Menu
quinta, 23 de maio de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Presidentes de entidades de classe dizem o que esperam do Governo

13 maio 2016 - 10h39Redação
José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast e vice presidente da Fiesp, salienta que “são urgentes ações para reequilibrar o orçamento e tornar sustentável a trajetória da dívida pública”. Essas medidas, juntamente com o encaminhamento das reformas necessárias, “contribuirão para recuperação da confiança na economia brasileira, redução da taxa de juros e equilíbrio cambial”. Para ele, a retomada da competitividade da economia nacional depende das seguintes medidas: simplificação e redução da carga tributária para o setor produtivo; menor custo de financiamento; investimentos em infraestrutura; pesquisa e desenvolvimento (P&D); e avanço da educação, com consequente aumento na produtividade. “Se começarmos hoje, aproveitando a energia positiva que brota da renovação do governo, o efeito positivo dessas medidas levará algum tempo para ser percebido, pois os resultados de mudanças estruturais profundas não são instantâneos. Seus impactos na economia demoram um tempo para se consolidar e produzir resultados concretos. Mas, precisamos fazer”, afirma Roriz. Levi Ceregato, presidente da Abigraf Nacional, afirma ser premente a retomada do investimento público e privado em infraestrutura produtiva, social e urbana, incluindo o setor de energia, como petróleo, gás e fontes alternativas. Também é importante destravar o setor da construção. “Outra providência urgente é resgatar a competitividade da indústria de transformação, visando ao aumento da produção e das exportações. Nesse contexto, são urgentes políticas de incentivo às cadeias produtivas e voltadas à reindustrialização do Brasil. É necessário trabalhar para equalizar o câmbio, pois o dólar muito baixo limita as exportações e muito alto, encarece muito os insumos importados”. Como exemplo dessa questão cambial, Levi cita a indústria gráfica, que tem pago elevado preço pelo papel importado, devido à elevação do dólar, e enfrenta reajustes muito altos também da matéria-prima nacional. “Entendemos ser urgente, ainda, ampliar o financiamento de capital de giro para as empresas, bem como adotar políticas de fortalecimento do mercado interno para incremento dos níveis de consumo, emprego, renda e direitos sociais. E seguem sendo necessárias reformas estruturais do regime tributário, da previdência e trabalhista”, enfatiza Levi. Rafael Cervone, presidente da ABIT, destaca “a predisposição do presidente em exercício Michel Temer de ouvir os setores produtivos, ao preservar o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Mais do que preservar a Pasta, é importante manter no âmbito de suas atribuições a área de comércio exterior. Isso é necessário para fortalecer a posição da indústria nacional nas discussões de acordos e negociações internacionais, multilaterais e bilaterais”. É preciso considerar que o ministério e suas secretarias e organismos agregados têm longa experiência e conhecimento acumulado em temas muito estratégicos para o País”. Cervone ressalta a importância de cada um dos órgãos do MDIC: “A APEX Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), que desempenha papel significativo, focado na busca de mercados e promoção comercial. Também é importante o trabalho da Secretaria de Comércio Exterior, que tem dentre suas funções a condução e gestão das políticas comerciais. A ABDI (Agência de Desenvolvimento Industrial) desempenha missão significativa no tocante à competitividade e avanço tecnológico. O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) cria fundamentos de regulação, essenciais para a inserção global do Brasil e a celebração de acordos multi e bilaterais. E o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) precisa ser revitalizado e ter sua atuação agilizada, de modo que o registro de marcas e patentes ganhe velocidade compatível com o ritmo da economia mundial”. O presidente da CBL, Luís Antonio Torelli, afirma que “a entidade está atenta a todos os passos para a superação da crise brasileira e continuará a cobrar robustas políticas  para a cultura  e para a educação, em especial para o livro e a leitura”.   Autoria Geraldo Campos

Deixe seu Comentário

Leia Também

Fiscalização
Ação conjunta apreende 4 toneladas de mercadorias em Corumbá
Esporte
Com trinta equipes, 1ª Copinha do Futuro de Futsal tem primeiro jogo nesta quarta-feira
Oportunidade
IHP abre vagas para jovens aprendizes com idades entre 16 e 20 anos
Afroturismo
Corumbá participa pelo segundo ano consecutivo do projeto Caminhadas Negras
Meio Ambiente
Show com Seu Jorge e Daniel Jobim vai arrecadar recursos para o Pantanal
Economia
Começa amanhã consulta a maior lote de restituição do IR da história
Economia
Quase 50 mil pessoas buscam negociar dívidas em MS
Saúde
Projeto que institui vacinação nas escolas vai à sanção presidencial
Na Zona Rural
Vereador quer equipes da Assistência Social, atendendo assentamentos de Corumbá
Segurança
Táxis de Corumbá tem até 21 de junho para implantar QR Code de identificação

Mais Lidas

Agenda Cultural
Evento de som automotivo arrecada doações para RS e Instituto Novo Olhar
Na Câmara
Projeto de Lei Municipal torna laudos de TEA permanentes
Segurança
Denúncia de moradora recupera moto furtada no bairro Vila Mamona
Gaeco
Operação apura desvio de R$ 6 milhões e 1.200 saques para driblar fiscalização no Futebol