores e vice-governadores em Brasília (DF) para tratar de soluções que vão melhorar o cenário econômico do Brasil, o chefe do Executivo Estadual de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, e parte do grupo de governadores que debateu as proposições seguiram para o Supremo Tribunal Federal (STF) para entregar as reivindicações ao presidente Ricardo Lewandowski. Também na noite desta segunda-feira (1), o grupo se reuniu com o presidente do Senado Federal, senador Renan Calheiros, e com o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, para pedir apoio nas proposições. “Fizemos uma pauta comum aos 27 estados. Entre elas: a questão dos precatórios [débitos do governo em face de condenações na Justiça], da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 74/2015, que permite a utilização de 40% dos recursos de depósitos judiciais para pagamento de precatórios e que impõe você criar despesas se tiver receita proveniente para cobrir essas despesas; e uma pauta com o Governo Federal, principalmente sobre o refinanciamento das dívidas e o alongamento delas para abrir o fluxo de caixa dos estados e possibilitar o investimento e o desenvolvimento do Brasil”, contou Reinaldo. Segundo o governador, após reunião no Senado Federal, o presidente Renan Calheiros se comprometeu de pautar nesta terça-feira (2), durante reunião de líderes, as matérias de interesses dos Estados – entre elas a PEC nº 74, de 2015. No STF, o ministro Lewandowski apresentou embargo de declaração sobre os precatórios e informou aos governadores que o regramento antigo tem validade. “Até que se vote essa PEC para que crie um regramento novo para o pagamento desses precatórios e dos depósitos judiciais”, explicou Reinado. Já no Ministério da Fazenda, a principal pauta debatida com o ministro Nelson Barbosa foi o alongamento e refinanciamento das dívidas dos estados com a União, a partir de um novo indexador, “para que com esse fluxo de caixa os estados possam fazer investimentos, ativar a economia e ajudar o desenvolvimento da atividade econômica do País”, falou o governador, lembrando que a medida não será utilizada para pagamento de pessoal e despesas de custeio.           Texto do Notícias MS

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Autor de atropelamento na Rio Branco é comissionado da Prefeitura de Corumbá
SAÚDE
Corumbá leva vacina contra a Covid-19 para a região do Taquari
POLICIAL
PMA apreende 1.289 kg de droga com adolescente paraguaio
TURISMO
Turismo de MS participa de webinar nesta quarta-feira e se aproxima do mercado irlandês
PROTESTO
Ciclistas fazem protesto após morte de empresária na Rio Branco
ECONOMIA
Trabalhadores nascidos em novembro podem sacar auxílio emergencial
SAÚDE
Anvisa autoriza importação excepcional da vacina Sputnik V
CIDADE
Na busca pelo equilíbrio e razoabilidade, Prefeitura autoriza funcionamento do comércio
CORONAVÍRUS
Com 25 mil casos em 15 dias, junho pode bater recorde de infectados por covid em MS
GERAL
Homem sofre queda de telhado e fica ferido

Mais Lidas

GERAL
Donos de pizzaria em Corumbá investem em dark kitchen do Divino Fogão
GERAL
BR 262: Sem acostamento caminhão tomba saindo da estrada
LUTO
Professor de tênis Orlando Papa morre vítima da Covid-19
EDUCAÇÃO
Segue aberto período de inscrições para cursos do Pronatec/MS