Menu
domingo, 24 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Operação Piracema completa três meses e soma R$ 69,2 mil em multas

05 fevereiro 2016 - 11h56Redação
Nesta sexta-feira, 5, a operação piracema completa três meses, são 90 dias de período de defeso para proteção do período reprodutivo dos peixes. Até o momento foram apreendidos 452 kg de pescado, contra 529 kg dos três meses da operação passada. Apesar de menos pescado apreendido, foram autuadas 12 pessoas a mais aos três meses da operação anterior. Foram 30 autuados contra 18. Dos autuados, 22 foram presos em flagrante. Os demais conseguiram fugir, porém, foram identificados e responderão pelo crime de pesca predatória e foram multados administrativamente. Ou seja, só escaparam da prisão em flagrante, mas não das punibilidades. De qualquer forma, os resultados mostram um número grande de pessoas presas e autuadas, com pouco pescado apreendido. O Valor das multas foi mais do que o dobro. Foram aplicadas multas que chegaram a R$ 69.260,00 contra R$ 33.940,00, durante o mesmo período da piracema passada. Esse valor deve-se ao fato de que vários infratores que foram autuados durante essa piracema eram reincidentes, o que dobra o valor da multa. A quantidade de petrechos de pesca, barcos, motores de popa apreendidos está dentro do que se apreendeu nos três primeiros meses em piracemas anteriores. A PMA espera que, com a fiscalização intensiva, haja sempre um grande número de pessoas presas no momento que iniciam a pescaria, ou seja, sem que tenham conseguido capturar grande quantidade de pescado. Esta é a melhor estratégia e é o que vem acontecendo em cada piracema, em que a quantidade de pescado apreendida vem sendo reduzida, mantendo-se a mesma média de pessoas presas. Os resultados obtidos na fiscalização durante a “operação piracema” demonstram que a estratégia que a Polícia Militar Ambiental tem mantido nos últimos 15 anos, de monitorar os cardumes e destinar a fiscalização aos pontos críticos, que são as cachoeiras e corredeiras continua dando certo, pois os números de pescado apreendidos vêm diminuindo a cada período de piracema. Neste terceiro mês, são menores do que na operação passada, que já foi menor à anterior e assim continuamente. Durante essa piracema, as cheias dos rios facilitaram a subida dos peixes. Os cardumes tiveram poucos problemas para superar os obstáculos naturais, como cachoeiras e corredeiras.   Números - Terceiro mês da piracema 2012/2013 a 2015/2016.
APREENSÕES 12/13 13/14 14/15 15/16
Auto de Infração SEMA 36 24 18 30
Prisão em Flagrante Delegacia 28 22 16 22
Pescado Apreendido 521 473 529 454
Anzóis de galho 722 587 295 311
Barcos 5 6 6 7
Carretilhas/Molinetes 17 15 9 6
Caniços 14 2 4 3
Canoas 2 0 1 2
Espinhéis 11 13 9 7
Freezer/Caixas Isotérmicas 8 7 5 3
Iscas (UN) 190 0 0 0
Motor de popa 1 6 6 7
Redes 72 47 21 17
Veículos 6 3 4 5
Tarrafas 15 13 9 10
Multas R$ 61.150 23.120 33.940 69.260
   

Deixe seu Comentário

Leia Também

Flagrante
Dois turistas são multados em R$ 1,8 mil por pesca predatória no rio Miranda
Alerta
Últimos dias para inscrições em editais da Funarte
Imunização
Quem pode se vacinar contra Covid neste fim de semana
1 hora a menos
Agepan defende o retorno do horário de verão para economia de energia em MS
74 vagas
Concurso público da Sanesul recebe inscrições até 11 de novembro
Boletim Epidemiológico
MS volta a registrar mortes por Covid-19
Orientação
O que fazer para prevenir problemas durante e após temporais
CNH MS Social
Programa de habilitação gratuita já tramita na Assembleia Legislativa
Tempo
Chuva ganha força a partir deste sábado e pode trazer nova tempestade para MS
Precaução
Tradicional Procissão Fluvial é cancelada devido previsão de mal tempo

Mais Lidas

Causa não definida
Motorista de ônibus fretado com 42 passageiros perde o controle e colide na mureta da ponte
Dom Bosco
Homem baleado pede socorro em escola, mas não resiste e morre
Desdobramento
Embarcação que naufragou e fez sete vítimas no rio Paraguai não era de transporte turístico
Boletim Epidemiológico
MS volta a registrar mortes por Covid-19