Menu
quarta, 28 de fevereiro de 2024
Vetorial - fevereiro 2024
Vetorial - fevereiro 2024
Geral

Operação da PF tem como alvo governador do MS, deputado e fazendeiros

12 setembro 2018 - 10h14Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (12) a Operação Vostok, em Mato Grosso do Sul, para combater um esquema de pagamento de propina à cúpula do Poder Executivo estadual.

Entre os alvos estão o governador de Mato Grosso, Reinaldo Azambuja (PSDB), um deputado estadual e um conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, além de empresários e fazendeiros.

As investigações foram iniciadas no início deste ano a partir de colaboração premiada de executivos de uma grande empresa do ramo frigorífico.

Os colaboradores detalharam os procedimentos adotados junto ao governo do estado para a obtenção de benefícios fiscais (Tare’s).

O inquérito foi autorizado e tramita no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que autorizou o cumprimento das medidas. Cerca de 220 policiais federais cumprem 41 mandados de busca e apreensão e 14 mandados de prisão temporária.

As ações ocorrem em Campo Grande e nos municípios de Aquidauana, Dourados, Maracaju, Guia Lopes de Laguna e Trairão, no Pará. São alvos das medidas os endereços residenciais e comerciais dos investigados e os seus locais de trabalho.

Investigações

Pelas investigações preliminares, o total de créditos tributários auferidos pela empresa dos colaboradores, um percentual de até 30% era revertido em proveito da organização criminosa investigada.

Nos autos do inquérito, foram juntadas cópias das notas fiscais falsas utilizadas para dissimulação desses pagamentos e os respectivos comprovantes de transferências bancárias.

Apurou-se também que parte da propina acertada teria sido viabilizada antecipadamente na forma de doação eleitoral oficial, ainda durante a campanha para as eleições em 2014, e que alguns pagamentos também teriam ocorrido mediante entregas de valores em espécie, realizadas no Rio de Janeiro e São Paulo, em 2015.

Alvos

São alvos da operação também pecuaristas locais responsáveis pela emissão das notas fiscais frias,  inclusive, um deputado estadual e um conselheiro do Tribunal de Contas do estado. Também emitiram notas fiscais frias para dissimulação do esquema de pagamento de propina outras empresas do ramo agropecuário e frigorífico.

Em razão dos acordos de benefícios fiscais concedidos pelo governo estadual, somente nos dois primeiros anos da gestão atual, a empresa frigorífica teria deixado de recolher aos cofres públicos mais de R$ 200 milhões.

Nome

Vostok é o nome de uma estação de pesquisa russa localizada na Antártida, onde foi registrada uma das menores temperaturas da Terra.

O nome faz referência às notas fiscais frias utilizadas para a dissimulação dos pagamentos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Ensino
Curso "Me salve!" está com matrícula grátis e 1ª mensalidade para 10 de março
Saúde Pública
UTI Neonatal em Corumbá é tema de audiência pública hoje, na Câmara
Justiça Eleitoral
Toffoli anula provas que embasam ação contra Delcídio no TRE
Reconhecimento
Policiais são homenageados por resgate de família que vivia em cárcere privado no Pantanal
Serviço Público
Santa Casa anuncia fechamento do setor psiquiátrico em Corumbá
Atração confirmada
2º Festival de Cerveja de Bonito terá show de Raimundos
Consenso
Deputados aprovam proibição da pesca do Dourado por mais um ano em MS
Valorização
Adicional de fronteira a policiais e integrantes do Corpo de Bombeiros é solicitado na Câmara
Eleições 2024
TSE determina revalidação de biometria feita há mais de 10 anos
Campanha
Corumbá abre três postos para multivacinação neste sábado, 02 de março

Mais Lidas

Designada
Presídio feminino de Corumbá tem nova diretora
24 horas
Três vítimas são transportadas para o Pronto Socorro no último plantão
No acostamento
Traficantes abandonam caminhão com 360 kg de drogas na fronteira de Corumbá
Grátis até 2032
Mais de 14 mil novas identidades já foram emitidas em MS