Menu
domingo, 03 de março de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Ministro do STJ libera conta de Azambuja

03 outubro 2018 - 13h50Correio do Estado

O ministro do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) Felix Fischer, relator do caso da JBS envolvendo o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), liberou a conta do candidato à reeleição do Executivo estadual, mas manteve as contas do restante da família bloqueadas. Desde a Operação Vostok, no dia 12 de setembro, Azambuja, a esposa e seus três filhos estavam com o acesso e movimentação bancária impedidos pela Justiça.

O pedido de desbloqueio partiu da defesa de Azambuja, alegando que o candidato aporta recursos próprios na campanha e precisa movimentá-la. “Estamos estudando o fornecimento de maiores informações do ministro para comprovar que não há risco de prejuízo [nas investigações] para liberação de todos os bens do restante da família”, resumiu o advogado Gustavo Passarelli, que defende a família. Após isso, um novo recurso deve ser impetrado para que as contas de todos sejam liberadas.

Segundo as investigações, os investigados – entre eles Azambuja – receberam propinas que somam R$ 67,7 milhões em troca de benefícios fiscais ao grupo JBS. Com isso, os cofres públicos de Mato Grosso do Sul tiveram um prejuízo tributário de R$ 209,7 milhões.

Em setembro, com a operação Vostok deflagrada, 14 pessoas foram presas pela Polícia Federal. Entre os envolvidos estavam o filho de Azambuja, Rodrigo Souza e Silva, o deputado estadual Zé Teixeira (DEM) e o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) Márcio Monteiro, ex-secretário de Fazenda do atual governador.

Os outros presos foram: Ivanildo Miranda, o empresário João Baird, José Ricardo, mais conhecido como Polaco, ex-prefeito de Porto Murtinho Nelson Cintra, Meltron Rodrigues, Rubens Matsuda, Osvani Ramos, Elvio Rodrigues, Antonio Celso Cortês e Zelito Alves Ribeiro.

A Operação Vostok, da Polícia Federal, teve o objetivo de combater esquema de pagamento de propina a representantes da cúpula dos Poderes Executivo e Legislativo estaduais, além do Tribunal de Contas do Estado, no Mato Grosso do Sul.

O inquérito foi autorizado e tramita no STJ, em Brasília. As medidas decretada foram feitas por aproximadamente 220 policiais federais que cumpriram 41 mandados de busca e apreensão e 14 mandados de prisão temporária, na Capital e nos municípios de Aquidauana, Dourados, Maracaju, Guia Lopes de Laguna e Trairão, no Estado do Pará. São alvos das medidas os endereços residenciais e comerciais dos investigados e os seus locais de trabalho.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dia D
Municípios de MS participam de mobilização nacional em combate à Dengue
Ecoa Pantanal
Relatório alerta sobre o efeito cumulativo das barragens no Pantanal
Plantão
Passageira sofre fratura exposta e é abandonada por motociclista
Em obras
Seilog garante que travesseia na ponte do rio Paraguai é segura
10 horas no trajeto
Criança é resgatada no Pantanal com miçanga no nariz
Em 5 cidades
Classificados para 3ª fase do Voucher Desenvolvedor participam de vivência no Senac
Campanha Nacional
Dia D contra a dengue convoca população a eliminar focos do mosquito
Atrasado
MEC divulga resultado da segunda chamada do Prouni
Aposta
Mega-Sena pode pagar R$ 185 milhões neste sábado
Destaque
Sistema E-Crie de MS é avaliado pelo Ministério da Saúde para implementação em nível nacional

Mais Lidas

Plantão
Passageira sofre fratura exposta e é abandonada por motociclista
Em ônibus fretado
Três bolivianos são flagrados com 3,1 kg de cocaína nos calçados
Benefício
Prefeito assina decreto que regulamenta aumento no plantão de profissionais da saúde
Necessário
Recadastramento em programa do Governo que paga a conta de luz segue até 10 de maio