Menu
quinta, 09 de dezembro de 2021
Governo do Estado - Dezembro
Mobile - Andorinha Dezembro
Geral

Nova Delegacia contra corrupção garante recurso extra de R$ 2 milhões ao Governo

08 agosto 2020 - 08h10Redação

A criação de uma nova Delegacia da Polícia Civil em Mato Grosso do Sul (MS) garantiu ao governo o provisionamento de uma verba de R$ 2 milhões do Fundo Nacional de Segurança Pública (FNSP) em 2021, para reestruturar unidades e setores da corporação.

Este ano, MS recebe R$ 40,6 milhões dos R$ 776 milhões do FNSP. Conforme a Lei 13.756/2018. O decreto que regulamenta as mudanças foi publicado na edição desta sexta-feira (7) do Diário Oficial Eletrônico.

A nova delegacia, especializada no combate à corrupção, é parte de um projeto do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Em julho de 2019, a pasta incentivou a criação dessas unidades especiais e condicionou a liberação de recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública.

Caberá à Decor ( Delegacia Especializada de Combate à Corrupção) prevenir, reprimir e investigar os crimes de corrupção, desvio de recursos públicos e os delitos praticados contra a Administração Pública Estadual ou Municipal, entre outras atribuições.

A Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado (Deco) e a Delegacia Especializada de Combate à Orgaizações Criminosas (Decco) estarão subordinadas ao novo Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Dracco), que terá ainda o  Laboratório de Tecnologia contra Lavagem de Dinheiro (LAB/LD).

Verba Extra

O Estado tinha até o dia 26 para criar a unidade e estar apto a receber até R$ 2 milhões dos recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública em 2021.  Para este ano, dos R$ 776 milhões do FNSP, Mato Grosso do Sul vai receber R$ 40,6 milhões para ações de combate à criminalidade, conforme a Lei 13.756/2018.

Este corte pode ser efetivado porque a fórmula de distribuição dos 50% do FNSP que obrigatoriamente a União tem de repassar aos Estados, contida na Portaria 631, de julho do ano passado, define que 5% do valor total a ser distribuído entre todas as unidades da federação vai levar em consideração a existência desta delegacia especializada.

Nesta fórmula entram também: população (com 15% do valor total do FNSP); indicadores sociais (15%); maiores taxas de crimes violentos (40%); menores taxas de crimes violentos (5%); maior queda das taxas de crimes violentos (5%); coleta e inserção de perfis genéticos (5%).  

Para estados localizados na faixa de fronteira, como MS, quanto maior a apreensão de drogas, mais a receber (10%).

Com esses parâmetros, o Ministério da Justiça calcula quanto cada estado vai receber do valor global, uma vez que tem pesos diferentes. Por isso, Mato Grosso do Sul ficou com direito a 5,24% dos R$ 776 milhões, sendo superado apenas por São Paulo, com 6,66%. O Estado ficou à frente do Rio de Janeiro, que tem direito pelas regras em vigor a 5,04%.

Como os porcentuais serão redefinidos, sem uma delegacia especializada de combate à corrupção, o valor destinado ao Estado poderia cair, uma vez que não iria participar da distribuição de cerca de R$ 38,8 milhões do Fundo (considerando os valores deste ano, já que o Orçamento de 2021 não foi definido e vai depender da arrecadação das loterias), que serão rateados entre as unidades da federação com tal serviço no próximo ano.  

Este item na cesta de distribuição do FNSP deve representar cerca de R$ 1,5 milhão para cada estado, porém, se os outros itens tiverem melhor desempenho, o valor pode subir.

Demora

O recurso deste ano do Fundo só foi transferido ao Estado após determinação judicial e aprovação do Congresso Nacional, uma vez que o governo federal se recusava a cumprir a lei que determina o repasse.

É que, no fim do ano passado, o Supremo Tribunal Federal deu sentença favorável aos estados, em uma ação na qual cobravam o repasse imediato aos entes federados de 50% dos recursos que compõem o FNSP arrecadados com a exploração de loterias.

Na mensagem encaminhada pela União, consta que o “crédito em pauta visa ao atendimento de decisão do Supremo Tribunal Federal – STF, por meio da Medida Cautelar na Ação Cível Originária nº 3.329-DF, na qual é determinado à União transferir imediatamente, aos Fundos Estaduais e ao Fundo Distrital dos autores da citada ação 50% (cinquenta por cento) dos recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública – FNSP provenientes das receitas decorrentes de loterias, classificados por lei como de transferência obrigatória”.

No ano anterior, em 2018, Mato Grosso do Sul já havia sido prejudicado, uma vez que o governo federal repassou R$ 10,390 milhões dos R$ 29,868 milhões a que o Estado tinha direito, o que representou um corte de 66%.

Com informações do Correio do Estado e Portal do MS

Deixe seu Comentário

Leia Também

Rota Bioceânica
Pedra Fundamental da Ponte que liga Porto Murtinho ao Paraguai será lançada dia 13
Evento
Cerimônia de abertura do Eco Pantanal Extremo acontece nesta quinta-feira
Auto de infração
Deteriorado pelo tempo Centro de Convenções do Pantanal pode ser interditado
Na Câmara
Vereador busca emenda para viabilizar 'ambulancha' para atender famílias ribeirinhas
Economia
13º e salário de dezembro dos servidores do município devem injetar R$ 30 milhões no comércio
Covid-19
Corumbá inicia hoje a aplicação da 2ª dose da Janssen
Ronda Policial
Homem é preso em flagrante vendendo droga no Cristo Redentor
Corrida Eleitoral
Simone Tebet é lançada como pré-candidata do MDB pela Presidência da República
Primeira Semana
Deputado Paulo Duarte assume nove comissões na Alems e é relator do Refis ICMS
Tempo
Sol predomina e quinta-feira será de calor e tempo seco
Corumbá tem máxima de 37°C sem previsão de chuva

Mais Lidas

Barbaridade
Sargento aposentado estava bebendo antes de matar a mãe de 72 anos em Campo Grande
Fiscalização
Máquina de construção asfáltica roubada é impedida de entrar na Bolívia
Solenidade
Empossado novo comandante do Corpo de Bombeiros de Corumbá
21 votos favoráveis
Polícia Penal de MS é aprovada com emendas e vai para sessão extraordinária