Menu
quarta, 14 de abril de 2021
Ambiental MS Pantanal - Aegea
MOBILE - Ambiental MS Pantanal - Aegea
Geral

Ministro do STJ libera conta de Azambuja

03 outubro 2018 - 13h50Correio do Estado

O ministro do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) Felix Fischer, relator do caso da JBS envolvendo o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), liberou a conta do candidato à reeleição do Executivo estadual, mas manteve as contas do restante da família bloqueadas. Desde a Operação Vostok, no dia 12 de setembro, Azambuja, a esposa e seus três filhos estavam com o acesso e movimentação bancária impedidos pela Justiça.

O pedido de desbloqueio partiu da defesa de Azambuja, alegando que o candidato aporta recursos próprios na campanha e precisa movimentá-la. “Estamos estudando o fornecimento de maiores informações do ministro para comprovar que não há risco de prejuízo [nas investigações] para liberação de todos os bens do restante da família”, resumiu o advogado Gustavo Passarelli, que defende a família. Após isso, um novo recurso deve ser impetrado para que as contas de todos sejam liberadas.

Segundo as investigações, os investigados – entre eles Azambuja – receberam propinas que somam R$ 67,7 milhões em troca de benefícios fiscais ao grupo JBS. Com isso, os cofres públicos de Mato Grosso do Sul tiveram um prejuízo tributário de R$ 209,7 milhões.

Em setembro, com a operação Vostok deflagrada, 14 pessoas foram presas pela Polícia Federal. Entre os envolvidos estavam o filho de Azambuja, Rodrigo Souza e Silva, o deputado estadual Zé Teixeira (DEM) e o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) Márcio Monteiro, ex-secretário de Fazenda do atual governador.

Os outros presos foram: Ivanildo Miranda, o empresário João Baird, José Ricardo, mais conhecido como Polaco, ex-prefeito de Porto Murtinho Nelson Cintra, Meltron Rodrigues, Rubens Matsuda, Osvani Ramos, Elvio Rodrigues, Antonio Celso Cortês e Zelito Alves Ribeiro.

A Operação Vostok, da Polícia Federal, teve o objetivo de combater esquema de pagamento de propina a representantes da cúpula dos Poderes Executivo e Legislativo estaduais, além do Tribunal de Contas do Estado, no Mato Grosso do Sul.

O inquérito foi autorizado e tramita no STJ, em Brasília. As medidas decretada foram feitas por aproximadamente 220 policiais federais que cumpriram 41 mandados de busca e apreensão e 14 mandados de prisão temporária, na Capital e nos municípios de Aquidauana, Dourados, Maracaju, Guia Lopes de Laguna e Trairão, no Estado do Pará. São alvos das medidas os endereços residenciais e comerciais dos investigados e os seus locais de trabalho.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Mudanças nas bandeiras do Prosseguir podem alterar atividades nos municípios de MS
GERAL
Câmara aprova inclusão de medidas protetivas de mulheres em banco de dados policial
VACINAÇÃO
Vereador solicita que trabalhadores de limpeza pública também sejam imunizados contra a Covid
PATRIMÔNIO HISTÓRICO
Na Câmara, vereador pede informações sobre restauração de prédios históricos
DETRAN
Detran lança e-book e hotsite com todas mudanças do Código de Trânsito Brasileiro
POLICIAL
PF prende três pessoas por tráfico de drogas e apreende 245kg de maconha em MS
CAPTURA DE ANIMAL
Jibóia é encontrada dentro da sala de residência em Corumbá
EDUCAÇÃO
Terminam hoje inscrições para o Sisu do primeiro semestre
ACIDENTE DE TRÂNSITO
Colisão de carro e moto deixa jovem ferido no Dom Bosco
GERAL
Obras de acesso à ponte que interliga os pantanais da Nhecolândia e Paiaguás estão adiantadas

Mais Lidas

POLICIAL
PM prende homens por tráfico de drogas e apreende 83 tabletes de cocaína
GERAL
Após briga, jovem é esfaqueado por padrasto no Centro América
MUDANÇA NO CTB
Nova Lei proíbe substituir prisão por pena mais branda em crimes de Trânsito
POLICIAL
Casal é preso após briga no Loteamento Pantanal