Menu
quinta, 15 de abril de 2021
Ambiental MS Pantanal - Aegea
MOBILE - Ambiental MS Pantanal - Aegea
Geral

“Não vai faltar pediatra na Santa Casa”, garante junta administrativa

03 agosto 2018 - 11h41Sylma Lima
Pediatria funcionando normalmente no Hospital de Corumbá. Caso do menino boliviano que foi atropelado. Foto: Victor Viegas

A polêmica de que os pediatras não iriam mais atender na Santa Casa Corumbaense não vingou, graças à intervenção do prefeito Marcelo Iunes após se reunir com junta interventora do hospital.  Ocorre que a cidade só tem seis pediatras e todos tem carga horara no município. Atualmente eles atendem 8h por dia, conforme determinação judicial prevista num Termo de Ajustes de Conduta (TAC). Quatro horas no período da manhã e mais quatro no período da parte, se revezando nos postos de saúde. Desde a última quarta-feira,06, o plantão ficou definido no seguintes termos: “ meio período nos postos , para que não fique sem atendimento, e meio na Santa Casa que atende 90% de paciente do SUS (Sistema Único de Saúde)” , diz o procurador José Luis Amorim membro da junta interventora enfatizando que, “ Iunes não tem medidos esforços para tender o hospital adquirindo equipamentos e mantendo as farmácias bastecidas. Além disso, o recurso depositado pelo atual governador já está na conta aguardando a liberação das licenças para inicio das obras do novo Pronto Socorro”.

Flagrante

Junta interventora conversou com o Capital do Pantanal nesta manhã. Foto: Victor Viegas

O Capital do Pantanal esteve no hospital para conferir de perto se a situação havia se regularizado e foi encontrado três pediatras, sendo um na emergência (Emerson Moreira), e dois no setor infantil (hospitalzinho). Vicente Provenzano dava atendimento a um menino de um ano e sete meses, acompanhado pela tia a boliviana Inêz Céspedes que narrou que o menor é gêmeos, e as 13h desta quinta-feira,07, saiu correndo atrás do irmão mais velho que, ia para a escola, em Porto Suarez, e acabou tendo parte do corpo esmagado nas rodas de um carro. Como o hospital do país vizinho não tem CTI e o caso era muito grave, a criança veio para Corumbá onde já foram realizados vários exames , “ como ele  estava urinando sangue achávamos que havia perfurado a bexiga, mas o órgão não foi atingido e hoje o menino esta fora de risco, apesar das lesões no corpo” , disse o pediatra de plantão ressaltando que atendem corumbaenses, ladarenses e bolivianos.

Nova gestão

O diretor administrativo e financeiro da unidade Marcelo Ferreira explicou que a polêmica causada pela carga horaria foi solucionada de uma maneira satisfatória e todos saíram ganhando. “Como o hospital mantinha pediatra num plantão de 12 horas durante a noite, com a nova modelagem terá também durante todo o dia e não haverá prejuízo aos postos porque aqui são atendidas as emergências  e na PUA Guató. Mais, o importante é que não descobrimos a atenção básica com o hospital” .

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

RODOVIA
Vereador reivindica melhorias na BR 262, entrada para o Morro do Urucum
ASSISTÊNCIA SOCIAL
Vale Universidade divulga lista de pré-habilitados e convoca para nova etapa
GERAL
Azambuja diz que MS cumpre papel no combate à Covid e não tem medo de CPI
Dia da Conservação do Solo
Sistemas agroflorestais biodiversos conservam e melhoram a qualidade do solo
Ação solidária contra a Covid-19:
Primeiro lote de medicamentos para intubação chega hoje ao Brasil
ATROPELAMENTO
Idoso é atropelado na Porto Carreiro e fica ferido
GERAL
Mulher fica ferida após cair da moto no Maria Leite
GERAL
Garagem Lanchonete inaugura filial em Ladário e traz variedades no cardápio
GERAL
PGE integrará o Observatório Estadual da Nova Lei de Licitações
ESPORTE
Prefeitura cria grupo de trabalho para preservar memória esportiva de Corumbá

Mais Lidas

CAPTURA DE ANIMAL
Jibóia é encontrada dentro da sala de residência em Corumbá
POLICIAL
PF prende três pessoas por tráfico de drogas e apreende 245kg de maconha em MS
ACIDENTE DE TRÂNSITO
Colisão de carro e moto deixa jovem ferido no Dom Bosco
SAÚDE
Corumbá inicia imunização contra a Covid-19 da população ribeirinha do baixo Pantanal