Menu
segunda, 25 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Ministro defende participação do setor privado na contratação de obras

02 julho 2021 - 08h36Agência Brasil

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, defendeu hoje (1º) a participação de diferentes setores da iniciativa privada no processo de contratação de obras públicas em um modelo que visaria à desoneração do poder público, maior eficácia de fiscalização e maior segurança. Durante evento organizado pela Escola de Negócios e Seguros (ENS), ele ressaltou a importância do papel de empresas certificadoras e de bancos nesse processo.https://agenciabrasil.ebc.com.br/ebc.png?id=1414430&o=nodehttps://agenciabrasil.ebc.com.br/ebc.gif?id=1414430&o=node

Tarcísio também avaliou que a Lei Federal 8.666/1993 instituiu normas de licitação que precisavam ser atualizadas porque limitava as possibilidade para a contratação de obras. Sancionada em abril deste ano, Lei Federal 14.133/2021 teria contribuído para alterar o cenário.

Segundo o ministro, o Brasil vem se atualizando com práticas que estão em sintonia com o que se observa na Europa e nos Estados Unidos. "As contratações são design-build, ou seja, são contratações integradas, projeto e obra. Isso é interessante porque não dilui responsabilidade. E aí evito problemas como aconteceu na queda do Viaduto Batalha dos Guararapes, em Belo Horizonte. Ele caiu e fica a questão de quem é a culpa. O construtor aponta o dedo para o projetista e o projetista diz que a culpa é do construtor."

O ministro destacou o acompanhamento da elaboração do projeto e de cada etapa da obra por empresas certificadoras credenciadas pelo poder público. "Cada parte do projeto entregue, a certificadora vai lá e atesta se atende a norma técnica e os requisitos. Ela faz o controle tecnológico da obra e diz se está sendo entregue conforme a norma. Você tira a carga da administração em termos de fiscalização."

Para o ministro, um dos pontos do modelo é a participação do setor bancário, através das seguradoras. Elas seriam capazes filtrar as empresas que vão concorrer na licitação, pois a comercialização dos seguros leva em conta a aptidão e a responsabilidade do contratante. Além disso, também teriam interesse em ajudar no acompanhamento e fiscalização na obra.

"Já tenho a certificadora controlando o projetista e construtor e tenho o banco controlando todos. É um arranjo de contratação de obra que acaba sendo integralmente privado. E isso libera força de trabalho da administração pública e aumenta o resultado", acrescentou Tarcísio.

O ministro disse ainda que o Ministério da Infraestrutura está atuando com base em quatro pilares: transferência massiva de ativos para a iniciativa privada; resolução de passivos herdados como concessões que deram errado; conclusão de obras inacabadas; e fortalecimento institucional e preparação da regulação. Segundo ele, em seus dois anos e meio de gestão, houve até o momento concessão de 70 ativos.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Imunização
Veja quem pode se vacinar contra Covid em Corumbá nos próximos dias
Acidente
Rapaz sofre fraturas após ser atropelado na saída da quermesse em Ladário
R$ 350 mil
Bia Cavassa entrega duas viaturas semiblindadas à PRF
Transtornos
Quase 1 milhão de raios atingiram MS neste fim de semana
Procurados
Membros do PCC presos na fronteira com MS são entregues à polícia brasileira
Eldorado
Tempestade derruba fios elétricos e 51 animais morrem eletrocutados em fazenda
Até 4 de Novembro
IFMS segue com inscrições abertas para cursos subsequentes e Proeja
Mundo Novo
Jovem é preso por disparos e porte ilegal de arma de grosso calibre
Meio Ambiente
Semana do Lixo Zero com coleta de vidros e entrega de medicamentos vencidos começa hoje em Corumbá
Reta Final
Última semana para pagar licenciamento de veículos com placa terminada em zero

Mais Lidas

Causa não definida
Motorista de ônibus fretado com 42 passageiros perde o controle e colide na mureta da ponte
Dom Bosco
Homem baleado pede socorro em escola, mas não resiste e morre
Desdobramento
Embarcação que naufragou e fez sete vítimas no rio Paraguai não era de transporte turístico
Boletim Epidemiológico
MS volta a registrar mortes por Covid-19