Menu
sábado, 24 de julho de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Expresso Mato Grosso - Promoção de Junho
Geral

Polícia Federal desarticula Organização Criminosa voltada à entrada irregular de estrangeiros

20 novembro 2018 - 13h29Assessoria de imprensa PF

A Polícia Federal no Mato Grosso do Sul deflagrou, nesta manhã de terça-feira,20, durante operação denominada Carone, por meio da qual foi desarticulado um esquema criminoso que ocorria no posto de controle migratório (Posto Esdras) em Corumbá/MS. A ação delituosa foi estabelecida por “empresas de turismo” que vendiam um “pacote” aos estrangeiros que desejavam entrar no País cobrando, além do transporte até São Paulo, taxas para não precisar passar pela fiscalização imigratória.

O estratagema criminoso era composto por despachantes das “empresas de turismo”, contudo tinha a participação de um Policial Federal, um servidor Administrativo e um contratado da Polícia Federal, os quais facilitavam a entrada irregular dos estrangeiros. Os valores cobrados diferiam por migrantes, sendo que, inclusive, estrangeiros com impedimento ou com multa vigente tinham seus registros adulterados, de forma a permitir o ingresso em território nacional.

A prática criminosa consistia no desvio de documentos de imigração (conhecidos como “tarjetas”), os quais eram entregues aos despachantes que vendiam no “pacote” aos estrangeiros que desejavam entrar irregularmente no País. Após essa fase, os documentos eram inseridos nos sistemas de controle, burlando totalmente as regras estabelecidas, permitindo com que indivíduos ingressassem sem qualquer tipo de fiscalização. Migrantes com impedimentos ou multas tinham seus dados alterados para permitir o acesso ao território nacional.

Estão sendo cumpridos 05 (cinco) Mandados de Prisão Preventiva e 06 (seis) Mandados de Busca e Apreensão, por cerca de 30 (trinta) Policiais Federais. A Operação foi batizada de Caronte, pois esse personagem mitológico era um barqueiro que somente atravessava as pessoas para outro plano mediante o pagamento de uma moeda, em alusão à corrupção praticada para permitir acesso ao território nacional.

Delegacia de Polícia Federal em Corumbá/MS – Praça da República, 51 - Centro, Corumbá - MS, – (67) 3234-7800

Importante informar aos estrangeiros que desejam ingressar no País que os mesmos não devem pagar quaisquer quantias a servidores ou despachantes para os procedimentos de imigração.

Qualquer tipo de conhecimento da população acerca da prática de crimes de corrupção, como este, bem como de tráfico de drogas, crime eleitoral, trabalho escravo, tráfico de armas, pornografia infantil, terrorismo e crime ambiental poderá ser denunciado à Polícia Federal através dos contatos: (67) 3234-7800, (67) 99131-9355 (whatsapp) e e-mail:

[email protected], mantendo-se em anonimato a informação.Será concedida Coletiva à imprensa, às 10h, na Delegacia da Polícia Federal em Corumbá/MS, com maiores detalhes da operação.

 

 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Seguiriam para Bolívia
Dois veículos que seriam atravessados para Bolívia são recuperados
Mais tempo
Exame toxicológico na emissão de CNH tem prazo ampliado para utilização do laudo
Empreendedorismo
Cinco erros que o empresário deve evitar no Marketing e Vendas
Imunização
Sábado tem vacinação contra Covid até 12h no drive do Poliesportivo
Investigaçã
Famosos em MS, grupos de venda estão 'recheados' de produtos roubados
Saúde
Anvisa suspende estudos clínicos da Covaxin no Brasil
Sorte
Mega-Sena pode pagar R$ 7 milhões no sorteio deste sábado
Cidade Tranquila
Operação conjunta combate crimes fronteiriços em Corumbá e Ladário
Tempo
Ar seco e quente pode marcar o sábado em Mato Grosso do Sul
Acidente
Motociclista fratura clavícula após perder controle em lombada

Mais Lidas

Sem contrato
Santa Casa de Corumbá perde serviço de Urologia
Investigação
Caso Maria Stella Coimbra: jovem teria fotografado documento do suposto estuprador
Acidente
Motociclista fratura clavícula após perder controle em lombada
Município
Decreto prorroga por mais 14 dias medidas para diminuir contaminação pela Covid-19