Menu
sábado, 10 de abril de 2021
Ambiental MS Pantanal - Aegea
Andorinha Fevereiro
Geral

Primeira Vara de Medidas Protetivas do país completa três anos

09 março 2018 - 09h11TJMS

 

Hoje a primeira vara de Medidas Protetivas do país completa três anos de sua criação. A 3ª Vara da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Campo Grande foi inaugurada em 9 de março de 2015.

Desde a instalação a vara funciona na Casa da Mulher Brasileira, permitindo ao juiz que por ela responder a adoção de medidas efetivas para a proteção da mulher vítima de qualquer tipo de violência. 

Naquele ano, o Des. João Maria Lós era o presidente do TJMS e salientou a responsabilidade do juiz Valter Tadeu Carvalho, o primeiro a atuar naquela vara, na repressão desse tipo de violência arraigada na cultura masculina.
 

Vara funciona dentro da Casa da Mulher Brasileira, em Campo Grande. Foto: Divulgação

O Des. Ruy Celso Barbosa Florence, responsável pela Coordenadoria Estadual da Mulher em situação de Violência Doméstica e Familiar em MS, em 2015, apontou que a nova vara foi criada para acolhimento, proteção e dignidade de quem sofre com essa epidemia que é a violência contra a mulher.
 
Disposto a atuar fortemente no combate à violência contra a mulher, o juiz Valter Tadeu Carvalho reconheceu o tamanho de sua responsabilidade por ser o primeiro a responder pela vara e declarou-se disposto a colaborar para que o Poder Judiciário de MS permaneça na posição de vanguarda entre os tribunais brasileiros. 
 
Desde então, a Coordenadoria Estadual da Mulher em situação de Violência Doméstica e Familiar em MS esteve sob o comando do Des. Paschoal Carmello Leandro que, durante sua gestão, promoveu ações que permitiram reflexões acerca do tema e disseminou a cultura da paz. 
 
Na Vara de Medidas Protetivas, além de  Valter Tadeu Carvalho, judicou o juiz Renato Antonio de Liberali. Nos dias atuais, responde por ela e pela Coordenadoria da Mulher a juíza Jacqueline Machado. Importante lembrar que a Coordenadoria está diretamente ligada à Presidência do Tribunal de Justiça, sob o comando do Des. Divoncir Schreiner Maran.
 
Conhecida por seu comprometimento e engajamento, Jacqueline não se intimida e já é considerada pelos homens que passam pelas audiências como “durona”. E o trabalho na vara não é fácil. Somente em 2018, até o dia 5 de março, foram concedidas 463 medidas protetivas, uma foi concedida parcialmente e 11 foram negadas.
 
“Essa Vara representa uma conquista para as mulheres e poder desenvolver um trabalho nela, que atende a mulher no primeiro momento em que a violência ocorre e quando ela está mais fragilizada, é muito gratificante. É ver que seu trabalho realmente faz diferença na vida das pessoas”, contou Jacqueline, questionada sobre como é judicar em vara com tamanha importância. 
 
Números – O juiz que responde pela Vara de Medidas Protetivas, como ficou conhecida a  3ª Vara da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher da Capital, precisa de disposição, pois os números mostram que o enfrentamento à violência contra a mulher é muito grande.
 
Segundo a Coordenadoria de Estatística do TJMS, em 2015 foram concedidas 2.209 medidas, uma foi concedida em parte e 250 foram negadas. Em 2016, o número de medidas concedidas aumentou para 2.860, e em 2017 chegou a 2.990. As concedidas parcialmente somaram 6 em 2016 e baixaram para apenas uma em2017. Quanto as que foram negadas, em 2016 foram 159 contra 145 em 2017.
 
Nesses três anos de funcionamento da vara, foram distribuídos 10.375 processos e outros 4.878 entraram por redistribuição. Do total, apenas 67 foram redistribuídos para outras varas. 
 
Como coordenadora, a juíza Jacqueline sabe que o trabalho é árduo, de difícil execução, já que a cultura machista reinou por muito tempo, mas ela não desiste e já prepara ações combativas para todo o ano de 2018.
 
“Estar como Coordenadora da Mulher em situação de violência doméstica e familiar do Tribunal da Justiça de MS é desafiador, pois é pensar em ações, projetos e em uma política judiciária de enfrentamento à violência contra a mulher, muito diferente de atuar como magistrada, mas igualmente instigante”, concluiu.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza terá início na próxima segunda
MUDANÇA NO CTB
Nova Lei entra em vigor com alterações sobre uso de farol em rodovias
ECONOMIA
Cadastro de imóveis rurais será completamente digitalizado
GERAL
Corumbá recebe primeira remessa de queijos produzidos em assentamento rural
ESPORTE
Botafogo e Volta Redonda enfrentam-se neste sábado à noite
GERAL
CMDCA realiza neste sábado prova de conhecimento específico para Conselheiros Tutelares Suplentes
POLICIAL
PM captura foragido e aborda motociclista sem CNH no Guaicurus
POLICIAL
Casal vai para a delegacia após briga no Popular Nova
POLICIAL
Marido ameaça mulher, quebra objetos da casa e põe culpa em macumba
GERAL
Sorteio da mega-sena pode pagar R$ 27 milhões neste sábado

Mais Lidas

POLICIAL
Homem é acusado de agredir a própria mãe no bairro Vila Guarani
OPERAÇÃO
Operação Ágata Oeste tem resultados expressivos de apreensão de drogas e armas
SAÚDE
Campanha de vacinação contra a gripe começa na segunda
SAÚDE
Corumbá institui Núcleo de Reabilitação Pós Covid com atendimento multidisciplinar