Menu
sexta, 16 de abril de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

Programa que investiu R$ 750 milhões na conclusão de obras é exemplo, diz Migliori

06 fevereiro 2018 - 12h53Assessoria de imprensa

Ao anunciar o fechamento de contrato com as empresas que vão concluir o Aquário do Pantanal, o secretário de Infraestrutura do Governo do Estado, engenheiro Marcelo Miglioli, disse que o Programa Obra Inacabada Zero já investiu mais de R$ 750 milhões na conclusão de 208 estruturas físicas e que “deveria ser um exemplo para todos os governos que têm responsabilidade com a aplicação do dinheiro público”.

“Nós temos que terminar o Aquário, porque se não investirmos R$ 39 milhões que faltam, vamos perder os outros R$ 180 que já foram aplicados na obra”, defendeu Miglioli em entrevista a uma emissora de rádio, em Campo Grande.

O secretário assinalou que o governo precisou resolver uma questão legal importante antes de terminar o Aquário, chegando a um acordo com o Tribunal de Contas do Estado e o Ministério Público para poder contratar empresas sem licitação e investir na conclusão da obra. Agora uma lei precisará ser aprovada pela Assembleia Legislativa autorizando, como já aconteceu no passado, a aplicação de recursos provenientes da compensação ambiental na obra do Aquário.

A meta é entregar em 2018 a estrutura física do Aquário, porque já foi pactuado o preço e o prazo com as empresas. “Vamos fazer engenharia, está tudo bem planejado e acreditamos que vai dar tudo certo”, afirma Miglioli, destacando que terminar obras inacabadas “um legado que demonstra respeito ao dinheiro que não é nosso, mas é da população”. Miglioli diz que a obra que “dá mais prejuízo para o erário é aquela que começa e não termina”.

Zero – Desde que assumiu o governador Reinaldo Azambuja tem se determinado a concluir todas as 215 obras inacabadas deixadas pelos seus antecessores. Até agora já aplicou mais de R$ 750 milhões em pelo menos 208 obras. Dentre as obras ainda não concluídas, duas estão em execução: a pavimentação das rodovias Passo do Curê (MS-178/BR 267) e da MS-382 (centro de Bonito-Gruta do Lago Azul). Os três presídios em construção em Campo Grande aguardam recursos federais para terem sequência, bem como o segundo trecho da MS-382 (Bonito-Serra da Bodoquena).

Os hospitais regionais de Dourados e Três Lagoas tiveram seus projetos refeitos e fazem parte do programa de Governo de Reinaldo Azambuja, dentro do plano de estruturação e regionalização da saúde em Mato Grosso do Sul. Obras de saneamento iniciadas há pelo menos cinco anos, como em Corumbá, foram retomadas em 2015. O Hospital do Trauma, em Campo Grande, iniciado há duas décadas, será concluído e equipado pelo Estado. Também foi concluída a sede da UEMS em Campo Grande, dentre centenas de outras obras espalhadas na Capital e nos municípios.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
SES lança serviço de consulta a resultados de exames da Covid-19 no próprio site
GERAL
Deputada visita Hemonúcleo de Corumbá e constata caos
GERAL
Salão de Beleza em Ladário pega fogo
COVID-19
Corumbá destaca-se em número de altas a pacientes com Covid
GERAL
Cassems realiza Assembleia Geral Ordinária para prestação de contas no dia 22
GERAL
UFGD e Prefeitura de Ladário querem ampliar projetos na Base Baía Nega
ACESSIBILIDADE
Projeto de Lei obriga símbolo do TEA em placas de atendimento prioritário
GERAL
Prazo para preenchimento do PGDI começa nesta quinta-feira
DIREITOS HUMANOS
Agressões contra crianças aumentaram na pandemia, diz especialista
GERAL
Projeto de Lei prevê publicação de lista de espera de procedimentos médicos na internet

Mais Lidas

ATROPELAMENTO
Idoso é atropelado na Porto Carreiro e fica ferido
GERAL
Garagem Lanchonete inaugura filial em Ladário e traz variedades no cardápio
GERAL
Mulher fica ferida após cair da moto no Maria Leite
CRIME AMBIENTAL
Homem que transportaria plantas em extinção para a Bolívia é preso