Menu
domingo, 24 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

“Pacotaço do ICMS” deve render R$ 240 milhões ao governo

25 janeiro 2016 - 15h01Gesiane Medeiros
"Temos que ter ousadia para mexer no sistema de impostos em Mato Grosso do Sul ou então vamos continuar andando para trás”, discursou o candidato Reinaldo Azambuja em agosto de 2014 durante campanha eleitoral no interior do Estado. Como governador, entretanto, Azambuja tem elevado a carga tributária de vários segmentos. Desde os últimos dias de dezembro, o governo tem publicado série de decretos alterando o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) em diferentes frentes. Entre os decretos, está o 14.359, de 23 de dezembro de 2015 (publicado no Diário Oficial do dia 28 do mesmo mês), que modifica a base de cálculo para cobrança do ICMS de diversos produtos, sujeitos ao regime de substituição tributária. Com as mudanças, o governo deve arrecadar R$ 240 milhões a mais em 2016. Mato Grosso do Sul faz parte do grupo de estados que acredita que a maior carga tributária seja a saída para os problemas de finanças, decorrente do desaquecimento da economia. Das discussões entre os estados, realizadas no âmbito do Conselho Nacional de Políticas Fazendárias (Confaz), resultam convênios, aos quais os governos podem ou não aderir. Este é o caso do Decreto 14.359, que alterou a lista de produtos sujeitos à substituição tributária e equalizou as alíquotas do ICMS de diversas mercadorias vindas de outros estados. Nesse sentido, o governo estabeleceu para determinados produtos o chamado MVA ajustado, que anula as diferenças entre as alíquotas internas e as praticadas por outros estados em operações interestaduais. São 28 os segmentos da nova relação da substituição tributária (veja tabela abaixo). Parte dos produtos desses grupos terão MVAs ajustadas. Como exemplo, podem ser citados: entre os alimentos, a farinha de trigo, óleo, azeite de oliva, açúcar, leite e café; entre os produtos de perfumaria e higiene pessoal, cremes de beleza, xampu, condicionador, tintura para cabelo, desodorante, etc; entre os eletrônicos e eletrodomésticos, fogão, refrigerador, máquina de lavar roupa, etc; os 79 itens do grupo material de construção; os 129 itens do grupo autopeças; os 16 itens da relação de medicamentos para uso humano ou veterinário; além de veículos automotores, rações para animais domésticos, entre outras mercadorias.       Texto do Correio do Estado

Deixe seu Comentário

Leia Também

Flagrante
Dois turistas são multados em R$ 1,8 mil por pesca predatória no rio Miranda
Alerta
Últimos dias para inscrições em editais da Funarte
Imunização
Quem pode se vacinar contra Covid neste fim de semana
1 hora a menos
Agepan defende o retorno do horário de verão para economia de energia em MS
74 vagas
Concurso público da Sanesul recebe inscrições até 11 de novembro
Boletim Epidemiológico
MS volta a registrar mortes por Covid-19
Orientação
O que fazer para prevenir problemas durante e após temporais
CNH MS Social
Programa de habilitação gratuita já tramita na Assembleia Legislativa
Tempo
Chuva ganha força a partir deste sábado e pode trazer nova tempestade para MS
Precaução
Tradicional Procissão Fluvial é cancelada devido previsão de mal tempo

Mais Lidas

Causa não definida
Motorista de ônibus fretado com 42 passageiros perde o controle e colide na mureta da ponte
Dom Bosco
Homem baleado pede socorro em escola, mas não resiste e morre
Desdobramento
Embarcação que naufragou e fez sete vítimas no rio Paraguai não era de transporte turístico
Boletim Epidemiológico
MS volta a registrar mortes por Covid-19