Menu
quarta, 04 de agosto de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Expresso Mato Grosso - Maio
Geral

Postos de combustíveis de MS desrespeitam Ministério do Trabalho e não pagam reajuste

04 maio 2018 - 09h46Kamilla Marques

Donos de postos de combustíveis de Mato Grosso do Sul, representados pelo seu sindicato, o Sinpetro/MS, desrespeitaram ontem o Ministério do Trabalho e Emprego, que tentou intermediar uma negociação com os trabalhadores para fechar a Convenção Coletiva de Trabalho 2018/19, que já deveria estar em vigor desde 1º de março. Os empresários não compareceram na audiência marcada pelo MTE às 9h30 e sequer deram satisfação ao órgão, critica o Sinpospetro/MS (sindicato laboral).

“Além de desrespeitar o órgão público federal, os donos de postos do Estado desrespeitam também os trabalhadores dos mais de 500 postos de combustíveis espalhados por todo Estado. Desrespeitam também suas famílias”, criticou José Hélio da Silva, presidente do Sindicato dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Mato Grosso do Sul (Sinpospetro).

Os empresários, segundo José Hélio, se recusam sequer a repassar o percentual referente às perdas para a inflação no acumulado dos 12 meses que antecedem a data base. “Sabemos que os postos de combustíveis têm recebido grandes faturamentos porque o consumo não cai. Pelo contrário, cresce a cada dia não só em Mato Grosso do Sul, mas em todo o Brasil”, informa José Hélio. Ele explica que na página da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás natural e Biocombustíveis) estão todos os dados do grande volume de combustíveis vendidos pelos postos de MS, inclusive os valores de compra das distribuidoras.

O Sinpospetro considera um desrespeito dos empresários donos de postos de combustíveis de MS, não reconhecer financeiramente o trabalho de seus empregados, que são grandes responsáveis pelos faturamentos das empresas. O presidente do Sindicato dos Empregados em Postos de Combustíveis de Dourados e Região, Gilson da Silva Sá também criticou a postura dos donos de postos e disse que essa política egoísta, de ganhar sem repartir, precisa acabar no Brasil para que as famílias tenham mais qualidade de vida. Ele também reforçou que os números da ANP derrubam qualquer argumento de empresário que alegue prejuízo com a venda de combustível em qualquer região do Estado.

José Hélio da Silva disse que já acionou a assessoria jurídica do Sinpospetro/MS para decidir as providências que serão tomadas pela entidade diante da recusa dos empresários de sentar e discutir as reivindicações dos trabalhadores para fechamento da CCT 2018/19.   

Deixe seu Comentário

Leia Também

Vereador
Luciano Costa solicita psicólogos e assistentes sociais nas escolas municipais
Campanha
Dia 13 tem sessão solene em homenagem ao Agosto Lilás na Câmara
Respeito
Vereador propõe instituir Dia em Memória das Vítimas da Covid-19
Geral
MS supera meta na campanha de vacinação contra febre aftosa
Último dia
Contribuintes têm até hoje para aderir ao REFIS; CAC funciona até às 13h30
Oportunidade
Inscrições para graduação do IFMS terminam nesta terça (3)
Retomada MS
Edital de R$ 5,3 milhões é publicado em apoio a Cultura de MS
Destaque
PL prevê criação de 'parklets' para ampliar oferta de espaços públicos na cidade
Doença
Primeiro caso de Fungo Negro em MS é confirmado na Capital
Emergência
Criança indígena é resgatada em aeronave na região do Porto Índio

Mais Lidas

Acidente
Motociclista sofre fratura na perna após colidir com carro
Doença
Primeiro caso de Fungo Negro em MS é confirmado na Capital
Boletim
54 cidades de MS têm taxa de letalidade da Covid abaixo do índice nacional
Vereador
Luciano Costa solicita psicólogos e assistentes sociais nas escolas municipais