Menu
quarta, 27 de outubro de 2021
Cassems - Melhores e Maiores - Edição 2021
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Papel tem reajuste de 24%, mas indústria gráfica de MS opta por absorver aumento

29 fevereiro 2016 - 12h10Redação
O preço do papel, principal insumo da indústria gráfica, teve um reajuste de 24% neste mês de fevereiro, mas o consumidor final sul-mato-grossense pode ficar tranquilo, pois as empresas do segmento no Estado decidiram absorver o aumento para evitar retração ainda maior nas vendas. A informação é do presidente do Sindigraf/MS (Sindicato das Indústrias Gráficas de Mato Grosso do Sul), Julião Gaúna, completando que, no ano passado, essa matéria-prima já registrou uma alta de 12%. “Com uma administração mais enxuta nós acreditamos que é possível atravessar esse momento que o Brasil está passando. Isso se deve muito mais pela gestão pública federal do que por conta da questão econômica. Assim, nós devemos buscar todas as alternativas de mercado para vencer essa guerra”, declarou.  Ainda de acordo com o empresário, o aumento de 24% com certeza teria impacto nos preços dos livros, cadernos, papel sulfite, entre outros produtos. “Com o reajuste, os principais prejudicados seriam os consumidores e a sociedade, pois o impacto seria direto nos preços de itens fundamentais, como livros, revistas e embalagens de papel-cartão, amplamente utilizadas em medicamentos e alimentos. Porém, pelo menos nos produtos fabricados no Estado, essa majoração não será repassada, amenizando um pouco para o consumidor final”, observou. No entanto, o presidente do Sindigraf/MS acrescenta que, assim, torna-se demasiadamente oneroso o custo produtivo da indústria gráfica em um momento de recessão econômica e retração dos mercados. “Precisamos considerar que o Governo Federal mantém o imposto de importação e que o dólar elevado dificulta as compras externas do insumo. Nesse contexto, as gráficas ficam sem muitas alternativas para buscar matéria-prima a preços capazes de impedir o reajuste dos impressos, em prejuízo da sociedade”, concluiu. Julião Gaúna, que também preside a Abigraf/MS e o Conselho Diretivo da Abigraf Nacional, reforça que a entidade já encaminhouaos fabricantes nacionais de papel e distribuidores de matéria-prima um ofício para demonstrar a insatisfação com o aumento médio de 24% no preço do papel e solicitar uma reavaliação do reajuste proposto. “Nossas indústrias vêm enfrentando situações de extrema dificuldade e não possuem condições de assimilar um aumento de custos dessa monta, especialmente, porque, no atual cenário, é impossível repassá-los aos nossos clientes”, afirmou. Ele recorda que as indústrias gráficas já fecharam 2015 com números negativos e, muitas delas, chegaram a encerrar as atividades, contabilizando um déficit nos postos de trabalho. “Esses números estão dificultando a manutenção das empresas em 2016 e o aumento do preço do papel vai comprometer ainda mais nossas empresas”, enfatizou.      

Deixe seu Comentário

Leia Também

Formalização
Corumbá lança campanha de incentivo ao cadastro de profissionais do setor de turismo
Apelo Popular
MPT-MS vai investigar assédio moral de gerente que humilha funcionário em Carrefour da Capital
Justiça
Após 18 horas, 7 membros do PCC são condenados a 105 anos por decapitar jovem em Campo Grande
Operação Hot Point
Idoso é preso e multado em R$ 2 mil por pesca proibida no Rio Formoso
Qualificação
Senac Corumbá abre inscrições para cursos nas áreas da informática, saúde e beleza
Acidente
Motociclista sofre ferimentos em colisão com carro no bairro Aeroporto
Fronteira
Câmara busca apoio Federal para agilizar o Transporte Internacional de mercadorias
Deanópolis
Operação "Inescrupulosos" da PF combate esquema de fraude no Auxílio Emergencial em MS
Violência Doméstica
Marido ameaça mulher com dispositivo de choque no Popular Nova
Consulta Pública
Audiência pública revisa tarifa de abastecimento de água e esgoto sanitário em MS

Mais Lidas

Presente Inesperado
Policiais Militares de Corumbá fazem surpresa em aniversário de criança que sonha em ser PM
Péssimas Condições
Morte de motorista na BR 262 é mais um alerta para o perigo do tráfego na rodovia
Nova Corumbá
Foragido é preso com diversos itens suspeitos na mochila
Reivindicação
Vereadores pedem retorno das aulas presenciais na Rede Municipal