Menu
quinta, 04 de março de 2021
Governo do Estado - Campanha de Março
Geral

Servidores do Posto Esdras lamentam baixo efetivo no dia nacional de combate ao contrabando

03 março 2016 - 14h44Gesiane Medeiros
Nesta quinta-feira (3) o Brasil coloca em discussão a facilidade de contrabando nas fronteiras, por onde todos os anos, milhões de toneladas de produtos saem e entram do país aproveitando a fragilidade da segurança. No posto Esdras, localizado na fronteira entre Corumbá e Bolívia, uma das principais entradas de droga e produtos falsificados no Estado, o efetivo de servidores é baixo, apenas oito. O número reduzido de profissionais e a não valorização da categoria, é apontado pelos servidores, como um dos principais fatores que impedem um combate mais efetivo. O Capital do Pantanal conversou com o auditor fiscal Hermano Toscano, do posto Esdras em Corumbá, onde no ano de 2015 ocorreram mil apreensões de mercadorias e 55 de veículos roubados, segundo o auditor, 85% das apreensões do posto são de roupas falsificadas.Há anos, o baixo efetivo e a falta de incentivo salarial é reivindicado pelos servidores. Hermano Toscano, afirma que o posto Esdras possui, além dos oito servidores locais, cinco vindos de outros municípios, através do Plano de Vigilância e Repressão (PGR), onde ocorre um tipo de intercâmbio entre as unidades. “De 15 em 15 dias, recebemos cinco colaboradores de outras unidades da Receita para contribuir com o trabalho”, afirma Hermano. Segundo o servidor, desde 2013, a Lei Federal n° 12.855 foi instituída, mas até hoje não funciona. A Lei da Indenização de Fronteira visa uma gratificação financeira para os servidores do executivo federal que trabalham nas regiões consideradas de risco. “A falta desse incentivo é um dos motivos para a evasão de servidores, muitos desistem de trabalhar na fronteira e pedem transferência, porque trabalham em um local relativamente mais perigoso e não recebem nada além por isso”, relata Hermano. O posto Esdras funciona 24 horas por dia, os sete dias da semana e trabalha em duas frentes, diretamente na fronteira, com abordagem a veículos e pessoas, ou em operações secundárias dentro o município, que podem ser realizadas exclusivamente por servidores da instituição ou em conjunto com alguma outra força de segurança da cidade. Em Campo Grande Na capita, o dia nacional de combate ao contrabando, será lembrado com a exibição de um estudo desenvolvido pelo Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (IDSF), na sede da Receita Federal. O estudo, “Rotas do crime – Encruzilhadas do Contrabando”, aponta a fragilidade das fronteiras do Estado, que vem se configurando como um dos maiores corredores para entrada de produtos contrabandeados. Autoridades como o governador Reinaldo Azambuja e o secretário de segurança pública, Silvio Maluf estarão presentes na discussão.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BOLETIM COVID
O mês começa com média de 6 mortes por Covid a cada 24 horas
SAÚDE
MS é o estado que mais aplicou as duas doses da vacina contra a Covid-19
GERAL
Ministério Público denuncia servidores de Ladário por corrupção passiva
GERAL
Bombeiros continuam buscas por homem desaparecido na região do Paiaguás
CONSUMIDOR
Vereador pede relatório ao Procon sobre processos, multas e empresas penalizadas em 2020
ESPORTE
Fluminense estreia no Carioca de olho na final da Copa do Brasil
ECONOMIA
Governo adia para dia 31 reinício de bloqueio e suspensão de benefício
OPORTUNIDADE
Máscara + Renda já beneficiou mais de 1.900 costureiras em todas as regiões do país
RECONHECIMENTO
Câmara vai prestar homenagem às corumbaenses pelo Dia Internacional da Mulher
ACIDENTE DE TRÂNSITO
Colisão de carro e moto deixa mulher ferida no Maria Leite

Mais Lidas

GERAL
PMA realiza trabalhos de orientação sobre minhocas em casas de iscas no MS
ABANDONO
Ladário sofre com descaso e abandono das autoridades municipais
INFRAÇÃO ADMINISTRATIVA
PMA autua morador de Corumbá por transporte ilegal de pescado
GERAL
Reinaldo Azambuja autoriza concurso público com 250 vagas para Polícia Civil