Menu
quinta, 22 de fevereiro de 2024
Governo - Fazer Bem Feiro - Fevereiro 2024
Governo - Fazer Bem Feiro - Fevereiro 2024
Geral

Postos de combustíveis de MS desrespeitam Ministério do Trabalho e não pagam reajuste

04 maio 2018 - 09h46Kamilla Marques

Donos de postos de combustíveis de Mato Grosso do Sul, representados pelo seu sindicato, o Sinpetro/MS, desrespeitaram ontem o Ministério do Trabalho e Emprego, que tentou intermediar uma negociação com os trabalhadores para fechar a Convenção Coletiva de Trabalho 2018/19, que já deveria estar em vigor desde 1º de março. Os empresários não compareceram na audiência marcada pelo MTE às 9h30 e sequer deram satisfação ao órgão, critica o Sinpospetro/MS (sindicato laboral).

“Além de desrespeitar o órgão público federal, os donos de postos do Estado desrespeitam também os trabalhadores dos mais de 500 postos de combustíveis espalhados por todo Estado. Desrespeitam também suas famílias”, criticou José Hélio da Silva, presidente do Sindicato dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Mato Grosso do Sul (Sinpospetro).

Os empresários, segundo José Hélio, se recusam sequer a repassar o percentual referente às perdas para a inflação no acumulado dos 12 meses que antecedem a data base. “Sabemos que os postos de combustíveis têm recebido grandes faturamentos porque o consumo não cai. Pelo contrário, cresce a cada dia não só em Mato Grosso do Sul, mas em todo o Brasil”, informa José Hélio. Ele explica que na página da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás natural e Biocombustíveis) estão todos os dados do grande volume de combustíveis vendidos pelos postos de MS, inclusive os valores de compra das distribuidoras.

O Sinpospetro considera um desrespeito dos empresários donos de postos de combustíveis de MS, não reconhecer financeiramente o trabalho de seus empregados, que são grandes responsáveis pelos faturamentos das empresas. O presidente do Sindicato dos Empregados em Postos de Combustíveis de Dourados e Região, Gilson da Silva Sá também criticou a postura dos donos de postos e disse que essa política egoísta, de ganhar sem repartir, precisa acabar no Brasil para que as famílias tenham mais qualidade de vida. Ele também reforçou que os números da ANP derrubam qualquer argumento de empresário que alegue prejuízo com a venda de combustível em qualquer região do Estado.

José Hélio da Silva disse que já acionou a assessoria jurídica do Sinpospetro/MS para decidir as providências que serão tomadas pela entidade diante da recusa dos empresários de sentar e discutir as reivindicações dos trabalhadores para fechamento da CCT 2018/19.   

Deixe seu Comentário

Leia Também

Seminário
Combate à incêndios em MS será aliado a mudança da prática do uso do fogo
Imunização
Corumbá e Ladário aguardam chegada da vacina contra dengue nesta quinta-feira
Tempo
Quinta-feira tem tempo instável e maior probabilidade de chuva dos últimos dias
Corumbá tem 25°C pela manhã e 34°C à tarde
Você viu?
Bailarinos de Corumbá se apresentaram no palco do Caldeirão com Mion
Destaque
Curso de gastronomia qualifica guias e piloteiros das regiões de Albuquerque e Porto Morrinho
Destaque
Alunos do Geração Olímpica conquistam 3 ouros, 1 prata e 8 bronzes no Estadual de Judô
Na Câmara
Anatel e Procon são acionados para fiscalizar serviços de empresas de internet na cidade
Na Câmara
Projeto de Lei obriga remoção de cabos e fiação excedente e inutilizados na cidade
Petição
Paulo Duarte pede cumprimento imediato de cassação para assumir cadeira na Alems
Incentivo
Academia de Jiu Jitsu mobiliza doações para participação de 25 atletas em campeonato

Mais Lidas

Últimas 24h
Bombeiros atendem acidente de trânsito, resgate de cadáver e incêndio em creche
Plantão
Pessoa é encontrada morta em casa do Popular Velha
Turismo
Anhuma, no Pantanal de Albuquerque: refúgio dos amantes da pesca e natureza
Você viu?
Bailarinos de Corumbá se apresentaram no palco do Caldeirão com Mion