Menu
terça, 11 de maio de 2021
Andorinha - Maio
Andorinha - Maio
Geral

Para Longen, últimas ações do Planalto afastam investimentos do País

17 março 2016 - 13h24Assessoria
A nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o cargo de ministro-chefe da Casa Civil e a divulgação da gravação da ligação telefônica entre a presidente da República Dilma Rousseff e Lula pelo juiz federal Sérgio Moro agravam ainda mais a situação econômica nacional, segundo avaliação do presidente da Fiems, Sérgio Longen. “Esses últimos fatos trazem uma preocupação ainda maior para o setor industrial brasileiro, que já representou 30% do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil e hoje ocupa menos de 8%. Os investimentos para o País não estão chegando mais e, com certeza, não vão chegar enquanto o Planalto continuar manipulando suas ações. Como é que nós vamos vender confiança para os outros países ou para os fundos de investimentos com atitudes como essas que todos nós brasileiros podemos presenciar, ouvir e se indignar?”, questionou o presidente da Fiems. Como parte da indignação do setor industrial com essas últimas ações do Planalto, desde a noite de quarta-feira (17/03) o painel eletrônico do Edifício Casa da Indústria, em Campo Grande (MS), traz uma bandeira do Brasil com uma tarja preta para demonstrar o luto dos empresários sul-mato-grossenses. Além disso, desde o dia 1º de março, a Fiems, Fecomércio-MS, Faems, Famasul e OAB/MS estão com a campanha “Acorda MS – Chega de Impostos” para mobilizar a sociedade contra o retorno da CPMF e também para reduzir os demais tributos criados pelo Governo para tentar equilibrar o orçamento ao invés de promover cortes nas próprias despesas. Para Sérgio Longen, o Acorda MS nada mais é do que um basta à criação de novos impostos e para demonstrar que o setor produtivo está com a corda no pescoço. “É nessa linha que nós estamos trabalhando, mostrando para os governos estadual e municipal que nós precisamos rever essa prática usual que os governantes têm de transferir para a sociedade os descontroles das contas públicas. O aumento de receita se dá via ações de desenvolvimento e não no aumento de alíquotas e contribuições. O Brasil passa por uma situação muito difícil em termos de produção e também política, a soma disso vem fazendo com que tenhamos essa dificuldade econômica de crescimento, então perdemos em competitividade”, falou.      

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLICIAL
PRF apreende mais de 7 toneladas de maconha em MS
POLICIAL
PF realiza prisão por tráfico interestadual de drogas e apreende 200 kg de maconha
EDUCAÇÃO
IFMS investe no aprimoramento de atividades não presenciais
MEIO AMBIENTE
Parque Municipal de Piraputangas recebe observação de aves
HOMENAGEM
Câmara homenageia OAB de Corumbá pelo seu 63º aniversário de fundação
CIDADANIA
Abertas as inscrições para a 2ª edição do programa Juventude Empreendedora
GERAL
Após recomendação da Anvisa, Estados e prefeituras mudam vacinação de grávidas
GERAL
CPI da Covid questiona presidente da Anvisa sobre vacinas nesta terça
ECONOMIA
Produtividade cai 2,5% no primeiro trimestre de 2021, aponta pesquisa da CNI
GERAL
Maio da Diversidade LGBT+ terá mais de 100 ações do Governo MS

Mais Lidas

POLICIAL
PM encerra festa clandestina em casa abandonada e prende foragido da justiça
POLICIAL
Homem é preso por infração de medida sanitária e desobediência
POLICIAL
Casal é preso após briga no bairro Dom Bosco
POLICIAL
PRF recupera veículo e liberta homem que estava mantido em cárcere privado