Menu
terça, 21 de maio de 2024
Câmara de Corumbá - Maio Amarelo 2024
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Polícia cerca lixão da Capital e catadores prometem protestos

29 fevereiro 2016 - 13h34Correio do Estado
Terminou ontem (28) o prazo para o fechamento do aterro sanitário de Campo Grande, localizado no bairro Dom Antônio Barbosa. Nesta segunda-feira, representantes dos catadores que estão impedidos de entrar no lixão esperam reunião com o prefeito Alcides Bernal (PP) e reforço policial está de prontidão para acompanhar protestos e impedir a entrada dos trabalhadores no espaço. Diferente do esperado quando a decisão do juiz Marcelo Ivo de Oliveira, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos saiu, no dia 19 deste mês, ontem não houve protestos ou movimentação de catadores. Atendendo a solicitação da Justiça, viaturas da Polícia Militar, da Guarda Municipal e até da Polícia Rodoviária Federal (PRF) estão na região do aterro, no entanto, não há movimentação de catadores. A reportagem apurou que comissão dos profissionais está na prefeitura para reunião com o prefeito Bernal, que na semana passada prometeu aos catadores tentar resolver a situação. Enquanto a comissão espera a reunião, moradores da comunidade Cidade de Deus, onde vive a maioria dos catadores, já se movimenta para protestos caso o encontro com o prefeito não seja favorável a eles.   A decisão Na última quinta-feira (25), o juiz Marcelo Ivo de Oliveira, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande reforçou o pedido para que a Polícia Militar acompanhe o fechamento do aterro neste domingo (28). A decisão está relacionada a uma ação civil pública que tramita no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) desde 2012, ano em que o lixão de Campo Grande foi fechado, na gestão Nelson Trad Filho (PMDB). Na época, houve decisão judicial para que os catadores pudessem voltar a trabalhar no lixão. A promessa da prefeitura era que os catadores fossem transferidos para a Unidade de Tratamento de Resíduos (UTR), mas a obra só foi concluída e inaugurada em agosto do ano passado, com atraso de 8 anos. Durante todo esse processo, os trabalhadores permaneceram catando recicláveis em área chamada de transição, criada pela própria concessionária para retirar os catadores das montanhas de lixo. Para o juiz não há mais motivo para que os trabalhadores tenham acesso ao aterro sanitário porque a obra da UTR está concluída. O magistrado também afirma que se houver descumprimento, o sindicato dos catadores deverá arcar com multa diária de R$ 10 mil. “Fica deferido, se necessário, o reforço policial para cumprimento desta medida”, afirmou o juiz.   Outros Problemas Na UTR, que funciona por meio de cooperativas, os catadores acabam recebendo menos quando comparado ao trabalho que realizam no lixão. Outra questão que preocupa os catadores é a capacidade da UTR. A concessionária responsável por finalizar a obra, a CG Solurb, afirmou na época que a unidade tinha capacidade para 414 catadores, ou seja, somando com os 450 que trabalham hoje no lixão, a unidade teria superlotação.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Agenda Cultural
Evento de som automotivo arrecada doações para RS e Instituto Novo Olhar
Destaque
Músico sul-mato-grossense é selecionado para intercâmbio na Orquestra Sinfônica Brasileira
Em pauta
Piso salarial e jornada de trabalho dos profissionais da enfermagem são discutidos na Câmara
Desdobramentos
Presidente da Federação é preso após quase 28 anos no comando do futebol em MS
Educação
Apresentações culturais e palestra marcam abertura da Semana do Brincar em Corumbá
Desdobramentos
Sobe para 161 número de mortes por chuvas no Rio Grande do Sul
Desdobramentos
Fornecedora de uniforme de times de MS está entre alvos em operação do Gaeco
Centro da Cidade
Vereador pede providências para recuperação da iluminação do Jardim da Independência
Gaeco
Operação apura desvio de R$ 6 milhões e 1.200 saques para driblar fiscalização no Futebol
Investigação
Padre de MS é denunciado por relacionar bruxaria e satanismo à tragédia no RS

Mais Lidas

Ia para São Paulo
Passageiro é preso no aeroporto de Corumbá com 125 cápsulas de cocaína no estômago
Manifestação
Setor de transporte protesta por falta de combustível e ameaça fechar a fronteira
Assistência Social
Caixa paga Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 2
Oportunidade
MS abre semana com 4,1 mil vagas de emprego em diferentes setores