Menu
domingo, 17 de janeiro de 2021
Andorinha - campanha dezembro
Andorinha - Dezembro
Geral

Ministro do STJ libera conta de Azambuja

03 outubro 2018 - 13h50Correio do Estado

O ministro do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) Felix Fischer, relator do caso da JBS envolvendo o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), liberou a conta do candidato à reeleição do Executivo estadual, mas manteve as contas do restante da família bloqueadas. Desde a Operação Vostok, no dia 12 de setembro, Azambuja, a esposa e seus três filhos estavam com o acesso e movimentação bancária impedidos pela Justiça.

O pedido de desbloqueio partiu da defesa de Azambuja, alegando que o candidato aporta recursos próprios na campanha e precisa movimentá-la. “Estamos estudando o fornecimento de maiores informações do ministro para comprovar que não há risco de prejuízo [nas investigações] para liberação de todos os bens do restante da família”, resumiu o advogado Gustavo Passarelli, que defende a família. Após isso, um novo recurso deve ser impetrado para que as contas de todos sejam liberadas.

Segundo as investigações, os investigados – entre eles Azambuja – receberam propinas que somam R$ 67,7 milhões em troca de benefícios fiscais ao grupo JBS. Com isso, os cofres públicos de Mato Grosso do Sul tiveram um prejuízo tributário de R$ 209,7 milhões.

Em setembro, com a operação Vostok deflagrada, 14 pessoas foram presas pela Polícia Federal. Entre os envolvidos estavam o filho de Azambuja, Rodrigo Souza e Silva, o deputado estadual Zé Teixeira (DEM) e o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) Márcio Monteiro, ex-secretário de Fazenda do atual governador.

Os outros presos foram: Ivanildo Miranda, o empresário João Baird, José Ricardo, mais conhecido como Polaco, ex-prefeito de Porto Murtinho Nelson Cintra, Meltron Rodrigues, Rubens Matsuda, Osvani Ramos, Elvio Rodrigues, Antonio Celso Cortês e Zelito Alves Ribeiro.

A Operação Vostok, da Polícia Federal, teve o objetivo de combater esquema de pagamento de propina a representantes da cúpula dos Poderes Executivo e Legislativo estaduais, além do Tribunal de Contas do Estado, no Mato Grosso do Sul.

O inquérito foi autorizado e tramita no STJ, em Brasília. As medidas decretada foram feitas por aproximadamente 220 policiais federais que cumpriram 41 mandados de busca e apreensão e 14 mandados de prisão temporária, na Capital e nos municípios de Aquidauana, Dourados, Maracaju, Guia Lopes de Laguna e Trairão, no Estado do Pará. São alvos das medidas os endereços residenciais e comerciais dos investigados e os seus locais de trabalho.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ENEM
Confira as medidas de segurança durante a prova do Enem
EMPREGO
Eldorado Brasil oferece mais de 800 vagas para início imediato
Em Mato Grosso do Sul, são ofertadas novas posições para atuar nas unidades de Água Clara, Inocência e Selvíria
Coronavírus
Em 24 horas MS registra 1.316 exames positivos de Covid-19 e 13 mortes
CONCURSO DA PF
Polícia Federal publica edital de concurso com 1,5 mil vagas
POLICIAL
Com facada no coração, rapaz é deixado em frente padaria em cidade MS
SERVIÇOS
Em período chuvoso, saiba como receber alertas da Defesa Civil por SMS
PROCESSO SELETIVO
Sebrae abre processos seletivos com vagas na Capital e interior
São dois editais, sendo um para Pessoas com Deficiência. Salários chegam a R$ 4.802,92
ASSISTÊNCIA SOCIAL
Povo das Águas atende ribeirinhos da parte alta do rio Paraguai a partir do dia 19
TURISMO
Turismo de MS espera vacinação e já planeja duas campanhas para fomentar o setor
SAÚDE
Decreto reabre crédito de R$ 1,6 bi para aquisição de vacinas

Mais Lidas

POLICIAL
Com facada no coração, rapaz é deixado em frente padaria em cidade MS
CONCURSO DA PF
Polícia Federal publica edital de concurso com 1,5 mil vagas
Coronavírus
Em 24 horas MS registra 1.316 exames positivos de Covid-19 e 13 mortes
GERAL
INSS: prazo para recorrer de auxílio-doença negado termina hoje