Menu
terça, 21 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

MPE denuncia agente e ex-diretor da Máxima por desvio e venda de carne em cantina

21 outubro 2020 - 09h33Edivaldo Bitencourt, O Jacaré

O Ministério Público Federal denunciou, por enriquecimento ilícito e improbidade administrativa, um agente penitenciário e o ex-diretor do Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande. Eles são acusados de vender carne aos presos na véspera do Natal, desviar dinheiro para pagar multas de trânsito e festa. Também teria sido constatado enriquecimento ilícito, com a movimentação de R$ 128,9 mil sem origem definida.

A defesa de Paulo Godoy da Silva, ex-diretor da penitenciária, e do agente penitenciário Hugo Alexsander Rodrigues Pereira negou qualquer irregularidade. Sobre a venda de carne, eles sustentaram que houve doação do produto. Já em relação ao acréscimo patrimonial, a justificativa vai desde herança até “bico” como marceneiro.

A ação por improbidade administrativa foi protocolada em agosto deste ano pelo promotor Adriano Lobo Viana de Resende. Em despacho publicado nesta terça-feira (20), o juiz Ariovaldo Nantes Corrêa, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, negou pedido do advogado para que o processo tramitasse em sigilo.

O MPE abriu inquérito a partir de denúncia feita pela Corregedoria da Agepen (Agência Estadual de Gestão do Sistema Penitenciário). Funcionários teriam flagrado Hugo entrando com 47 pacotes a vácuo de carne na cantina no dia 23 de dezembro de 2018. Durante a investigação, eles tentaram obrigar testemunha a mudar a versão dos fatos e sumiram com as gravações das câmeras de segurança, conforme a denúncia.

“Por fim, é completamente desacreditado o argumento dos requeridos, principalmente de HUGO, no sentido de que acompanhou o embarque, mas não percebeu que havia 47 (quarenta e sete) pacotes de carne entre os produtos; que a mercadoria pernoitou na casa de HUGO; e depois ambos os requeridos foram juntos para a unidade, e em nenhum momento teriam visto os pacotes”, pontua Resende.

A promotoria constatou que eles teriam desviado R$ 9,5 mil para contratar buffet, comprar canecas de chope personalizadas e playground para as crianças. Além da festa, houve desvio para pagar duas multas de trânsito, de R$ 195 cada.

Ao promover devassa nas movimentações bancárias, o promotor constatou que Pereira teria movimentado R$ 161,6 mil, sendo que os salários somavam R$ 59,7 mil. Foram identificados R$ 101,8 mil em depósitos sem identificação, que o MPE considerou “enriquecimento ilícito”, por se tratar de servidor público. Nas contas do então diretor da Máxima, houve a movimentação de R$ 134,1 mil, sendo que os salários totalizaram R$ 107 mil. O total de depósitos sem origem seria de R$ 27 mil.

“Foram detectados vários depósitos bancários, mês a mês, sem a identificação do responsável pela transação, em ação típica do pagamento de vantagens indevidas. O recebimento de valores desproporcionais à renda do agente público e sem identificação da origem é considerável, e ocorre no mesmo período das irregularidades acima. Desse modo, restou demonstrado que o requerido auferiu, para si, enquanto agente público, vantagem patrimonial indevida. Inegavelmente recebeu dinheiro cujo valor é desproporcional à renda lícita do agente público”, concluiu o promotor.

“Os requeridos agiram com nítida má-fé, pois tinham consciência da ilegalidade e imoralidade das condutas, de tal modo que, conforme demonstrado nos autos, houve inclusive a tentativa manifesta de embaraçar as investigações e imputar o fato a outra pessoa”, frisou.

O promotor Adriano Lobo Viana de Resende pediu a condenação de Paulo a perda da função pública e dos bens no valor de R$ 27.081,83, o ressarcimento integral ao erário de R$ 55.158,82, suspensão dos direitos políticos pelo período de oito a dez anos e pagamento de multa civil equivalente a três vezes o valor do dano.

Já Hugo pode ser condenado a devolver R$ 55,1 mil, perda de bens no valor de R$ 101,8 mil e do cargo de agente penitenciário, multa de três vezes o valor do dano e suspensão dos direitos políticos pelo mesmo período.

A defesa de ambos negou que houve dolo ou qualquer ato de improbidade administrativa. Sobre a carne, o advogado frisa que houve doação por parte do fornecedor. A defesa frisa que os produtos foram retirados da cantina e doados para entidade beneficente.

“A questão das cantinas das unidades penais do Estado de Mato Grosso do Sul é uma questão antiga e controversa, tendo em vista que diante da ineficácia do Estado de Mato Grosso do Sul em fornecer os itens necessários a alimentação e higiene aos custodiados do Sistema Prisional, houve a necessidade de se criar esse mecanismo precário visando que os custodiados que detivessem o auxílio de seus familiares ou de trabalho interno nas unidades pudessem ter acesso a itens de alimentação e higiene não fornecidos pelo agente estatal, seja um arroz, bolacha ou demais itens, até sabonete, papel higiênico e demais itens básicos de cuidados pessoais necessários para qualquer pessoa”, pontua.

Godoy alegou que o acréscimo na movimentação bancária é proveniente do seu trabalho como marceneiro. Ele trabalha com a produção de móveis planejados. Já Hugo Alexsander alegou que recebeu herança do pai e passou a ter direito a receber pelo aluguel de alguns imóveis. Ele também destacou atuar como free lancer em festas para um amigo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Brasil quer atrair mais investimentos privados, diz presidente na ONU
21 de setembro
Incêndios continuam e Corumbá não tem motivo para celebrar o dia da árvore
Mudança no prazo
Saúde mantém vacinação para adolescentes em MS
Dados Estatísticos
Índices de criminalidade apresentam queda em Mato Grosso do Sul
Limpeza
Nos dias 22 e 23 tem ação de combate à dengue no bairro Cravo Vermelho
Evento Virtual
Semana Temática do Empreendedorismo acontece nos dias 28, 29 e 30 de setembro
Crime
Concen pede ação da Polícia Civil no combate ao furto de fios de energia em MS
Maratona
Prorrogadas inscrições para o Hackathon IFMS
Naviraí
Casal preso por tráfico de aves silvestres recebe multa de R$ 2,5 milhões da PMA
243 anos
Corumbá celebra aniversário com retomada de desenvolvimento

Mais Lidas

Denúncia
Bar é fechado e proprietário é multado em R$ 5 mil por poluição sonora
Fronteira
Mulher presa com "cinturão de cocaína" receberia R$ 1.500 pela travessia
Oportunidade
Senac Corumbá abre inscrições para cursos na área da saúde
Tempo
Primavera terá La Niña de fraca intensidade, chuvas abaixo da média e muito calor