Menu
sábado, 10 de abril de 2021
Ambiental MS Pantanal - Aegea
Andorinha Fevereiro
Geral

Polícia prende em MS 4ª suspeita de envolvimento em tortura de menino

01 março 2016 - 15h05G1
Avó adotiva do menino de 4 anos torturado em rituais de magia negra em Campo Grande foi presa nesta manhã de terça-feira (1º) por policiais civis em Aquidauana. A informação foi confirmada ao G1 pelo delegado Antônio Souza Ribas Junior, responsável pela 1ª Delegacia de Polícia Civil do município. "Ela estava na casa dela e não ofereceu resistência. Quando foi informada do mandado de prisão, se entregou", afirmou Ribas. A mulher de 60 anos é mãe da suspeita presa e prestou depoimento no começo das investigações. Ela negou que soubesse das agressões e tortura durante rituais de magia negra, segundo Paulo Sérgio Lauretto, titular da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca). Ainda conforme o delegado Ribas, policiais da Depca estão no município para transferir a mulher para Campo Grande.   Tios-avós O tio-avô, de 46 anos, e a esposa dele, de 31 anos, que tinham a guarda judicial do menino desde maio de 2015, estão presos e confessaram o crime, alegando que agiam sob influência de uma entidade espiritual. Eles também afirmaram que agrediam a criança em situações fora dos rituais de magia negra. Os nomes dos tios-avós não serão divulgados nesta reportagem para garantir os direitos de proteção da criança. O terceiro suspeito é um jovem de 18 anos, sobrinho do casal e primo da vítima. Ele também foi preso em Aquidauana e disse à polícia que assistia às agressões contra o menino.   Alta médica O menino deve receber alta até o próximo domingo (6), segundo informou ao G1, a assessoria de imprensa da Santa Casa de Campo Grande. Após a alta médica, ele voltará para uma instituição de acolhimento, de acordo com a conselheira tutelar Cassandra Szuberski. A criança foi internada no hospital no dia 23 de fevereiro, com diversos ferimentos, entre queimaduras no rosto, fratura em um dos braços, ferimentos nos olhos e saco escrotal.   Investigação Além dos três presos, foram ouvidos a avó materna adotiva - mãe da suspeita -, as duas filhas biológicas do casal suspeito e a vítima. As filhas do casal afirmaram para a polícia que o menino era "super apegado"com a suspeita, mãe delas. Lauretto disse que o menino "estava muito traumatizado, assustado e sob efeito de medicamento" quando foi ouvido por psicólogos no hospital, por isso, não foi considerado depoimento.    

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Alta taxa de letalidade preocupa as autoridades sanitárias do MS
GERAL
Governo detalha ações de combate a incêndios florestais para 2021
OPERAÇÃO
Operação Ágata Oeste tem resultados expressivos de apreensão de drogas e armas
GERAL
Vereador solicita direcionamento de emenda parlamentar para aquisição de Castramóvel
GERAL
Rede Voluntária Vale apoia campanhas de combate à fome
EDUCAÇÃO
Prazo de inscrições para o Sisu termina nesta sexta-feira
EDUCAÇÃO
UEMS oferta 78 bolsas no valor de R$ 400 para Projetos de Ensino
GERAL
Servidora estadual vítima de violência sexual ou doméstica terá prioridade na remoção
GERAL
Empresas se unem para doar 3,4 milhões de medicamentos para intubação para o Brasil
Ação solidária emergencial já começou a importar insumos da China para fazer frente ao aumento de pacientes com Covid-19
POLICIAL
Homem é acusado de agredir a própria mãe no bairro Vila Guarani

Mais Lidas

POLICIAL
Homem é acusado de agredir a própria mãe no bairro Vila Guarani
OPERAÇÃO
Operação Ágata Oeste tem resultados expressivos de apreensão de drogas e armas
SAÚDE
Campanha de vacinação contra a gripe começa na segunda
SAÚDE
Corumbá institui Núcleo de Reabilitação Pós Covid com atendimento multidisciplinar