Menu
quarta, 22 de maio de 2024
Câmara de Corumbá - Maio Laranja 2024
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

MPF vai multar em R$ 23 mil diários quem for pego vendendo carvão vegetal em MS

03 junho 2016 - 09h16Sylma Lima
A Justiça Federal acatou parcialmente o pedido do Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul (MPF/MS) e o Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul (MP/MS) e sentenciou que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) bloqueie definitivamente a emissão dos Documentos de Origem Florestal (DOF), que autoriza a comercialização de carvão vegetal nativo, lenha ou matéria-prima florestal do estado. A medida vale para siderúrgicas de Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. O Ministério Público recorreu ao Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) para que a sentença seja válida para todo o território nacional. A sentença determina, no prazo de 30 dias, o bloqueio do sistema de emissão do DOF para siderúrgicas que não tenham Plano de Suprimento Sustentável (PSS), sob pena de multa diária de R$ 23.350,00 (1.000 UFERMS, cotação abril/2016) por DOF, a ser depositado no Fundo de Defesa dos Direitos Difusos, mantendo o bloqueio até que os respectivos documentos sejam tornados sem efeito, revogados ou anulados. O bloqueio deve ser efetuado pelo Ibama, que é responsável pelo controle do sistema e delega a emissão do DOF aos órgãos ambientais estaduais. No prazo de 60 dias, o Ibama deverá fiscalizar, bimestralmente, 20% das emissões de Documento de Origem Florestal (DOF), de responsabilidade do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) e do Instituto Estadual de Florestas (IEF) de Minas Gerais, em favor de todas as siderúrgicas instaladas nos dois estados e que vêm comprando matéria-prima florestal, sob pena de multa de R$ 467.000,00 (20.000 UFERMS), por bimestre não fiscalizado. A ação civil pública se baseia no cumprimento do Código Florestal, que em seu artigo 21 determina que tais empresas são obrigadas a manter florestas plantadas de reflorestamento próprias para exploração racional sustentável, tendo o prazo de cinco a dez anos (no máximo) para adotarem tal providência. De acordo com o MPF “constatou-se a omissão do poder público, quer em âmbito regional, quer nacional, no dever de fiscalizar o cumprimento da legislação ambiental”. A ordem para o bloqueio dos DOFs já havia sido expedida em liminar de 29 de julho de 2010. A liminar foi suspensa em 13/09/2010 pelo TRF-3. O IBAMA recorreu para reformar completamente a  sentença. Referência processual na Justiça Federal de Campo Grande: 004348-35.2010.4.03.6000 Notícia disponível em http://www.mpf.mp.br/ms/sala-de-imprensa/noticias-ms/proibida-venda-de-carvao-vegetal-nativo-de-ms-para-siderurgicas-de-mg/view

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Começa amanhã consulta a maior lote de restituição do IR da história
Economia
Quase 50 mil pessoas buscam negociar dívidas em MS
Saúde
Projeto que institui vacinação nas escolas vai à sanção presidencial
Na Zona Rural
Vereador quer equipes da Assistência Social, atendendo assentamentos de Corumbá
Segurança
Táxis de Corumbá tem até 21 de junho para implantar QR Code de identificação
Transporte
Corumbá abre credenciamento para 30 autorizações de mototáxi
Marinha e Bombeiros
Idosa vítima de AVC é resgatada por aeronave em fazenda do Taquari
Incentivo
Agricultores familiares de Corumbá entregam 3 toneladas de alimentos no lançamento do PPA
Infraestrutura
Interditada: ponte sobre o rio Paraguai recebe 3ª concretagem neste no fim de semana
Na madrugada
Homem é preso vendendo droga em beco do bairro Borrowski

Mais Lidas

Manifestação
Setor de transporte protesta por falta de combustível e ameaça fechar a fronteira
Agenda Cultural
Evento de som automotivo arrecada doações para RS e Instituto Novo Olhar
Na Câmara
Projeto de Lei Municipal torna laudos de TEA permanentes
Investigação
Padre de MS é denunciado por relacionar bruxaria e satanismo à tragédia no RS