Menu
domingo, 26 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

MPF ajuíza ação para que governo de MS aplique R$ 413 mi na saúde pública

20 fevereiro 2018 - 11h45MPF/MS

O Ministério Público Federal (MPF/MS) ajuizou ação civil pública, com pedido de liminar, para obrigar o Estado de Mato Grosso do Sul a aplicar R$ 413.508.055,49 em ações e serviços públicos de saúde até o final do ano. O MPF quer que o valor não aplicado devidamente seja transferido, ainda em 2018, para o Fundo Estadual de Saúde, imediatamente ou em até doze parcelas mensais, sob pena de multa diária no valor de 10% deste valor (R$ 41,35 milhões).

Outro pedido é que a Justiça determine que a União suspenda qualquer transferência voluntária de recursos ao Estado de Mato Grosso do Sul até a comprovação da aplicação integral do valor que deixou de ser destinado em 2014, além de restrições e condicionamentos ao repasse de verbas ao estado. Caso a União descumpra a medida, o MPF pede que a Justiça também estabeleça multa de 10% do valor não repassado.

O MPF constatou, em especial a partir de trabalho realizado pelo corpo técnico do Tribunal de Contas do Estado (TCE), irregularidades em 2014, quando o mínimo previsto na Constituição Federal não foi repassado ao Fundo Estadual de Saúde.

Segundo o texto constitucional e a Lei Complementar 141/2012, pelo menos 12% da receita líquida dos impostos estaduais e de repasses obrigatórios devem ser aplicados na saúde pública. Em 2014, esse valor deveria ser de R$ 841.307.116,21, mas menos da metade do montante foi efetivamente transferido ao Fundo Estadual, como prevê a legislação.

Números comprovam irregularidade

Em 2014, de acordo com dados oficiais, o governo arrecadou R$ 7.010.892.635,19, tendo a obrigação constitucional de aplicar o mínimo de R$ 841.307.116,21 na saúde. O Estado informou ter aplicado o valor de R$ 849.077.097,32, ou 12,11% da receita de impostos. 

Ocorre que, segundo o próprio Balanço Geral apresentado pelo Estado, a aplicação na saúde, com recursos oriundos de todas as fontes, alcançou o valor de R$ 747.626.842,73. Com isso, houve déficit de investimento em saúde de R$ 93.680.273,48. 

Além disso, constatou-se que o governo estadual, ilicitamente, considerou receitas arrecadadas pelo Fundo Especial de Saúde e pela Fundação Serviços de Saúde, diversas da sua receita líquida de impostos, no montante de R$ 168.713.241,09. Com isso, o patamar de investimento que segue a Constituição foi reduzido para R$ 578.913.601,64. Assim, a inadimplência do Estado é elevada para R$ 262.393.514,57. 

Mas a irregularidade não se restringe a isso. Para ser considerado investimento em saúde, a despesa deve ser financiada com recursos movimentados pelo Fundo Especial de Saúde. Contudo, conforme o Balanço Geral do Estado de Mato Grosso do Sul, no ano de 2014 foram gastos por meio deste fundo R$ 413.508.055,49. Em outras palavras, de acordo com o ordenamento vigente, o Governo do Estado investiu em saúde, no exercício 2014, somente o valor de R$ 413.508.055,49.

De acordo com o órgão ministerial, o desvio de aplicação desses recursos viola o direito à saúde e à vida das pessoas que dependem do serviço público de saúde. "Como se vê, para as pessoas, as consequências do inadimplemento do Estado, sobretudo para aquelas mais carentes (usuárias do SUS), é o tolhimento de sua dignidade, de sua integridade física e, em muitos casos, da própria vida", defende o MPF.

O Estado tem verba

Na ação, o MPF lembra que “o Estado está empregando a quantia exorbitante de aproximadamente R$ 268 milhões de reais na construção do 'Aquário do Pantanal'. Em outras palavras, um Estado que aplica essa absurda fortuna para construir o 'maior aquário de água doce do mundo' não pode, em hipótese alguma, alegar que não possui verbas para aplicar o valor mínimo em saúde, sobretudo quando sua população amarga o colapso do sistema público, ceifando vidas todos os dias”.

Em 2015, de forma semelhante, o MPF ajuizou ação na Justiça contra o Estado de Mato Grosso do Sul e a União para, além de outras medidas, impor ao Estado a obrigação de transferir ao Fundo Especial de Saúde o valor de R$ 227.295.499,53, de forma parcelada, referente a valores de 2013. 

O MPF também ajuizou ação de improbidade contra o então governador André Puccinelli, o ex-secretário de Fazenda, Jader Rieffe Julianelli Afonso, e o ex-secretário de Saúde, Antonio Lastória, por não investirem o valor mínimo em saúde em 2013. A ação já foi recebida pela Justiça e os acusados são réus no processo de improbidade.

No tocante ao exercício de 2014, a eventual prática de ato de improbidade administrativa é investigada pelo MPF no Inquérito Civil n. 1.21.000.002416/2017-33.

Referência processual na Justiça Federal de Campo Grande: 5000.778-72.2018.403.6000

Referência processual na Justiça Federal de Campo Grande: 0007659-58.2015.403.6000

(ACP investimento em saúde pública 2013)

Referência processual na Justiça Federal de Campo Grande: 0006538-58.2016.4.03.6000

(ACP improbidade/investimento em saúde pública 2013)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Denúncia
Homem morre e família acusa médica da UPA de negligência
Palestras
3ª edição da Semana da Saúde do Sesc tem foco nos reflexos da pandemia
SCT 2021
IFMS abre inscrições para Semana de Ciência e Tecnologia
Javaporco
PMA flagra criação ilegal de javalis em propriedade de Dourados
Alerta
De agendamentos a esquemas de 'pirâmides', entenda os maiores golpes do Pix em MS
Retomada
Fundtur recebe inscrições no Programa "Incentiva+MS Turismo" até 5 de outubro
Bonito
Mulher é multada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida
Imunização
Veja quem pode se vacinar neste fim de semana em Corumbá
Balanço
Mais de 50% das drogas apreendidas na Operação Fronteiras e Divisas I são de MS
Economia
Comércio deve facilitar pagamento e ser cauteloso para o Dia das Crianças

Mais Lidas

Denúncia
Homem morre e família acusa médica da UPA de negligência
Imunização
Veja quem pode se vacinar neste fim de semana em Corumbá
Desenvolvimento
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
Bonito
Mulher é multada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida