Menu
segunda, 18 de janeiro de 2021
Andorinha - campanha dezembro
Andorinha - Dezembro
Geral

Proibido e letal, mulheres colocam até 12 litros de silicone industrial

01 agosto 2018 - 11h06R7

Enquanto cirugiões plásticos costumam colocar próteses de silicone de até 500 ml para aumentar glúteos femininos, os chamados "bombadeiros", pessoas sem qualificação que oferecem o serviço de "bombar" alguma parte do corpo, chegam a injetar, no mesmo local e com a mesma finalidade, 12 litros de silicone industrial - produto proibido e que pode matar.

Encontrado com facilidade em lojas de material de construção, o silicone industrial tem um baixo custo - R$ 60 o litro. O galão com 5 litros não passa de R$ 130. Sua indicação está especificada no rótulo: limpeza de carros e peças de avião, impermeabilização de azulejos, vedação de vidros, manutenção de esteiras.

Mesmo assim, há quem não veja problema em usar o silicone industrial para injetar no corpo e aumentar as medidas do quadril, das coxas ou dos seios. Mas, a atividade a que os "bombadeiros" se propõem é crime. O acusado pode responder por exercício ilegal da medicina com prisão de 6 meses a 2 anos. Também é crime a venda de produto sem registro na Vigilância Sanitária e sem qualidade necessária para fins estéticos, com pena de 10 a 15 anos de reclusão.

É o que deve acontecer com a técnica de enfermagem Mariana Batista de Miranda, presa pela Polícia Civil do Rio de Janeiro nesta segunda-feira (30). Além do exercício ilegal da medicina, ela também foi acusada de homicídio. A vítima é Fátima Santos de Oliveira, uma paciente que, segundo a perícia médico-legal, morreu depois de aplicar silicone industrial nos glúteos no dia 16 de março deste ano.

Silicone Industrial é um risco para a saúde

Não existe nenhum tipo de silicone industrial que seja aprovado para uso em procedimentos estéticos. Isso significa que o material não pode ser usado no corpo humano por qualquer tipo de profissional, médico ou não.

De acordo com o cirurgião plástico Dênis Calazans, secretário-geral da SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica), o silicone industrial é diferente do silicone médico, usado em próteses porque “ele não tem biocompatibilidade, além da possibilidade de ser rejeitado, pode ser nocivo ao organismo”.

O cirurgião plástico Jairo Casali, também membro da SBCP, explica que é praticamente impossível retirar todo o silicone industrial injetado no organismo. “O que ocorre é que o silicone se mistura aos tecidos do próprio corpo. Então não há como remover apenas o silicone sem remover partes de algum músculo, por exemplo”.

A tentativa de retirada pode causar sequelas graves como deformidades, irregularidades e cicatrizes profundas.

Segundo o cirurgião Wilson Cintra, vice-presidente da SBCP, o silicone industrial é um líquido espesso que, no organismo, se transforma em milhares de bolinhas de silicone, isso também dificulta a retirada.

O médico também alerta para mais um risco: a possibilidade de o silicone industrial migrar para outras partes do corpo. “Quando uma pessoa injeta esse material no glúteo, o organismo entende que é um corpo estranho e cria uma cápsula fibrosa ao redor, o que tende a manter o silicone no mesmo lugar. Mas, com o passar do tempo, o material pode infiltrar e descer para as pernas”, explica.

Cintra faz outro alerta. Como o produto não é esterilizado, preparado para uso humano, pode causar grandes infecções e necroses – o que mata os tecidos da região onde foi aplicado.

Preço x volume

O que atrai tantos consumidores de silicone industrial, apesar dos riscos, é a possibilidade de triplicar o tamanho dos glúteos a um baixo custo.

Uma cirurgia para colocar uma prótese de silicone no local com um médico especialista em cirurgia plástica credenciado pela SBCP, em um hospital, pode chegar a R$ 30 mil. O tamanho das próteses varia, mas costuma ficar entre 200 ml e 500 ml.

A aplicação de silicone industrial costuma ser realizada na casa da cliente, muitas vezes sem anestesia e qualquer tipo de cuidado sanitário. O preço por litro pode chegar a R$ 500. O volume colocado varia, nas redes sociais algumas mulheres relatam ter colocado até 12 litros.

De acordo com o cirurgião Wilson Cintra, qualquer quantidade de silicone industrial já é perigosa, mas, quanto mais produto é injetado, maior a possibilidade de reação.

“Quanto maior a quantidade, maior o risco porque esta substância baixa a imunidade do corpo e deixa a pessoa suscetível à infecção, necrose e embolia pulmonar”, afirma.

Anvisa alerta sobre o uso do silicone industrial

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) divulgou um comunicado no qual explica que proíbe o uso do silicone industrial em procedimentos estéticos. De acordo com a nota, o silicone industrial não deve nunca ser utilizado no corpo humano e tem como finalidade a limpeza de carros e peças de avião, impermeabilização de azulejos, vedação de vidros, entre outras utilidades. Porém, o desvio de sua correta utilização, servindo como material para cirurgia plástica, por exemplo, é considerado crime e pode causar sérios riscos à saúde.

O comunicado também explica que, para aplicações estéticas, o silicone original é matéria-prima para inúmeros tipos de próteses e implantes, mas nunca na forma líquida. Além disso, as próteses precisam ser aprovadas pela Anvisa e devem ser manipuladas por pessoas especializadas, habilitadas, e em hospitais com a estrutura necessária para atender o paciente da forma mais segura possível.

A orientação da Anvisa é que quem aplicou silicone industrial no próprio corpo procure um médico, mesmo que ainda não tenha sentido qualquer sintoma. "Somente um médico especialista pode avaliar a gravidade de cada caso”, informa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
PF de MS recebe 23 viaturas e recebe 29 novos policiais federais
GERAL
Concursos da PM e CBM possuem novos cronogramas de atividades
COVID-19
MS registra quase 151 mil casos confirmados de coronavírus e 2,7 mil óbitos pela doença
VACINA COVID-19
Vacinas chegam em MS nesta segunda e campanha deve ter início às 16 horas
POLICIAL
Policiais detém dois homens após briga no bairro Aeroporto
EDUCAÇÃO
REME abre Pré-Matrícula Digital para alunos novos; veja calendário
ECONOMIA
Auxílio emergencial: Caixa libera saque para nascidos em agosto
GERAL
Bombeiros atendem solicitação de suposto desaparecimentos de pessoas em fazenda
GERAL
Bombeiros resgatam vaca que caiu em poço artesiano de 8 metros no Assentamento Taquaral
COLISÃO
Batida de carro e moto no Popular Nova deixa motociclista com ferimento graves

Mais Lidas

ENEM
Confira as medidas de segurança durante a prova do Enem