Menu
quarta, 27 de janeiro de 2021
Andorinha Janeiro/Fevereiro
Andorinha Janeiro/Fevereiro Mobile
Geral

Não adianta combater droga no morro se não blindar fronteira em MS

19 fevereiro 2018 - 09h02Midiamax

Com cerca de 1,5 mil quilômetros de fronteira seca com Paraguai e Bolívia, Mato Grosso do Sul é um dos principais corredores de entrada de drogas e armas que abastecem criminosos que atuam no Rio de Janeiro, Estado que vive um caos na segurança pública e onde o presidente Michel Temer (MDB) autorizou intervenção federal na última sexta-feira (16).

O Chefe do Executivo Sul-mato-grossense, Reinaldo Azambuja (PSDB), foi dos governadores ouvidos pela reportagem do Jornal O Globo neste domingo (18), em reportagem sobre o temor de que a intervenção federal no Rio provoque uma migração de bandidos para Estados vizinhos.

O tucano voltou a enfatizar a necessidade do governo federal reforçar a segurança na extensa faixa fronteiriça de Mato Grosso do Sul e demais Estados vizinhos, como Mato Grosso d Rondônia.

“Já apresentamos projeto neste sentido ao Ministério da Justiça, e entendemos que não adianta combater o problema da droga nos morros do Rio e nos grandes centros se não blindarmos as nossas fronteiras”, disse Azambuja ao Jornal O Globo.

O jornal citou um relatório da ONU (Organização das Nações Unidas) que mostram que Mato Grosso do Sul foi responsável pela apreensão de um quarto da droga apreendida no Brasil em 2016.

O governador de Rondônia, Confúcio Moura (MDB), que junto com Reinaldo faz parte do Fórum de Governadores do Brasil Central, também reclamou da falta de segurança na fronteira (lá, são 1,2 mil km de fronteira seca com Bolívia).

“Estamos completamente desguarnecidos. Há circulação livre de barcos para lá e para cá. Precisamos descontingenciar recursos para botar as Forças Armadas nas fronteiras”, frisou Moura.

Para os dois governadores, o mais importante para o governo federal é combater o crime organizado na fronteira com países produtores de drogas.

Em janeiro, Reinaldo publicou um artigo no Jornal Folha de São Paulo onde chegou a cogitar a possibilidade da União fechar as fronteiras, como forma de combater a entrada ilegal de armas e drogas. O tucano destacou que o Estado gasta R$ 127,3 milhões ao ano com presos pelo tráfico e que a construção de presídios não é uma “solução definitiva”.

“Nossas fronteiras estão escancaradas, potencializando Mato Grosso do Sul como corredor do narcotráfico. Os altos índices de crimes não resultam só no estrangulamento do sistema carcerário, mas contribuem também para a hipertrofia do sistema judiciário”, argumentou à época o governador.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

DENÚNCIA
Funcionários demitidos do hospital não recebem rescisão trabalhista
ENCHENTE
PMA de Miranda e Defesa Civil municipal trabalham no resgate de famílias atingidas por enchentes
Geral
Curiosidade: quando foi fabricada a tecnologia Smartwatch
POLÍTICA
Presidente da Alems, Paulo Corrêa assume como governador em exercício de MS
COVID-19
Janeiro registra mais de 460 óbitos por coronavírus e já é o 3º pior mês da pandemia
MORTE POR COVID-19
Cinco dias após morte do marido, ex-primeira-dama de Dourados não resiste à Covid-19
EDUCAÇÃO
IFMS reabre prazo de matrículas da 1ª chamada para cursos técnicos integrados
Aprovados têm até esta quarta-feira, 27, para fazer a matrícula em cursos técnicos integrados ao ensino médio. Retificação altera datas previstas para novas chamadas
EDUCAÇÃO
Gabaritos do Enem serão divulgados nesta quarta-feira
CHUVA FORTE
Temporal em Corumbá causa queda de árvores e alagamentos
ECONOMIA
Governo federal aprova auxílio emergencial para 196 mil pessoas

Mais Lidas

DENÚNCIA
Funcionários demitidos do hospital não recebem rescisão trabalhista
ECONOMIA
Governo federal aprova auxílio emergencial para 196 mil pessoas
CHUVA FORTE
Temporal em Corumbá causa queda de árvores e alagamentos
MORTE POR COVID-19
Cinco dias após morte do marido, ex-primeira-dama de Dourados não resiste à Covid-19