Menu
quarta, 16 de junho de 2021
Andorinha - Maio
Andorinha - Maio
Geral

Presidentes de entidades de classe dizem o que esperam do Governo

13 maio 2016 - 10h39Redação
José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast e vice presidente da Fiesp, salienta que “são urgentes ações para reequilibrar o orçamento e tornar sustentável a trajetória da dívida pública”. Essas medidas, juntamente com o encaminhamento das reformas necessárias, “contribuirão para recuperação da confiança na economia brasileira, redução da taxa de juros e equilíbrio cambial”. Para ele, a retomada da competitividade da economia nacional depende das seguintes medidas: simplificação e redução da carga tributária para o setor produtivo; menor custo de financiamento; investimentos em infraestrutura; pesquisa e desenvolvimento (P&D); e avanço da educação, com consequente aumento na produtividade. “Se começarmos hoje, aproveitando a energia positiva que brota da renovação do governo, o efeito positivo dessas medidas levará algum tempo para ser percebido, pois os resultados de mudanças estruturais profundas não são instantâneos. Seus impactos na economia demoram um tempo para se consolidar e produzir resultados concretos. Mas, precisamos fazer”, afirma Roriz. Levi Ceregato, presidente da Abigraf Nacional, afirma ser premente a retomada do investimento público e privado em infraestrutura produtiva, social e urbana, incluindo o setor de energia, como petróleo, gás e fontes alternativas. Também é importante destravar o setor da construção. “Outra providência urgente é resgatar a competitividade da indústria de transformação, visando ao aumento da produção e das exportações. Nesse contexto, são urgentes políticas de incentivo às cadeias produtivas e voltadas à reindustrialização do Brasil. É necessário trabalhar para equalizar o câmbio, pois o dólar muito baixo limita as exportações e muito alto, encarece muito os insumos importados”. Como exemplo dessa questão cambial, Levi cita a indústria gráfica, que tem pago elevado preço pelo papel importado, devido à elevação do dólar, e enfrenta reajustes muito altos também da matéria-prima nacional. “Entendemos ser urgente, ainda, ampliar o financiamento de capital de giro para as empresas, bem como adotar políticas de fortalecimento do mercado interno para incremento dos níveis de consumo, emprego, renda e direitos sociais. E seguem sendo necessárias reformas estruturais do regime tributário, da previdência e trabalhista”, enfatiza Levi. Rafael Cervone, presidente da ABIT, destaca “a predisposição do presidente em exercício Michel Temer de ouvir os setores produtivos, ao preservar o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Mais do que preservar a Pasta, é importante manter no âmbito de suas atribuições a área de comércio exterior. Isso é necessário para fortalecer a posição da indústria nacional nas discussões de acordos e negociações internacionais, multilaterais e bilaterais”. É preciso considerar que o ministério e suas secretarias e organismos agregados têm longa experiência e conhecimento acumulado em temas muito estratégicos para o País”. Cervone ressalta a importância de cada um dos órgãos do MDIC: “A APEX Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), que desempenha papel significativo, focado na busca de mercados e promoção comercial. Também é importante o trabalho da Secretaria de Comércio Exterior, que tem dentre suas funções a condução e gestão das políticas comerciais. A ABDI (Agência de Desenvolvimento Industrial) desempenha missão significativa no tocante à competitividade e avanço tecnológico. O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) cria fundamentos de regulação, essenciais para a inserção global do Brasil e a celebração de acordos multi e bilaterais. E o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) precisa ser revitalizado e ter sua atuação agilizada, de modo que o registro de marcas e patentes ganhe velocidade compatível com o ritmo da economia mundial”. O presidente da CBL, Luís Antonio Torelli, afirma que “a entidade está atenta a todos os passos para a superação da crise brasileira e continuará a cobrar robustas políticas  para a cultura  e para a educação, em especial para o livro e a leitura”.   Autoria Geraldo Campos

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Autor de atropelamento na Rio Branco é comissionado da Prefeitura de Corumbá
SAÚDE
Corumbá leva vacina contra a Covid-19 para a região do Taquari
POLICIAL
PMA apreende 1.289 kg de droga com adolescente paraguaio
TURISMO
Turismo de MS participa de webinar nesta quarta-feira e se aproxima do mercado irlandês
PROTESTO
Ciclistas fazem protesto após morte de empresária na Rio Branco
ECONOMIA
Trabalhadores nascidos em novembro podem sacar auxílio emergencial
SAÚDE
Anvisa autoriza importação excepcional da vacina Sputnik V
CIDADE
Na busca pelo equilíbrio e razoabilidade, Prefeitura autoriza funcionamento do comércio
CORONAVÍRUS
Com 25 mil casos em 15 dias, junho pode bater recorde de infectados por covid em MS
GERAL
Homem sofre queda de telhado e fica ferido

Mais Lidas

GERAL
Donos de pizzaria em Corumbá investem em dark kitchen do Divino Fogão
GERAL
BR 262: Sem acostamento caminhão tomba saindo da estrada
LUTO
Professor de tênis Orlando Papa morre vítima da Covid-19
EDUCAÇÃO
Segue aberto período de inscrições para cursos do Pronatec/MS