Menu
domingo, 16 de maio de 2021
Andorinha - Maio
Andorinha - Maio
Geral

MPF ajuíza ação para que governo de MS aplique R$ 413 mi na saúde pública

20 fevereiro 2018 - 11h45MPF/MS

O Ministério Público Federal (MPF/MS) ajuizou ação civil pública, com pedido de liminar, para obrigar o Estado de Mato Grosso do Sul a aplicar R$ 413.508.055,49 em ações e serviços públicos de saúde até o final do ano. O MPF quer que o valor não aplicado devidamente seja transferido, ainda em 2018, para o Fundo Estadual de Saúde, imediatamente ou em até doze parcelas mensais, sob pena de multa diária no valor de 10% deste valor (R$ 41,35 milhões).

Outro pedido é que a Justiça determine que a União suspenda qualquer transferência voluntária de recursos ao Estado de Mato Grosso do Sul até a comprovação da aplicação integral do valor que deixou de ser destinado em 2014, além de restrições e condicionamentos ao repasse de verbas ao estado. Caso a União descumpra a medida, o MPF pede que a Justiça também estabeleça multa de 10% do valor não repassado.

O MPF constatou, em especial a partir de trabalho realizado pelo corpo técnico do Tribunal de Contas do Estado (TCE), irregularidades em 2014, quando o mínimo previsto na Constituição Federal não foi repassado ao Fundo Estadual de Saúde.

Segundo o texto constitucional e a Lei Complementar 141/2012, pelo menos 12% da receita líquida dos impostos estaduais e de repasses obrigatórios devem ser aplicados na saúde pública. Em 2014, esse valor deveria ser de R$ 841.307.116,21, mas menos da metade do montante foi efetivamente transferido ao Fundo Estadual, como prevê a legislação.

Números comprovam irregularidade

Em 2014, de acordo com dados oficiais, o governo arrecadou R$ 7.010.892.635,19, tendo a obrigação constitucional de aplicar o mínimo de R$ 841.307.116,21 na saúde. O Estado informou ter aplicado o valor de R$ 849.077.097,32, ou 12,11% da receita de impostos. 

Ocorre que, segundo o próprio Balanço Geral apresentado pelo Estado, a aplicação na saúde, com recursos oriundos de todas as fontes, alcançou o valor de R$ 747.626.842,73. Com isso, houve déficit de investimento em saúde de R$ 93.680.273,48. 

Além disso, constatou-se que o governo estadual, ilicitamente, considerou receitas arrecadadas pelo Fundo Especial de Saúde e pela Fundação Serviços de Saúde, diversas da sua receita líquida de impostos, no montante de R$ 168.713.241,09. Com isso, o patamar de investimento que segue a Constituição foi reduzido para R$ 578.913.601,64. Assim, a inadimplência do Estado é elevada para R$ 262.393.514,57. 

Mas a irregularidade não se restringe a isso. Para ser considerado investimento em saúde, a despesa deve ser financiada com recursos movimentados pelo Fundo Especial de Saúde. Contudo, conforme o Balanço Geral do Estado de Mato Grosso do Sul, no ano de 2014 foram gastos por meio deste fundo R$ 413.508.055,49. Em outras palavras, de acordo com o ordenamento vigente, o Governo do Estado investiu em saúde, no exercício 2014, somente o valor de R$ 413.508.055,49.

De acordo com o órgão ministerial, o desvio de aplicação desses recursos viola o direito à saúde e à vida das pessoas que dependem do serviço público de saúde. "Como se vê, para as pessoas, as consequências do inadimplemento do Estado, sobretudo para aquelas mais carentes (usuárias do SUS), é o tolhimento de sua dignidade, de sua integridade física e, em muitos casos, da própria vida", defende o MPF.

O Estado tem verba

Na ação, o MPF lembra que “o Estado está empregando a quantia exorbitante de aproximadamente R$ 268 milhões de reais na construção do 'Aquário do Pantanal'. Em outras palavras, um Estado que aplica essa absurda fortuna para construir o 'maior aquário de água doce do mundo' não pode, em hipótese alguma, alegar que não possui verbas para aplicar o valor mínimo em saúde, sobretudo quando sua população amarga o colapso do sistema público, ceifando vidas todos os dias”.

Em 2015, de forma semelhante, o MPF ajuizou ação na Justiça contra o Estado de Mato Grosso do Sul e a União para, além de outras medidas, impor ao Estado a obrigação de transferir ao Fundo Especial de Saúde o valor de R$ 227.295.499,53, de forma parcelada, referente a valores de 2013. 

O MPF também ajuizou ação de improbidade contra o então governador André Puccinelli, o ex-secretário de Fazenda, Jader Rieffe Julianelli Afonso, e o ex-secretário de Saúde, Antonio Lastória, por não investirem o valor mínimo em saúde em 2013. A ação já foi recebida pela Justiça e os acusados são réus no processo de improbidade.

No tocante ao exercício de 2014, a eventual prática de ato de improbidade administrativa é investigada pelo MPF no Inquérito Civil n. 1.21.000.002416/2017-33.

Referência processual na Justiça Federal de Campo Grande: 5000.778-72.2018.403.6000

Referência processual na Justiça Federal de Campo Grande: 0007659-58.2015.403.6000

(ACP investimento em saúde pública 2013)

Referência processual na Justiça Federal de Campo Grande: 0006538-58.2016.4.03.6000

(ACP improbidade/investimento em saúde pública 2013)

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÂNSITO
Jovem de 19 anos morre após subir em capô de carro e namorado bater em poste na Capital
GERAL
Começa a valer hoje nova política de privacidade do Whatsapp
GERAL
Detran-MS continua mutirão de renovação de CNH com EAR neste sábado
GERAL
Cuidados com a pele devem ser redobrados como inverno
ESPORTE
Final do Cariocão 2021 começa neste sábado com o clássico Fla x Flu
SAÚDE
Saúde reforça a importância dos cuidados de biossegurança
GERAL
Sorteio da Mega-Sena deste sábado tem prêmio estimado em R$ 33 milhões
GERAL
Pesquisadores alertam para riscos de crianças expostas a telas
CORONAVÍRUS
Alerta Covid: Casos confirmados e internações continuam crescendo
CULTURA
Semana Nacional de Museus terá lançamento de livros sobre Patrimônio de Corumbá

Mais Lidas

TRÂNSITO
Jovem de 19 anos morre após subir em capô de carro e namorado bater em poste na Capital
GERAL
Começa a valer hoje nova política de privacidade do Whatsapp
CULTURA
Semana Nacional de Museus terá lançamento de livros sobre Patrimônio de Corumbá
CORONAVÍRUS
Alerta Covid: Casos confirmados e internações continuam crescendo