Menu
domingo, 26 de maio de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Polícia prende em MS 4ª suspeita de envolvimento em tortura de menino

01 março 2016 - 15h05G1
Avó adotiva do menino de 4 anos torturado em rituais de magia negra em Campo Grande foi presa nesta manhã de terça-feira (1º) por policiais civis em Aquidauana. A informação foi confirmada ao G1 pelo delegado Antônio Souza Ribas Junior, responsável pela 1ª Delegacia de Polícia Civil do município. "Ela estava na casa dela e não ofereceu resistência. Quando foi informada do mandado de prisão, se entregou", afirmou Ribas. A mulher de 60 anos é mãe da suspeita presa e prestou depoimento no começo das investigações. Ela negou que soubesse das agressões e tortura durante rituais de magia negra, segundo Paulo Sérgio Lauretto, titular da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca). Ainda conforme o delegado Ribas, policiais da Depca estão no município para transferir a mulher para Campo Grande.   Tios-avós O tio-avô, de 46 anos, e a esposa dele, de 31 anos, que tinham a guarda judicial do menino desde maio de 2015, estão presos e confessaram o crime, alegando que agiam sob influência de uma entidade espiritual. Eles também afirmaram que agrediam a criança em situações fora dos rituais de magia negra. Os nomes dos tios-avós não serão divulgados nesta reportagem para garantir os direitos de proteção da criança. O terceiro suspeito é um jovem de 18 anos, sobrinho do casal e primo da vítima. Ele também foi preso em Aquidauana e disse à polícia que assistia às agressões contra o menino.   Alta médica O menino deve receber alta até o próximo domingo (6), segundo informou ao G1, a assessoria de imprensa da Santa Casa de Campo Grande. Após a alta médica, ele voltará para uma instituição de acolhimento, de acordo com a conselheira tutelar Cassandra Szuberski. A criança foi internada no hospital no dia 23 de fevereiro, com diversos ferimentos, entre queimaduras no rosto, fratura em um dos braços, ferimentos nos olhos e saco escrotal.   Investigação Além dos três presos, foram ouvidos a avó materna adotiva - mãe da suspeita -, as duas filhas biológicas do casal suspeito e a vítima. As filhas do casal afirmaram para a polícia que o menino era "super apegado"com a suspeita, mãe delas. Lauretto disse que o menino "estava muito traumatizado, assustado e sob efeito de medicamento" quando foi ouvido por psicólogos no hospital, por isso, não foi considerado depoimento.    

Deixe seu Comentário

Leia Também

Meio Ambiente
Relatório da ONU sobre o clima responsabiliza a humanidade por aumento de fenômenos extremos
Facilidade
Mais de R$ 1,8 milhão em taxas judiciárias já foram pagos via Pix
Variedades
Cassinos Online: Sorte e estratégia na era digital
Reitoria
Colégio Eleitoral da UFMS mantém Camila Ítavo em primeiro lugar na lista tríplice
Meio Ambiente
Juiz mantém proibido o desmate no Parque dos Poderes
Crime
Na delegacia, assassino "confesso" diz que conheceu corretora em aplicativo
Educação
UEMS e Fundect investem R$ 4 mi para fortalecer ensino superior em Mato Grosso do Sul
Em Maracaju
Estudantes do IFMS levam tecnologia a maior evento agro do Estado
Destaque
Dia da Indústria: Longen destaca força do setor industrial de Mato Grosso do Sul
Extrema magreza
Polícia resgata cães em situação de maus-tratos no Popular Nova

Mais Lidas

Tráfico de Drogas
Boliviana é presa com 12,7 kg de cocaína em botijão de gás transportado dentro de mala
Soldado Cidadão
Projeto da Marinha vai oferecer formação de condutores para recrutas em Ladário
Interdição
Ponte sobre o rio Paraguai fecha às 17 horas deste sábado; interdição deve durar 19 horas
Investigação
Polícia Civil prende homem acusado por furto de joias e celulares na cidade